Cabofriense 1 x 1 Fluminense: atuações (por Mauro Jácome)

DOWNLOAD GRÁTIS – LIVRO – PEQUENOS RELATOS DA OPRESSÃO

DOWNLOAD GRÁTIS – LIVRO – COPACABANA CITY BLUES

O time reserva de Abel não teve dificuldades para se impor na maior parte do jogo. Posicionou-se no campo de ataque, com trocas de passes e movimentação. Marlon avançou pela esquerda e Douglas encostou em Luquinhas e Robinho. Pablo Dyego se movimentava para abrir espaços. No entanto, nas vezes em que chegou na área de George, as conclusões foram ruins. A Cabofriense tentou os contra-ataques, mas o Fluminense recompunha com rapidez o sistema defensivo.

No recomeço do jogo, o Fluminense continuou com o controle do jogo. Logo de cara a abertura do placar: Robinho sofreu pênalti, bem batido por Douglas. No entanto, os contra-ataques da Cabofriense começaram a funcionar e o gol de Rodolfo correu riscos. Aos 29’, a defesa tricolor deu rebote e Lucas Cunha desviou de calcanhar, enganou Rodolfo e empatou. A partir desse gol, ninguém marcava ninguém e o jogo ficou lá e cá. Os dois times perderam várias chances, algumas inacreditáveis e em razão da falta de qualidade técnica.

RODOLFO

Boas intervenções no segundo tempo, pelo chão e pelo alto.

RENATO CHAVES

Quando a Cabofriense apertou, teve dificuldades para correr atrás dos atacantes.

REGINALDO

Mesmo nível de Renato Chaves. Errou alguns passes na saída de bola.

FRAZAN

Começava a ficar exposto devido à falta de marcação e Abel o tirou.

MARLON FREITAS

Entrou para melhorar a marcação no meio-campo, mas o cansaço e a falta de ritmo dos companheiros dificultaram o serviço.

LÉO

Péssimo. Algumas jogadas para deixar a torcida preocupada. Vamos torcer para que seja falta de jogos.

AIRTON

Fora de forma física e técnica. Chegou atrasado em vários lances. Não voltou para o segundo tempo.

MATEUS NORTON

Não impediu que a Cabofriense contra-atacasse, nem chegou para ajudar no ataque.

DOUGLAS

No meio de tantos reservas, foi a voz da experiência. Trabalhou bem na organização na intermediária da Cabofriense. Bateu bem o pênalti.

LUQUINHAS

Apareceu bem, com muita movimentação e participação nas trocas de passes. Cansou e saiu logo no começo do segundo tempo.

MACULA

Entrou animado, mas esbarrou nas limitações técnicas. Teve oportunidade para estrear com gol.

MARLON

Jogou no campo da Cobofriense. Mandou uma na trave. Sentiu falta de alguém com presença de área para os cruzamentos.

ROBINHO

Movimentou-se melhor do que em outros jogos, mas novamente tomou decisões erradas. Driblou na hora de passar, passou quando devia ousar. Já está ficando queimado com a torcida.

PABLO DYEGO

Começou se movimentando, recebeu umas duas bolas para concluir, depois desapareceu.

ABEL

A vantagem nos números dava a certeza de classificação em primeiro lugar no grupo, portanto, Abel resolveu testar o elenco. Vários jogadores precisam melhorar muito para encarar um Brasileiro. São muitos detalhes, alguns de fundamento, o que leva a crer que a campanha tende a ser de muito sofrimento. Com relação ao esquema, se é com três zagueiros, o sistema defensivo não pode depender tanto de Marlon na marcação. Várias vezes, o lado esquerdo esteve aberto para a Cabofriense chegar com alguém livre.

ARBITRAGEM

Não marcou pênalti em Luquinhas.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#JuntosPeloFlu

Imagem: jam

1 Comments

  1. Pablo Diego e Robinho não servem nem pra pelada nas varzeas suburbanas, o presidente do Itatiaia deve ganhar uma estatua lá na sua sede por conseguir passar o pereba pra frente por 7 milhões de reais…

Comentário