Retrospectiva e perspectivas: a defesa – Parte I (por Mauro Jácome)

mauro-jacome-red

Não é uma tarefa fácil, nem agradável, pensando no que foi este ano, fazer uma análise de 2016. Tirando a Primeira Liga e um momento no Brasileiro, o resto foi ruim e, pior, o final de ano foi deprimente. Mas vamos lá…

Como este elenco tricolor, além de ruim, é imenso, dividi a retrospectiva e as perspectivas em três partes. Hoje, começamos pela grande dor de cabeça da torcida: a defesa.

DIEGO CAVALIERI

2016 não foi nem sombra de 2012. Inclusive, mostrou uma perigosa queda de rendimento. Perigosa porque pode ter sinalizado uma rápida decadência. Lento, reflexos fracos, enfim, não passou segurança ao time e menos ainda à torcida. Difícil saber como estará depois de tanto tempo parado. Uma certeza: o custo/benefício neste ano foi extremamente desvantajoso. Pode ser que nem continue para 2017.

JÚLIO CÉSAR

Foi superior a Cavalieri, mas certamente não é o goleiro dos sonhos. Vejo-o somente como um bom substituto nas necessidades.

*** Uma coisa é certa: o Fluminense precisa urgentemente investir num cara mais novo para a posição. De preferência, para assumir a vaga de titular. MATHEUS PHELIPPE e MARCOS FELIPE subiram da base, mas não dá para dizer se os garotos que compõem o elenco têm condições de segurar a peteca, mas testes existem para isso.

WELLINGTON SILVA

Jogar bem foi uma exceção, pior, tendeu a zero. Num ou noutro jogo conseguiu produzir bem depois da linha central do campo. Na parte defensiva, sempre foi uma avenida. Os passes errados e os espaços aos adversários são sua marca registrada. Não tem condições de ser titular num time que almeja voos mais altos. Nem como opção.

JONATHAN

Fez uma ou outra partida razoável, mas ficou mais contundido. Tinha tudo para ser o lateral do Brasileiro, no entanto, as condições físicas o caracterizam com um jogador perto da aposentadoria. Já arrumou as malas e partiu.

IGOR JULIÃO

É muito fraco. Não tem boa noção na marcação, pois acompanha o adversário de longe, não tem bom passe e, pior, não sabe chegar à frente. Não cruza, não parte para cima. Na pior das hipóteses, um empréstimo para um time da Série B.

RENATO

Dizem que fez um bom campeonato na ascensão do Avaí. Não o vi muito. Acho-o jogador para esse nível mesmo. Duvido que consiga suprir a carência da lateral.

*** A lateral direita dá bem a ideia do cenário do Fluminense. É preciso a contratação de dois jogadores para a posição. É muito difícil no futebol atual, de preenchimento de espaços, não conseguiu o desafogo pelos lados do campo.

GUM

A realidade é que seu ciclo no Fluminense acabou. Fez uma péssima temporada. Além dos erros de posicionamento, de escolha equivocada na marcação, de olhar só para a bola e esquecer o atacante, não teve a humildade para reconhecer que estava mal e jogar o feijão-com-arroz. Muitas vezes complicou sem necessidade. No entanto, não podemos cair na objetividade de jogarmos fora o que o zagueiro fez em outros tempos. Foi importante em 2009, 2010 e 2012. Enfim, teve sua importância, mas a vez é de outros.

HENRIQUE

Chegou com expectativas em função do preço, do nome, da Copa. Começou muito mal, tentando ser algo que não estava em condições físicas técnicas para ser. Depois melhorou; no entanto, sem proteção teve muitas dificuldades. Futebol é assim, se a zaga ficar muito exposta, vai comprometer mesmo.

RENATO CHAVES

Nas vezes que entrou foi bem. Jogou com muita seriedade e avisou que não estava ali para ser banco de Gum ou de Henrique. No entanto, Levir não o levou a sério e preferiu manter as falhas na zaga. Infelizmente, quebrou algo no pé e ficou para 2017. Espero que Abel o observe melhor. É candidato a uma vaga no time.

NOGUEIRA

Foi prejudicado pela péssima fase do time. Parece que é um zagueiro promissor, mas só será possível cravar uma opinião após vê-lo atuar num time mais compromissado e competitivo.

ELIVELTON, ARTUR, VICTOR OLIVEIRA

O primeiro é cria da casa, mas nunca mostrou um futebol que agradasse e alguém que pensasse em efetivá-lo. Vive sendo emprestado. Deve permanecer nessa situação, pois não terá espaço. Pelo menos espero. Os outros dois vão no mesmo caminho.

*** A defesa foi o setor que teve a maior responsabilidade pelos fracassos. Não adianta ficar insistindo com Gum pelo seu passado. Não dá mais. É preciso investir. Acho que Renato Chaves merece uma sequência.

GIOVANNI

Fraquíssimo. Não dá mais para tentar algo com um lateral inseguro, que dá muitos espaços, que não tem ousadia quando passa do meio-campo. Além disso, tem um passe ruim. E teve muitas chances para mostrar alguma coisa.

WILLIAN MATHEUS

Difere-se de Giovanni pela melhor noção ao marcar. Mesmo assim, não contribuiu em nada na temporada. Nem sei se serviria para uma reserva.

AYRTON

Outro que poderia tomar rumo. Até me surpreendeu ter sido convocado para uma dessas seleções de base.

LÉO PELÉ

Volta com alguma moral pela participação da campanha do Londrina na Série B. Mas B é B. Certamente, Abel o observará na pré-temporada. Deve ter maior sequência ano que vem. Tomara que desencante.

*** Outra posição que mostra as deficiências no elenco do Fluminense. Precisaria de pelo menos uma contratação.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: maj

received_1238972116164790

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres