Roubado é mais gostoso… (por Paulo-Roberto Andel)

Em mais de 700 colunas minhas neste PANORAMA, afora outras 300/400 em outros veículos, que deve dar um total de 2.500 páginas, o total de referências que fiz às arbitragens não completa três delas. Não é que o tema seja desimportante, pelo contrário, mas é porque já se tornou cansativo. E minha torcida pelo Flu não impõe um time onde tudo é belo e perfeito, sem erros. Em geral, desconfio deste amor cego, embora o respeite.

O Fluminense não mostrou seu melhor futebol nas duas partidas finais do Carioca 2017 e, por diversas razões, deixou o título estadual escapar. No entanto, é bom que se diga, o lance que DECIDIU a competição foi absolutamente irregular. Não, não apenas isso; foi leviano, calhorda, hipócrita, talvez um retrato fiel destes dias que vivemos no Brasil, cheio de falsos moralistas e cavaleiros da ética de ocasião. A falta grosseira de Rever em Henrique passou para os anais do submundo do futebol brasileiro, literalmente. Um despautério.

O que veio a seguir foi mera decorrência: o empate no fim, a expulsão de Cavalieri, o Fluminense sem goleiro e ainda lutando mesmo com o impossível tatuado em seu rosto.

A campanha não foi a suficiente para o título, mas o Flu conseguiu resgatar um prêmio valioso nestes três meses e meio: a recuperação do seu referencial. Acabou a era do time pastoso em campo. Ganhando ou perdendo, a defesa da camisa está sendo feita com bravura. Quando a maior torcida da TV brasileira se cala, existe um Fluminense fazendo papel de mosca na sopa.

O futebol não deixa tempo para mágoas. Quarta-feira tem Sul-Americana em jogo decisivo. O Brasileiro está a um passo. O tempo não para.

PS: a se confirmar a comemoração do soprador de apito, desce à tumba o resto de vergonha na cara que ainda se podia ter no futebol brasileiro.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

Imagem: rap

13 Comments

  1. Perfeito, Andel! O grito do torcedor na arquibancada, ecoando brasil a fora, é o reconhecimento da defesa da camisa e da história que ela representa. A inveja, um dos pecados capitais, não consta na minha lista de defeitos. Porém, lamento bastante morar tão distante do Rio e não poder estar presente nos jogos do Fluminense. Ontem, vendo pela televisão, fiquei a maior parte do tempo arrepiada, ouvindo ao fundo o grito do nosso torcedor.

  2. Foi patético ver as imagens da torcida da mídia, enquanto as vozes no fundo eram da Torcida Mais Bonita do Brasil cantando nossas músicas.
    Só abriram a boca no empate.
    Fora o narrador vibrando como se estivesse na arquibancada.

    Esperar o que dessa emissora câncer do país.

    Crys Bruno tem razão, Abel Abelou e tentou levar nos pênaltis.

    ST

  3. Lembrando que o “árbitro” marcou 2 ou 3 faltas de “ombros nas costas” pelo meio do campo….mas quando foi no Léo dentro da área não….pq será????

    ST

  4. Só não entendo até hoje porque o Fluminense sempre esteve ao lado do clube do “roubado é mais gostoso” mesmo nos momentos em que se lutava por um tratamento mais justo e igualitário das arbitragens, em especial, aqui no Rio de Janeiro. Creio que agora não tenha muito a reclamar também…

  5. Tô P da vida.
    Esse juizinho é o novo Marcelo de Lima Henrique.
    Fomos roubados contra o Botafogo, Vasco e agora na final…
    Sem contar o jogo contra o Madureira, o cara quebra o Scarpa e é o Fluminense q tem jogador expulso.
    Mas é aquela história… Quem não chora não mama.
    Tem que haver reclamação mais incisiva, aceitar passivamente não é sinal de fidalguia, de virtude.

  6. Este descaramento já estava previsto.
    No impedimento de 5 jogadores no gol do bostafogo, no outro que repetiu a façanha de 5 impedidos que por pouco não foi gol do Vasco.
    O pênalti do Douglas do Vasco não marcado.
    O Flu nunca reagiu como deveria.
    Para terminar ainda escalam o mesmo juiz que expulsou o Fred no Fla-Flu de 2015.
    Vi o primeiro tempo e desliguei a televisão e fui ao cinema com minha mulher.
    Sabia que íamos ser roubados pelo jeito que marcava todas só contra nós.

  7. “PS: a se confirmar a comemoração do soprador de apito, desce à tumba o resto de vergonha na cara que ainda se podia ter no futebol brasileiro.”

    Confirmar o quê? Uma imagem vale mais que mil palavras, não?
    Eu vocês estão esperando o soprador aparecer na TV dizendo que comemorou contidamente o gol?

    1. Andel: Quando esta coluna foi publicada, eu ainda não tinha visto a imagem in loco. Não cometeria a infâmia de escrever sobre o que não tinha visto.

  8. Agora verdade seja dita, perdemos não foi só pelo roubo.

    Não temos elenco mas só um time.

    Ou reforçamos este elenco trazendo jogadores inclusive mais fortes fisicamente ou vamos sofrer neste Brasileirão.
    🙁

  9. Paulo amigo excelente texto.
    conseguiu abrandar minha fúria e tristeza nesta bela arquibancada que é a vida
    …que segue bjs
    Thereza Bulhões

  10. Cara eu tenho orgulho de ser tricolor e mais ainda de saber, que o Fluminense tem um torcedor como você, você resumiu exatamente o jogo é a situação desse futebol carioca.

Comments are closed.