Uma pedra no meio do caminho (por Gustavo Reguffe)


No meio do caminho, tinha uma pedra…

E mais uma vez perdemos para o lanterna do campeonato, mesmo estando em posição muito superior na tabela; aliás, a mais superior possível. Prefiro, entretanto, creditar esta derrota a um apagão geral do time, só pra ficar com um dos termos usados pela grande imprensa no dia seguinte ao jogo. Melhor mesmo acreditar que, dessa vez, apesar de um ou outro erro de escalação, nada deu certo.

Certo mesmo é que o time ainda não mostrou o futebol que pode mostrar, digno de suas cores, de seus jogadores e da posição que ocupa na tabela. Burocrático até agora, o Flu tem jogado apenas o suficiente para superar os adversários e se manter na ponta. É pouco. Tem funcionado pois o campeonato é nivelado por baixo e não há qualquer time que possa ser colocado num patamar muito acima dos outros.

Quando se começa a perder pontos para adversários bem mais fracos, é preciso que se faça uma análise para atacar o foco dos problemas. No caso específico do jogo com o Atlético-GO, pode-se alegar cansaço pela sequência de jogos, erros táticos na escalação ou até mesmo o reflexo provocado em alguns de nossos jogadores pela convocação para este amistoso da seleção.

O fato é que o campeonato entra agora em uma fase decisiva e temos que recuperar a concentração. Não que a última partida tenha sido uma tragédia; perdemos apenas a segunda e essa derrota pode ter vindo na hora certa. Mas tem que ser a hora de mostrar do que somos realmente capazes.

O cenário para o jogo do fim de semana, contra o Náutico, enfim nos parece bem mais favorável. Com Deco e Fred de volta e a saída do limitado Edinho para a possível volta de Valência, temos a promessa de bom futebol em Volta Redonda. Que a bronca do Abel tenha surtido efeito nessa reta final e que o Atlético-GO, parafreseando o grande Drummond, tenha sido apenas uma pedra no meio do caminho.

 

Gustavo Reguffe

Panorama Tricolor/ FluNews

@PanoramaTri

Contato: Vitor Franklin

2 Comments

  1. Espero que o Abel não invente o Diguinho no lugar do Edinho. Com relação à vollta do Deco, quem vai sair: Wagner? Estava gostando de sua ascenção. Mas não creio em outro. Por outro lado, a volta do Maestro deveria ser gradual. Vamos aguardar o que o Abel sinaliza.

  2. Oi, Mauro, estou te respondendo na terça; após o jogo, portanto. Felizmente, Abelão foi de Valencia no lugar do Edinho; substituição que, aliás, gostaria muito que fosse permanente… Também acho que o Wagner estava evoluindo bastante, até a contusão. Gostei que entrou para poupar o Deco e gostei mais ainda da entrada do jovem Marco Junior; esse garoto promete, tem personalidade. Definitivamente, ainda não acertamos o time mas acho que só temos a melhorar com a volta de Deco e Fred e o entrosamento deles com o resto do time.
    Grande abraço
    P.S.: A propósito, bela coluna, a que fez referência aos tempos do rádio. Parabéns!

Comentário