Por que não os titulares, Abel? (por Aloísio Senra)

Tricolores de sangue grená, confesso que, ao entender como normal, aqui nesta coluna mesmo, que o Fluminense tratasse a Primeira Liga como secundária, eu ainda desconhecia algumas informações como, por exemplo, o prêmio para o campeão. Se o Fluminense vencer o Londrina, depois bater Grêmio ou Cruzeiro e, por fim, derrotar Flamengo, Inter, Galo ou Paraná, não apenas se manterá como único campeão da Primeira Liga, mas embolsará cerca de R$ 3 milhões. Para alguns, pode ser mixaria. Será?

Quantos meses de salário do Henrique Dourado ou do Scarpa essa quantia paga? São três jogos para o título. Não vale a pena? O Brasileirão está difícil, o Flu ainda mantém a gangorra mencionada outrora nestas linhas, e não decola nem quando aparentemente tem condições para tal. A Sul-Americana terá seu próximo jogo apenas daqui a uns 15 dias, e será no Rio de Janeiro. Qual o motivo, então, para mandar os reservas a campo contra o Londrina? Birra do Abel? Ou seja, porque o Abel não gosta da competição, não podemos jogá-la pra valer?

Gostaria sinceramente que a postura adotada fosse outra. Tivemos um tempo de descanso sem jogos de mais de uma semana recentemente, não há nenhuma razão – nenhuminha mesmo – para poupar o time titular. Imaginem o prejuízo não apenas financeiro, mas esportivo, num eventual revés para o Londrina que, com o devido respeito, não possui qualquer expressão nacional. Onde está a defesa dos interesses do Fluminense nessa história? Não podemos e não devemos abdicar da manutenção do respeito por nossas cores.

Se ainda estivéssemos disputando a Copa do Brasil, se estivéssemos em uma maratona de jogos, num período sem pausas, ou se fôssemos encarar uma viagem a Quito na sequência, eu juro que entenderia. Mas o momento atual é propício. Dane-se que os demais times provavelmente farão o mesmo. Tenho certeza que o Londrina não o fará. Nosso adversário é o 13º colocado na Série B, mas tem a mesma pontuação nossa, 30 pontos. Venceram mais jogos (oito), mas perderam mais também (os mesmos oito). Perder deles, com o time que for, será, sim, um baita vexame.

Confio plenamente na capacidade técnica do Abel, mas não dá para concordar e aplaudir uma decisão completamente incoerente como esta, tampouco achar normal que a diretoria dê sustento à vontade do treinador. Existe uma hierarquia, e ela precisa ser cumprida. É função do vice de futebol conversar com nosso querido Abel e convencê-lo a escalar força máxima contra o time paranaense. São alguns milhões de reais na conta e mais uma taça para Álvaro Chaves, talvez a única que conquistaremos este ano. Não podemos simplesmente ignorá-la. Força máxima, vitória na conta, classificação para as semis. É o mínimo.

Curtas:

– Não entendi, sinceramente, as substituições do Abel no sábado passado. Ele encheu o time de atacantes no segundo tempo, em vez de tentar ganhar o meio, que era onde o Vasco fazia seu jogo. Nos jogos em que falta mais competência do que sorte, não dá pra absolver o técnico.

– Ao contrário do jogo contra o Galo, pegamos um Vasco arrastado, que tornava nosso jogo lento e impedia nossas ações. O Bacalhau jogou como pequeno e ganhou o jogo, muito similar à maneira que o Botafogo joga contra nós. É preciso aprender a vencer esse tipo de partida.

– Sornoza era praticamente uma necessidade, mas foi preterido. Se ninguém me ouvir, que entre contra o Londrina pelo menos para ganhar ritmo. O time titular precisa muito de sua presença.

– Diretoria do Fluminense, comissão técnica, torcida, João de Deus, Gravatinha, autoridades competentes, por obséquio, impeçam o lateral Léo de cobrar os arremessos manuais para a área. Obrigado, de nada.

– E por falar em laterais, os nossos atravessam uma má fase de doer, juntamente com o Scarpa. Falta treinamento de passe, o aproveitamento tem sido baixíssimo. Orejuela também está mal há muito tempo.

– Wendel vendido por 10 milhões de euros. Bom negócio? Com a palavra, os especialistas.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: alo

5 Comments

  1. Concordo e discordo.
    1) As vezes falta calma ao Abel na hora de definir substituições.
    2) O jogo que o Vasco usaria contra o Flu, já era anunciado nos sites esportivos, dois dias antes da partida: quebrar a velocidade do Flu, tornar o ritmo do jogo mais lento. Parece que foi surpresa só para o Abel.
    3) Não acho q o Sornoza devesse jogar, está parado há tempos, sem ritmo de jogo. Tem q entrar aos poucos mas em jogos menos importantes como o de hj.
    4) Esses laterais cobrados na área acabam…

  2. 5) Não acho q o Scarpa esteja tão mal assim, mesmo bem abaixo do rendimento de antes da contusão. Na verdade, ele nunca me pareceu um cracaço, apenas um bom jogador, mesmo qdo jogava na base. Há jogadores que por características físicas ou psicológicas, demoram mais tempo para voltar a produzir o q sabem. Sem querer comparar o nível dos jogadores, eu me lembro q o Petkovic levava uma eternidade para recuperar a forma. Qto ao Orejuela, acho q ele foi supervalorizado, apenas isso.

  3. 6) Sem dinheiro não havia outro jeito a não ser vender pelos 10 milhões. Os compradores sabem da necessidade do Flu, então basta apenas esperar a chegada do término da janela de transferências. Pode-se dizer que havia uma proposta russa maior, mas nesse caso o jogador também decide. O q vc preferiria, ser contratado para jogar na França ou na Rússia ? Quanto ao Porto, o negócio não poderia ser feito enquanto o clube português não se livrasse de alguns jogadores, devido ao fairplay financeiro.

  4. 7) Quanto a primeira liga, concordo q o Flu deveria entrar com o time principal, afinal é a possibilidade de arrecadar 3 milhões. Mas não sabemos do estado físico dos jogadores, será q os tais exames q dão a situação fisiológica dos jogadores não aponta para um cansaço excessivo da maioria ? Nesse caso, o Abel estaria certo e deveria poupá-los.

Comentário