A companhia de teatro tricolor (por Rafael Rigaud)

Se o Fluminense não fosse um clube de futebol acho que seria uma companhia de teatro. Nunca vi quem gostasse tanto de flertar com a tragédia e a comédia, muitas vezes ao mesmo tempo.

Gosta de bater na porta e tentar entrar no seleto clube de campeões continentais, mas ao mesmo tempo, sorri e se insinua para o andar de baixo do futebol nacional. Vejam quantas vezes isso já aconteceu e está acontecendo novamente.

Cá em 2017 estamos quase num revival de 2009, só que mais ameno (um pé na Sul-Americana mas com o Z4 nos rondando com sua foice) e com mais tempo para agir.

Porém, para tal é preciso olharmos para o espelho e enxergarmos a realidade (não jogamos nada há tempos e estamos nas quartas da Sula porque Sobrenatural de Almeida e João de Deus assim quiseram).

Cuca nos salvou do descenso quase certo ao mexer com o elenco e com os brios em 2009; sua oxigenada permitiu nossa permanência na elite e abriu a golpe de foice a trilha para o tri brasileiro (já sob a batuta de Muricy). Abelão, por sua vez, segue achando tudo lindo e maravilhoso (ao menos publicamente, já que sabe-se lá o que anda dizendo quando recluso com os seus) e o time perdeu o sangue nos olhos de outrora.

Sinceramente, não sei o que esperar da Sul-Americana (em mata-mata já os eliminamos, mas em Fla-Flu qualquer coisa pode acontecer), e além do mais a prioridade é a escada anti incêndio do Brasileirão. A única coisa que sei é que aceitar a mediocridade como normal quase nos extinguiu nos anos 1990 e toda vez que vejo isso acontecer em Álvaro Chaves tenho um flashback que me dá calafrios.

Do mais abnegado torcedor tricolor de arquibancada ao faltoso tricoleba, todos estamos sujeitos a essa montanha russa de emoções e já não sei se posso dizer que me sinto confortável com isso atualmente.

Nunca sabemos o que nos aguarda no próximo ato. Mas só penso na salvação no Brasileiro. Entre o oitavo e o décimo-sétimo colocado, a diferença é de quatro pontos.

Como é teatral esse meu Fluminense…

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: r2

4 Comments

  1. Eu acho que depois do Flamengo, temos uma sequência de jogos mais tranquila e vamos sair do buraco. Já repararam que a maioria dos gols sofridos, vem da direita, sem marcação nenhuma. Sou a favor de jogar com 3 zagueiros, 3 volantes e 3 meias ofensivos, encostando no Dourado. Haja coração!
    ST.

  2. Parabéns, comentário lúcido, hoje o time/elenco é esse aí, não muda até o fim do campeonato, o Abel seguirá se Deus quiser, ele é tricolor, se trouxerem outro vai ser bem pior, cabe a torcida dar o melhor apoio possível e passar boas energias para que o time reaja. Não vamos jogar a toalha ou esperar milagre de São Cuca novamente.

  3. Fato verídico esse de termos daqui para frente, após o clássico contra o Flamengo, confrontos e muitos deles em casa bastante favorável ao clube, mas seria bom ter um resultado decente contra o Flamengo, ao contrário de outros momentos do campeonato, a confiança dessa meninada anda bem abalada e isso sim é fator preocupante.

  4. Abel deve tirar o Leo do time. Ele não marca e não apoia. Deve colocar três zagueiros: Gum, Reginaldo e Henrique. Também colocaria o Pierri para marcar, pois ninguém marca, mesmo jogando com três volantes

Comentário