Pela sobrevivência (por Rods)

Treino Fluminense

A casa caiu, quebrou a firma…. Diga como quiser, mas a verdade é que há – de novo – algo de podre no reino das Laranjeiras. A súbita queda de rendimento, os seguidos maus resultados e os boatos passaram a falar cada vez mais alto. Os primeiros dedos apontavam principalmente para o Ronaldinho Gaúcho e para o Enderson Moreira. Agora os alvos se multiplicaram, ainda que o Fluminense se esforce negando e abafando a crise. Em momentos assim que aquele jogador que escancara tudo faz uma tremenda falta.

Quem acreditava que o Fla-Flu seria o momento de se reerguer, como eu, quebrou a cara. A situação não nos deixaria vencer.

É verdade que fomos mais uma vez garfados. Sobre isso, de nada nos adianta a CBF suspender juiz toda segunda-feira. Já não bastasse nossos próprios problemas, somos, estatisticamente, o time mais prejudicado no Campeonato Brasileiro. Vai além do ridículo quem tenta negar isso.

Mas também é verdade que, no domingo, tivemos poucos momentos sóbrios em campo e acabamos por ajudar a pintar o “rumo ao G4” das manchetes da Flapress. Contra o Atlético Mineiro, seria o jogo que nos firmaria como candidatos ao título. Contra o Corinthians, seria o jogo que nos manteria rumo à Libertadores. Hoje, contra o Coritiba, pode ser o jogo que definirá se teremos ainda algum papel relevante neste Brasileirão ou se apenas habitaremos o meio da tabela ou pior…

Infelizmente Fred não está no grupo e quem até hoje ainda não aceitou que realmente precisamos dele, começa a dar o braço a torcer. Precisamos tanto dele, que não podemos arriscar uma recuperação malfeita. Queria ele no time, mas é melhor mesmo que siga em tratamento. Na virose do R10 só acredita quem quer. Mas é claro que ele não pode seguir no time. Que fique no Rio nas próximas duas rodadas, mas que, por favor, pense ao menos um pouquinho no que ele quer significar para o Fluminense.

Se, dessa vez, a escalação seguir o time dos treinos, o Flu joga assim: Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Antônio Carlos e Victor Oliveira; Douglas, Jean, Gustavo Scarpa e Gerson; Marcos Junior e Michael. Preciso discordar em duas posições. Edson ficaria no meu time, talvez até no lugar do Jean, e na lateral esquerda, sem dúvida, eu lançaria o garoto Leonardo (Léo Pelé).

O Coritiba está na porta de entrada da zona de rebaixamento, mas vem de vitória fora de casa, sobre o Avaí. Se no primeiro turno, vencemos por dois gols, um placar de uma a zero será uma grande goleada. Se vencermos e a rodada ajudar, voltamos à sexta colocação. Se perdemos e a rodada não ajudar, é grande a chance de ficarmos sem técnico, independente do discurso atual da diretoria.

Voltando ao assunto inicial, é realmente triste ver, pelo terceiro ano seguido, um time empolgante, candidato a Libertadores e a título, se quebrar assim. Mas dessa vez ainda há tempo. Enderson Moreira pode não ser o técnico campeão que gostaríamos, mas está longe de ser covarde. Quem sabe a resposta para os nossos problemas não esteja mesmo em Xerém? Torcer a gente ainda pode.

ST!

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @Rods_C

Imagem: Fred Huber

o fluminense que eu vivi tour outubro 2015

2 Comments

  1. Eu fico aqui pensando. Se os ladrões que comandam a CBF estivessem suspendendo os árbitros e bandeiras ladróes, desde o início do campeonato, hoje, na 24 rodada, teríamos árbitros da América do Sul apitando o jogo, pois não teriam mais ladrões disponíveis no mercado interno. Abs. de Sda. TT.

  2. Pois é, José Roberto… de repente, será que não seria essa a solução? Promover um intercâmbio de arbitragem pode até trazer mais benefícios, como o de preparar juízes e times brasileiros para a Libertadores.

    Do jeito que está, nada adianta. É como querer evitar o problema depois que ele já aconteceu.

    ST!

Comments are closed.