Vasco 0 x 2 Fluminense: atuações (por Mauro Jácome)

A postura inicial do Fluminense foi ruim. Sem intensidade e passiva na marcação, chamou o Vasco para o campo de ataque, em vez de explorar a péssima fase cruzmaltina. A atitude quase custou um gol antes da parada técnica. A conclusão da marca do pênalti passou raspando a trave de Muriel. Aos 26’, Raul perdeu outra grande chance. No contra-ataque tricolor, a primeira conclusão: Evanilson foi lançado por Nenê e tocou por cima de Fernando Miguel. Belo gol. O jogo ficou morno até os 44’ quando, novamente, Nenê lançou Evanilson em condições de marcar, mas o atacante tricolor foi derrubado pouco antes de entrar na área. Nenê bate, mas a bola raspou na barreira. Tinha endereço certo.

O segundo tempo seguiu a cartilha da etapa inicial. O Vasco avançou e o Fluminense apostou nos lançamentos longos para Evanilson. Pouco. Wellington Silva insistia nos dribles longe da área de Fernando Miguel. Pouco. Por outro lado, o nervosismo e ansiedade bateram no Vasco. O Fluminense poderia ter aproveitado para matar o jogo, mas faltou objetividade. O Vasco se reorganizou e foi para cima. O Fluminense aceitou a pressão e confiou no contra-ataque. O segundo estava maduro. Caio Paulista bateu forte de fora da área a bola explodiu na trave, Fernando Pacheco aproveitou o rebote e matou o jogo.

MURIEL

As conclusões perigosas do Vasco foram para fora.

IGOR JULIÃO

Jogou para não se comprometer.

MATHEUS FERRAZ

Jogou na sobra e dominou o jogo aéreo. É muito tranquilo e passa confiança ao sistema defensivo.

NINO

Levou vantagem sobre o ataque vascaíno, apesar de demorar a encostar nas duas conclusões do primeiro tempo.

EGÍDIO

Muito recuado. Não arriscou passar do meio-campo.

HUDSON

Jogou próximo aos zagueiro. O posicionamento contribuiu para o Vasco avançar pela intermediária tricolor. Deixou para Yago a função de distribuir a bola para Nenê.

YAGO

Excelente partida. Está se encaixando no meio-campo tricolor. Defensivamente, reveza com Hudson, mas tem mais velocidade em atacar o adversário de posse da bola.

NENÊ

Está numa fase exuberante. Três participações decisivas no primeiro tempo e, numa delas, resultou no gol de Evanilson.

MARCOS PAULO

Não fez um bom jogo. A postura recuada do time, privilegiando os contra-ataques, não favoreceram seu futebol, que cresce quando o Fluminense joga perto da área adversária.

FERNANDO PACHECO

Entrou bem. No primeiro contra-ataque, costurou no meio-campo e foi derrubado. No segundo, foi para cima, triangulou e foi no fundo. O cruzamento foi cortado pela zaga. Bem colocado para pegar o rebote e fechar a conta.

WELLINGTON SILVA

Deveria ter sido mais vertical a partir da vantagem tricolor. Criaria mais problemas. Preferiu usar a habilidade no centro do campo.

CAIO PAULISTA

Também entrou bem. Puxou contra-ataque e arriscou o chute. Assim, saiu o segundo gol.

EVANÍLSON

Boa partida. Jogou na última linha de marcação do Vasco. Com bom tempo de bola, marcou um gol e foi derrubado em outro lance que poderia resultar em gol.

PH GANSO

Nada de importante.

ODAIR HELLMANN

Armou o Fluminense para o contra-ataque. A estratégia deu certo, mas levou sufoco sem necessidade, pois as linhas, em determinados momentos, ficaram muito recuadas e entregaram a intermediária. Caso essa seja a ideia, é preciso ajustar a marcação à frente da área para atacar a bola e mantê-la mais distante de Muriel. Os laterais jogaram presos, a organização ficou por conta de, primeiro, Yago e, depois, por Nenê. Nino, Matheus Ferraz e Hudson carregaram o piano para dar suporte nas transições.

Clique Aqui para seguir o podcast do Panorama Tricolor

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#credibilidade

2 Comments

  1. Gosto do futebol do Nenê…ainda dá caldo sim. Sebo Fluminense contra o poderoso Vasco jogou armado nos contras, imagine no Brasileirão. Que Fluminense esperar Mauro? Bela análise como sempre. Abraço.

  2. Gosto do futebol do Nenê…ainda dá caldo sim. Se o Fluminense contra o poderoso Vasco jogou armado nos contras, imagine no Brasileirão. Que Fluminense esperar Mauro? Bela análise como sempre. Abraço.

Comments are closed.