Volta Redonda 0 x 2 Fluminense (por Lucio Bairral)

lucio panorama red

Volta Redonda e Fluminense. Na Cidade do Aço.

O time tricolor foi escalado com Cavalieri, Jonathan, Henrique, Gum e Wellington Silva; Pierre, Cícero, Gerson e Gustavo Scarpa; Marcos Junior e Magno Alves. Os reservas que iniciaram no banco foram Julio Cesar, Marlon, Giovanni, Edson, Osvaldo, Felipe Amorim e Douglas.

Fred, com mimimi, pediu para não jogar. Relatos dão conta de que não quer jogar mais enquanto Levir Culpi estiver no comando. Experimente você, amigo leitor, fazer isso: “não vou mais trabalhar enquanto meu chefe estiver no posto”. Na boa… Você vai rodar, tenha o talento que tiver.

Apesar do Fred, o Fluminense entrou em campo para mostrar sua força e manter a ponta do campeonato. E mostrar que todos os jogadores que passaram pelo clube e construíram uma bela história, também passaram.

Aos dois e oito minutos, o Gérson apareceu em lances. Pouco depois, Marcos Júnior pediu substituição, dando lugar ao Osvaldo. Com 13 minutos, uma cabeçada perigosa contra o gol do Cavalieri. Com 21 minutos, Osvaldo, Scarpa e Magno fizeram uma boa jogada, mas o moleque de Xerém não conseguiu finalizar bem.

Mas aos 32 minutos, em mais uma das boas jogadas que Jonathan tem feito nos últimos jogos, Magno Alves recebeu a bola na área, deu um corte no zagueiro e chutou seco, rasteiro, sem chances para o goleiro do Voltaço, fazendo o 0 a 1 para o Fluminense.

Gum salvou o gol de empate aos 40 minutos e, aos 44, o Cavalieri deu uma pixotada, fazendo com que a torcida ficasse apreensiva na jogada. O primeiro tempo terminou com nossa vitória parcial, o que nos daria a liderança da Taça Guanabara, faltando apenas uma rodada para seu final.

O segundo tempo iniciou com uma jogada perigosa do artilheiro do campeonato, Tiago Amaral, do Volta Redonda. Foi uma bela cabeçada. Aos cinco minutos Giovanni entrou no lugar do Jonathan, deslocando Wellington Silva para sua lateral de costume.

Com 15 minutos, Vinícius Pacheco perdeu incrivelmente o gol de empate. Foi lançado em velocidade e deu um toque na saída do Cavalieri. A bola passou tirando tinta da trave, para nossa sorte. Aos 21 minutos Gérson deu lugar ao Edson.

E aí brilhou a estrela do Levir: Cícero fez um lançamento e Magno Alves deu um corta luz, para a bola chegar, praticamente em sua primeira aparição no jogo, ao Edson. Ele foi carregando a bola, deu um drible de corpo no defensor e foi para a área. Na saída do goleiro, deu um toque por cima do goleiro, daqueles que o Romário cansou de fazer na carreira. Belo gol, aos 23 minutos, fazendo o 0 a 2.

Com o placar mais tranquilo, o time diminuiu o ritmo. Até para poupar o time, que vem jogando atualmente três campeonatos simultâneos. Aos 39 minutos, mais um susto sofrido. Em uma falha do Giovanni, Dija Baiano chutou com certo perigo e quase diminuiu o placar.

O time está no caminho certo. Levir conseguiu dar uma unidade ao time e, por mais que se precise melhorar, a evolução é notória.

E, no Fluminense, já passaram Rivellino, Assis, Castilho, Telê, Preguinho, Pinheiro… E, por mais que escrevessem brilhantemente seus nomes na história, eles passaram… Se aposentaram… Morreram… Porque isso é a ordem natural das coisas. Fred também vai passar. Resta saber se vai sair pela porta dos fundos. Ou como o ídolo que é, para muitos.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @luciobairral

Imamge: lk

1 Comments

  1. Falou tudo.
    Homem feito, salário milionário, dando piti. Primeiro no vestiário, após jogo c Madureira, agora fez essa cena ontem.
    Lamentável.
    E vence o Fluminense

Comentário