Os idiotas (por Zé Augusto Catalano)

ilusão de otica

O Fluminense contrata o Ronaldinho. O Ronaldinho será apresentado ao Maracanã, no dia do jogo com o Vasco.

Então, o que que um ser humano resolve fazer?

Pesquisa (certamente no google) que o Ronaldinho perdeu o pai num acidente tenebroso numa piscina. Compra, então, micro piscinas infláveis (há sócios na empreitada) e vai pro Maracanã, vestido com a camisa do Vasco, exibir a piscina para o Ronaldinho, como vingança pelo fato dele ter escolhido outro caminho que não o de seu interesse.

Não satisfeito, após a repercussão negativa que o fato teve, afirma que o futebol é uma guerra e que nele, vale tudo.

Dá pra refletir muita coisa acerca desse episódio.

Existem idiotas brancos, pretos, amarelos, ricos, pobres, velhos, novos. Gatíssimas, feias, magras, gordas. Gays, transsexuais, heterossexuais, pansexuais.

Tricolores. Vascaínos.

Pode até ser que exista algum idiota aqui no Panorama. Posso ser eu!

Tudo muito democrático.

Engana-se aquele que pensa que o idiota é aquele que não consegue articular uma ideia. O elaborado plano do cidadão acima foi arquitetado e executado. O sujeito se dedicou. Então, meus caros, ser idiota dá trabalho. As pessoas se dedicam. E acreditam – e ai está, comprovada, a idiotice – que aquilo que elas estão fazendo é algo importante e genial.

Fato é que, na ocasião, cabia ao Vasco uma atitude mais enérgica. Fosse sócio, expulsão do clube. Sendo torcedor, o convite para não mais frequentar as dependências do Vasco. Se os clubes agissem assim, atitudes inaceitáveis como essa seriam reduzidas. No entanto, os clubes não o fazem e os idiotas continuam se achando e produzindo cenas deprimentes como essa. E pior, como tais ações são feitas (em teoria) em nome do clube, em defesa do seu amor, este vira uma espécie de coautor das sandices.

Prato cheio, claro, para a flapress.

Por isso foi tão importante que o jogo de domingo tenha transcorrido em clima de normalidade e fidalguia. Maioria esmagadora e com um resultado desfavorável, a torcida do Flu soube se portar muitíssimo bem. Parabéns aos tricolores.

Cabe à gente ver que isso é obra de um energúmeno e não da torcida ou do time em questão, seja ele qual for.

E, mais difícil, tentar entender a diferença entre a piada, o bom humor, e o deboche. Prum vascaíno, é muito simples entender que a pecha de “rei do tapetão” já perdeu a graça há anos. Somos os “vices”. A Argentina perdeu a Copa América? Messi de camisa do Vasco. Fabiana Beltrame foi prata no remo? É porque está no Vasco. Ronaldinho foi pro Grêmio e seu Peninha ficou irritadinho? É tão bandido quanto o Fluminense. E por ai vai.

Goebbels purinho. Tudo isso começou como piadinha. Repetida. Repetida. Repetida até passar a ser aceita como verdade. O Fluminense é o rei do tapetão. A imprensa trata isso como fato. Pouco importa que seja outro clube que pleiteie na justiça há séculos um título que perdeu por WO.

E agora, com o mal já feito, reverter isso é muito mais difícil.

Era sim preciso que o clube, por meio de seu comando central, tomasse alguma atitude enérgica quanto a isso. Se um cidadão fosse processado e condenado, já haveria uma sinalização de que a impunidade acabou. Impunidade essa que parte da inação covarde dos gestores dos clubes, que vêem o deboche acontecer, mas não tomam atitude, pois há outros interesses escondidos que os freiam de fazer o que é certo na defesa da instituição e dos seus torcedores.

Mas podia partir da torcida. Boicotando. Enchendo a caixa de emails do autor do deboche de mensagens reprovando a “piadinha”. Reparem, não é escrever emails pro cara xingando sua mãe, ameaçando, nada disso. Apenas reprovando. Imagine. Dez mil, vinte mil emails (o que pruma torcida é nada em termos de números) entupindo a caixa do autor de um texto desses.

Pra terminar: vem ai o sorteio da Copa do Brasil, dia 4. Quero qualquer coisa menos Vasco x Fluminense. É estatística demais pro meu gosto. Não vai dar certo.

Abraços

Panorama Tricolor

@Panoramatri

DE OSWALDO GOMES A FRED 22 06

 

5 Comments

  1. Andel:

    Não costumo comentar as colunas dos colegas da casa por questões éticas e antimacartismo. Ou Carlito Azevedo: “Eu não sou vigia da poesia alheia”.

    Entretanto, não poderia deixar de dar meus parabéns mais uma vez e te agradecer por ter acreditado nessa empreitada.

    Há quem não entenda um colunista vascaíno no PANORAMA.

    A explicação está acima: para isso.

    Para fazer pensar, questionar e principalmente mostrar que adversários não são inimigos e que futebol não existe sem o outro.

    Braxx.

  2. Valeu, Catalano, devemos refletir. Mas, que você não quer enfrentar o FLU é fato. KKKKKKKKKKK.

  3. Nunca havia escutado falar desse acidente com o pai do Ronaldinho mas vi a matéria com os idiotas. E que idiotas.
    Excelente texto.
    Abraços

    Obs.: Pelo o que vi na internet a maioria esmagadora dos tricolores esta querendo revanche na Copa do Brasil. Veremos…

  4. muito bom Catalano,
    ao invés de aproveitar o exemplo desse clássico para promover a paz nos estádios, o que faz a frapés? ressalta a pinimba entre Fred e rodrigo…
    Copa do Brasil?!! Cruzamos os bigodes de novo, pode acreditar.
    abraço

Comments are closed.