São Paulo 2 x 1 Fluminense: atuações (por Mauro Jácome)

mauro jácome red

ENTRANDO EM CAMPO…

Mesmo time que começou o Fla x Flu. Má notícia… Maranhão vai jogar…

DIEGO CAVALIERI

Na média: as mais difíceis entraram.

WELLINGTON SILVA

Recebeu de presente Cuevas, Michel Bastos e Carlinhos pelo seu setor. Lutou muito, mas estava muito difícil, pois Maranhão não ajudou no primeiro tempo. Na etapa final, com menos adversários para marcar, respirou. Mesmo assim, pouco foi à frente.

GUM

Não teve vida fácil. Problemas com a correria de Cuevas, de Centurion, de Michel Bastos e foi envolvido nas vezes em que tentou marcar Alan Kardec no corpo-a-corpo.

HENRIQUE

Perdeu muitas bolas aéreas e conseguiu alguns bons desarmes por terra. No segundo do São Paulo, além das dificuldades pelo alto, ficou sozinho contra dois. Aos 25‘2ºT, deixou Cavalieri na mão, que quase toma o terceiro.

GIOVANNI

Deu muitos espaços na marcação. No segundo gol são-paulino, poderia ter acelerado o passo para marcar Alan Kardec e Centurion que correram pelo lado oposto. Na frente, o inútil de sempre. Para alegria de todos, está fora do jogo contra o Coritiba.

EDSON

Dificuldades em marcar num setor onde, quase sempre, o adversário era maioria. Ficou no vestiário durante o intervalo.

DUDU

Deu um pouco mais de movimentação ao meio-campo, mas ainda não achou um espaço onde possa ajudar na construção das jogadas. Assim, fica muito escondido na transição. Um chute perigoso aos 18‘2ºT e só.

DOUGLAS

Correu feito um louco na tentativa de marcar os são-paulinos. A lentidão no retorno dos companheiros o deixou vendido na movimentação e nas rápidas trocas de passes do São Paulo. O segundo do time paulista iniciou-se num passe errado seu no meio-campo. Tentou comandar a reação após o gol de Cícero. Mostrou irritação com as dificuldades. Precisa manter a tranquilidade para não prejudicar o time. Também tomou o terceiro amarelo.

CÍCERO

Não conseguiu dar prosseguimento às bolas recuperadas na intermediária tricolor. Teve a chance do empate aos 37’1ºT: sozinho na pequena área, cabeceou mal e perdeu. Na marcação, olhou muito e combateu pouco. Bateu bem o pênalti. Tomou o terceiro e está fora do próximo jogo.

GUSTAVO SCARPA

Está mantendo o ritmo, ou seja, sumindo na maior parte do jogo. Até o leão na marcação está manso. Melhorou um pouco no segundo tempo, mas muito longe do que pode render.

MARANHÃO

Na primeira bola que pegou, saiu com ela pela lateral. Além dos problemas técnicos, não auxilia bem na marcação. Wellington Silva sofreu com isso. É muito café-com-leite.
Boa jogada ao 37’1ºT, ao driblar para o fundo e dar uma ótima assistência para o Cícero. Poderia ter sido o empate.

OSVALDO

Correu pra lá, pra cá, sofreu um pênalti, mas nada de útil.

MAGNO ALVES

No primeiro tempo, ficou preso entre os zagueiros. Sem uma transição com velocidade, o atacante ficou olhando a bola circular pela intermediária do São Paulo sem chances de recebê-la.

RICHARLISON

Lutou muito, mas estava no desespero. Faltou um Rafael Vaz…

LEVIR CULPI

O jogo começou 1 x 0. As bobeiras de marcação de sempre: 300 na área, mas deixaram adversários livres. A bola caiu nos pés de um desses, portanto, saco. A partir dos 10’1ºT, o Fluminense tentou sair da pressão e chegar ao gol de Dênis, mas faltou alguém com capacidade para construir. Aos 40’1ºT, logo após Cícero perder a chance de empatar, Douglas deu um passe errado e o São Paulo foi parar dentro do gol de Cavalieri. A lentidão no retorno de alguns jogadores, sobrecarregou Douglas e Edson e deixou os zagueiros, por várias vezes, no mano-a-mano. Com o objetivo de aumentar a agressividade ou, pelo menos, fazer com que a bola chegasse à área adversária, Levir colocou Dudu e Osvaldo. Logo no início da etapa complementar, Cícero diminuiu de pênalti. Daí em diante, com mais mobilidade, o Fluminense partiu para cima, mas ficou vulnerável ao contra-ataque. Foi para o tudo ou nada. O árbitro, o cansaço e alguém que raciocinasse impediram o empate.

SÃO PAULO

Jogou para o gasto.

ARBITRAGEM (Anderson Daronco)

Influenciou decisivamente no resultado. O pênalti de Maicon em Osvaldo foi claríssimo. Poderia ter sido o empate.

…SAINDO DE CAMPO

Com Giovanni e Maranhão em campo, fica difícil jogar com dois a menos. O time sempre fica no limite, pois os outros não podem errar, o que é impossível.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: jam

5 Comments

  1. Maranhão, Oswaldo e Giovanni são três a menos. Não há time no mundo que consegue vencer desse jeito! Levir Culpi, se você não melhorar a performance desse time prevejo dias terríveis pra vocês dois!

  2. O problema de nosso time , além das inutilidades de Maranhão e Giovani é sem dúvida a marcação .

    O Cícero por exemplo não tem a menor agrecividade na marcação , só cerca.

    O Welington Silva além de ser burro para caramba sempre decidindo pela jogada errada, na marcação é uma frouxidão só.
    Não diminui o espaço e deixa cruzar. Os dois gols foram pelo lado deles.

    O Scarpa está correndo mas não tem físico para ganhar nenhum disputa de corpo.

  3. Nosso querido Magnata também não marca ninguém e continua o mesmo canelinha de vidro de 20 anos atrás , não divide uma bola.

    Realmente esperar um ataque forte com ele sem nenhuma força física e com o garoto Richarlison

  4. O Giovani é um caso à parte , só está no time pois não deixa a bola sair pela lateral esquerda. Quando recebe na frente em 90 % das vezes atrasa a bola .

    Resumindo, os laterais são muito ruins , o meio campo não marca direito e o ataque é fraco.

    E a zaga falha quando apertada.

    Título? G4? 🙁
    Infelizmente é meio de tabela ou luta para não cair.

Comments are closed.