Vida agitada, essa do Fluminense (por Rods)

LaranjeirasUma coisa ninguém pode negar: não há pasmaceira nas Laranjeiras. Ou estamos na crista da onda, conquistando títulos e resultados históricos ou estamos em pé-de-guerra defendendo nossas cores e honra. Nada de intermediário, nada de mais ou menos. É sempre matar ou morrer. O fatídico ano de 2013 pode até ter acabado recentemente, mas a luta do tricolor segue sem mostrar um fim no horizonte.

Mas vamos em frente, que se tem muita coisa acontecendo, tem muita coisa pra se falar.

Madureira

Brigou com o Macaé e com o Volta Redonda pelo posto de pequeno surpreendente da vez. Merece ter chegado onde está e será um páreo duro para nós, hoje, no Raulino. Sem Fred, que deve pegar todos os seis jogos de suspensão, o Fluminense deve entrar com: Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Marlon e Giovanni; Rafinha, Jean, Gerson e Wagner; Walter e Kenedy. Uma substituição simples, mas que muda severamente nosso esquema.

Waltinho já mostrou que não tem condição de atuar como o nosso capitão. Pela ordem de divulgação dos nomes, pode ser que o (já vendido?) Kenedy fique como centroavante e o Walter ajude a municiá-lo, obviamente, não com velocidade.

Toninho de Andrade, técnico do tricolor suburbano, disse que seu time vai jogar pra ganhar. Só me falta o nosso Mr. Drub cair nessa arapuca, achando que seremos atacados. É claro que o Madureira se armará para cercar o Fluminense e aproveitar os erros. Nosso time tem como obrigação dobrar sua atenção durante o jogo, impedindo que se formem espaços e sem confiar na linha burra. A vitória simples nos classifica, mas também não convém se encolher, caso fiquemos na frente do placar.

Beira o impossível, mas rio ao pensar que, se vencermos o Madureira por um gol e o Vasco perder por três, é o time do Eurico que fica fora.

Falando em Madureira e em Eurico, imaginei cá comigo que segunda-feira deve ter havido o seguinte diálogo por telefone:

– Alô, Duba? Eurico Falando!

– Dr. Eurico, grande mestre! A que devo a honra?

– Seguinte, gostei muito quando você disse semana passada que o Fluminense era um time falido. Ri pra c***!!! Aquele almofadinha deve ter esperneado a noite inteira.

– Hahahahaha… Sempre às ordens!

– Olha, amanhã quero que você diga mais o seguinte… Hehehehe… Essa é muito boa… Sou foda mesmo! Você vai declarar que tá pouco se fodendo pro que o Fred falou, que ele é jogador aposentado e que daqui a pouco vai querer o fim da Copa do Mundo também! Entendeu? Dá seu jeito, aí!

– Entendi sim, patrão! Amanhã mesmo mando chamar o Lance e digo isso.

Mantenha seus amigos perto e seus inimigos mais perto ainda

A Internet é uma ótima fonte de informação, mas de desinformação também. Se você procurar o autor da frase acima, encontrará ao menos cinco opções. Bem, eu só sei que ela foi dita no clássico filme “O Poderoso Chefão 2”.

Enfim, é assim que vejo a nossa situação junto ao Flamengo na luta contra a Ferj. Entendo, respeito e até concordo com alguns pontos de amigos como Maurício Lima e João Leonardo, em sua coluna de ontem aqui no Panorama, que defendem sim o rompimento, mas nunca ao lado do time de remo.

Acontece que, pensando friamente, não sei onde poderíamos chegar lutando sozinhos nessa frente. Sim, nós temos nossa força e nossa história. Mas eles têm a mídia. Não é que precisemos deles, mas sim que a situação precisa dos dois juntos.

A verdade é que o Fla-Flu é uma instituição. É maior que a simples soma dos dois. Meu melhor conselho nesse momento? Uma briga de cada vez, meu amigo. Uma briga de cada vez.

Pierre

Com tudo acertado entre as partes, Fluminense agora espera apenas o resultado dos exames médicos para assinar até o fim de 2016 com o volante de 33 anos que estava encostado no Atlético Mineiro. Anos atrás, antes de se transferir pra BH, era peça fundamental do Palmeiras, respeitado e querido pela torcida. Chegou com moral no time mineiro, mas viu seu espaço diminuir aos poucos até chegar à situação atual.

Como bem diz meu amigo atleticano Cláudio Dias, nós do Rio pouco sabemos do que acontece em Minas Gerais. Pedi a ele informações sobre o dito cujo e até o momento de fechar esta coluna não tive resposta. Prometo passar a vocês assim que tiver uma resposta. Jogador quando vem fácil assim, com o antigo empregador até dividindo salário, temos que desconfiar. Algum caroço tem nesse angu.

Agora, vamos levar em conta que ele vem pra jogar. Banco para o Jean sem pensar duas vezes. Eu já teria tornado o Rafinha titular tempos atrás. Afinal, Jean não mostra um futebol convincente desde a Copa das Confederações. Sua queda foi tanta, que perdeu a chance de jogar a Copa do Mundo. No Flu, apenas lampejos. Uma jogada aqui e um gol ali, entre diversas divididas perdidas e faltas mal batidas.

Seu Limão não tá aqui avisando que acabou o tempo, mas é tanta coisa, que terei que deixar algumas para a próxima. Que vençamos hoje, que faturemos mais um título de ano cinco e que calemos muitas bocas.

ST!

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @Rods_C

Imagem: Rods

#SejasóciodoFlu

capas o espirito da copa + cartas do tetra 02 2015

6 Comments

  1. Concordo com a sua análise grande RODs. Só ouso discordar sobre o Pierre, lembrando que o Mariano veio para o Fluminense na mesma situação, era vaiado e depois de ” um curso intensivo de futebol” by João Garcez, passou a jogar muuuuito e deixou saudades. Espero que a História se repita…rs

    1. Grande Nelson!

      Seguinte, não estou gorando e nem desdenhando a contratação. Apenas quero saber pq veio tão fácil.

      Acabei de conversar com o meu amigo atleticano e acho que tenho boas notícias. Logo logo, no aqui no nosso blog.

      Abraço e ST!

  2. A análise do Jean perfeita ,não tiro uma linha . Não podemos esquecer que Pierre esta com 33 anos e Mariano veio para o Flu com seus 20 poucos anos,há diferença contundente. Sou otimista e TRICOLOR ROXA rs.. VAMOS GANHAR, mesmo se fizermos aquela linha burra que ODEIO.

    ST!

    1. Valeu demais, Roberta!

      Como o Jean é um cara família e bem caseiro, só me resta concluir que o problema dele é futebol mesmo. Ou melhor, a falta dele.

      Tô com você que a comparação Pierre – Mariano não cabe muito, mas o Nelsão sabe das coisas. Vamos ver…

      Também acho que vamos ganhar. Acredito que o elenco vai querer mostrar seu valor.

      ST!

  3. Bela análise Rods!

    Apesar do Pierre ser do time dos cabeças de bagre, o Fluminense precisava de um volate porrador, daqueles de parar o jogo na intermediária de ataque (e sem levar cartão). Tô cansado de levar gol de falta na entrada da área!

Comments are closed.