Palmeiras 3 x 0 Fluminense: atuações (por Mauro Jácome)

Posse de bola sem agredir o adversário. Posse de bola sem preencher os espaços. Posse de bola pela posse de bola. Esse foi o Fluminense. Objetividade, transições em velocidade, ocupação dos espaços. Esse foi o Palmeiras. Até a abertura do placar pelo Luiz Adriano, aos 9’1T, o Fluminense esteve por tomar o gol por duas vezes. Gustavo Scarpa ainda teve grande oportunidade para ampliar. Exceto pela chance de João Pedro, que tentou tirar de Fernando Prass e mandou para fora, o Fluminense tocou, tocou, tocou e o Palmeiras contra-atacou.

O segundo tempo começou da mesma forma, mas logo o Fluminense abriu o parquinho. Willian, Dudu, Luiz Adriano e Marcos Rocha desciam pelos enormes espaços deixados no meio-campo, principalmente pela incapacidade de Airton em combater. Luiz Adriano fez o segundo, fez o terceiro. A goleada estava desenhada. Willian quase conseguiu, mas Muriel salvou. Com 3 a 0, o Palmeiras estava satisfeito e o Fluminense, desmoralizado, entregue. Preocupante.

MURIEL

Vendido pela fragilidade do sistema defensivo. Ainda evitou coisa pior.

GILBERTO

Nada de útil. Correu por todos os lados e não produziu.

DIGÃO

Todas as vezes que Palmeiras chegou em velocidade, ficou pelo caminho. Nas bolas aéreas, não evitou as conclusões do adversário. Na bolas cruzadas por baixo, deixou o Muriel na saudade.

NINO

Também viu a banda passar.

CAIO HENRIQUE

Defensivamente foi uma avenida, uma tragédia. Por ali, o Palmeiras criou inúmeras oportunidades, inclusive os dois últimos gols. Na frente, arriscou, mas sem efeito.

AIRTON

Deixou espaços enormes na intermediária. Esteve sempre atrasado, principalmente no segundo tempo. Sua escalação é meio caminho para a derrota.

YURI

Entrou para fechar a casa arrombada. Era tarde.

PH GANSO

Está jogando muito atrás e longe dos atacantes. No primeiro tempo, aproximou-se uma vez e deixou João Pedro na cara do gol. No segundo, sumiu.

DODI

Não sei o que foi fazer em campo.

NENÊ

Correu, lutou, mas foi pouco produtivo. Responsável pelas bolas paradas, mas não consegue achar os companheiros.

WELLINGTON NEM

Ciscou e foi desarmado com facilidade.

MARCOS PAULO

Quando entrou, a vaca já tinha ido pro brejo.

YONY GONZÁLEZ

Brigou muito com a bola. Teve poucas oportunidades para concluir.

JOÃO PEDRO

Teve grande oportunidade no primeiro tempo, mas tirou muito de Fernando Prass. Ficou cercado pela marcação dos zagueiros e volantes e isolado a maior parte do tempo.

OSWALDO DE OLIVEIRA

Mais uma vez o sistema defensivo, desde o ataque até os zagueiros, foi o responsável pela derrota. À medida que o tempo passava, o esquema virava um “O” maiúsculo. Gente atrás, na frente, dos lados e ninguém no meio. Por ali, o Palmeiras evoluía e, quando a bola chegava próximo à área, o passe era para o lado da área, de onde saía o cruzamento. Se não consertar isso… O Ganso está longe da área. Desperdício do talento, pois o seu forte é o passe inesperado. Na única vez que chegou na área, acionou João Pedro que quase marcou. Airton é brincadeira de mau gosto.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#credibilidade

4 Comments

  1. Se o OO escalar a mesma equipe, só trocando o Airton pelo Allan e talvez o Gilberto pelo Julião é porque não consegue enxergar nada.
    Acho que deveria escalar:
    Muriel,
    Julião, Nino e Frazan e Caio Henrique,
    Yuri, Allan, Daniel e Ganso(ou Nenê),
    Yoni e João Pedro.

  2. Digão precisa urgente sair pra entrada do Frasan, Caio H tem que jogar no meio ao lado do Alan, Guilherme e Marcos Paulo. João Pedro e Yone na frente.
    É de sangue novo que esse time precisa, esses caras têm que conhecer a história do clube que eles estão representando. Meu coração não vai suportar mais um rebaixamento, a torcida tricolor não merece. ST

  3. Dos 9 pontos, temos que ganhar 6. Então é vencer ou vencer
    S tc

  4. Quem tem que sair é o Osvaldo de Oliveira, Fora Mario, fora Celso , enganadores

Comments are closed.