Segue o vice-líder, porque o líder disparou (por Marcelo Savioli)

Amigos, amigas, é sempre bom que se respeite o Fluminense. A molecada do time café com leite até que é talentosa e  tem bons recursos, mas jogou contra o elenco do Fluminense.

Sim, tem esse aspecto curioso nesse início de temporada. Os café com leite têm um time definido, mas é de garotos, enquanto o nosso não tem definição nenhuma. Cada jogo, para nós, é mais um treino.

Enquanto treino, a escalação de Odair para o jogo de ontem foi um verdadeiro enigma. Nosso único atacante jogava aberto na esquerda, enquanto Miguelzinho, com meio metro de altura, desafiava os zagueiros adversários.

Não poderia dar em boa coisa, mas quase deu, porque criamos algumas situações de gol, normalmente melhor trabalhadas do que a deles, mas foi o Odair trocar Matheus Alessandro por Lucas Barcelos e o time melhorou.

Por que melhorou? Porque passou a ter um atacante trabalhando por dentro, desentortando nosso ataque. O gol veio rápido e poderia ter sido um passeio maior se tivéssemos várias peças ofensivas que estão fora de combate ainda.

É claro que dá para avaliar o time do Fluminense, mas não algumas experiências de nosso treinador. O time esteve muito bem na marcação, a zaga foi bem e nossa transição teve alguma qualidade. A marcação ofensiva funcionou algumas vezes, mas esperar que Matheus Alessandro resolvesse as jogadas foi quase uma licença poética.

Não vou me aprofundar muito em análises táticas, porque isso só é possível quando Odair definir uma rotina que seja aceitável para o ataque, como a do primeiro tempo do jogo contra o Bangu.

Palmas para a torcida do Fluminense. Éramos 30% do estádio, mas isso já é para comemorar. Em jornadas passadas éramos quase imperceptíveis. A gente sabe que o momento é de marcar presença e precisamos de cada vez mais gente nos clássicos, mostrando que isso aqui é Fluminense.

Todo mundo sabe que o sistema é montado para os café com leite serem hegemônicos. Só quem vai mudar isso são as torcidas dos clubes grandes do Rio de Janeiro: Fluminense, Vasco e Botafogo.

Nosso lugar, nesse momento, é no estádio, mesmo sabendo que a regra do Flamengão nos é adversa. Que se danem eles, com seus títulos roubados e falácias construídas pela Flapress.

Por ora, temos que tirar o chapéu para o Nenê, mas é reserva do Miguel, que não pode ser escalado de centroavante.

Saudações Tricolores!

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

#credibilidade

3 Comments

  1. Nenê está aproveitando as oportunidades e penso que quem, a princípio, deverá provar que pode voltar a titularidade é o Ganso…Miguel deve ser titular, sempre, mas no meio, criando, nunca como avante…

  2. Saviolli:
    Nos meus 73 anos, já vi muitos esquadrões tricolores, mas, nenhum compara em exibição, apesar do plantel mais para médio, do que a equipe comandada por Fernando Diniz, que apesar de não ter conseguido bons
    resultados,me encantou, com exibiçõers homéricas, em que o adversário não via a bola, encarando de igual
    por igual equipes consideradas poderosas, empurrando elas para trás e fazendo elas jogarem por contra-ataques. Encaixamos um meio de campo com Álan, Ganso e Daniel, que em…

Comments are closed.