Esperança tricolor (por Crys Bruno)

Oi, pessoal.

Chego a cento e trinta colunas com coração angustiado e triste. Sei que houve problemas.

Perdemos o time ágil e encaixado do Carioca e “perdemos” um Abel entusiasmado com o futebol ofensivo.

Abel se perdeu. A trágica e impensável dor da perda do filho levou muito da sua alma, nome que ele usou como adjetivo quando chegou e como principal característica para o time.

Nos últimos jogos, assistimos aberrações no posicionamento com volantes de meia, atacante de laterais, meias de volantes, laterais de pontas.

Perdemos o encaixe ao perdemos principalmente o único jogador pensante: Sornoza.

Jogadores como Wendel e Wellington, vindos de transferências não concretizadas, mas até anunciadas como certas, sentiram o baque. Cada um de um jeito.

O time que marcava no ataque, passou a jogar atrás da linha da bola, isolando um centroavante para fazer a parede, como atuam times médio e pequeno de Portugal, onde Abel treinou.

Estou cansada. É cansada, serei mais uma a cansá-los. Quando que Abel iria posicionar o Internacional no Beira-Rio contra o Palmeiras como fez no último domingo com o Fluminense, tratado agora até por ele como timeco?

Nunca a diretoria e torcida do Internacional iriam admitir aquela postura contra time que fosse, em pleno Beira-Rio. No Fluminense, admite-se.

Estou cansada disso. Dessa ausência de cobrança de postura ofensiva. Dessa idolatria como se Abel fosse um deus salvador do clube, como já tratavam o Fred. Estou cansada dessa pequenez.

Exausta, eu preciso de férias do Fluminense. Desmotivada, vocês merecem meu respeito e consciência de nada mais me resta a acrescentar por enquanto.

Como disse na última coluna, tratam o Fluminense como time pequeno, tratam a torcida do clube com desprezo e indiferença.

O elenco é do mesmo nível ou até melhor do que pelo menos 15 times, clubes medianos, remendados, sem tradição e história e estão na nossa frente no Brasileiro.

Cansada, exausta e desmotivada, preciso de férias do Fluminense e vocês merecem férias de mim, assim sendo.

Deixo aqui um abraço verde, branco e grená. Minha mais doce gratidão e fraternidade.

Que volte a esperança. Que o querido Abel consiga a alma que muito perdeu, evidente e compreensível, para essa difícil reta final.

Que volte a esperança…

Saudações Tricolores, amigos.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @CrysBrunoFlu

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres