O efeito pós-Diniz no Fluminense (por Aloísio Senra)

Tricolores de sangue grená, o efeito pós-Diniz ocorrido com o Athletico-PR parece ter tido efeito retardado no Fluminense, mas está começando a dar o ar da graça. Marcão, pelo visto, foi o eleito para conduzir o Tricolor de volta aos trilhos e ao seu devido lugar nas entranhas da história. Muitos me tomarão como exagerado em minha análise eufórica após mais uma vitória, mas, não é nada, não é nada, já são cinco jogos sem perder, quatro deles comandados por Marcão. Nos últimos três, nem vazados fomos. A excelente vitória sobre o Botafogo, o empate dramático com um Cruzeiro em frangalhos e a conquista dos três pontos sobre o Bahia nos alçaram a uma outra condição. Sejam quais forem os demais resultados da rodada, manteremos uma distância segura da zona maldita, mas não é apenas isso. O fato de termos conquistado dez pontos nos últimos doze disputados nos muda de patamar no momento, principalmente pelos desfalques que tivemos nas duas últimas partidas.

O Fluminense não foi concebido por Oscar Cox & friends para disputar a metade de baixo da tabela de qualquer competição que exista. Nossa vocação é a das vitórias, dos títulos, das glórias. Mesmo que seja um feito nababescamente impossível o título brasileiro, o caminho natural para o Fluminense é brigar pela melhor colocação possível. E se não dá para ser campeão, temos que perseguir o tal prêmio de consolação: a vaga para a Libertadores. Ah, mas até ontem nossas pretensões não eram os 46 pontos? Faltam 17, muitos dirão, e não estarão errados. Tudo depende de como você olha pro fictício copo das possibilidades, com seu líquido normalmente até a metade. Os que o enxergam meio vazio notarão uma proximidade com o Z4, ainda que menor. Os que veem o copo meio cheio, entenderão que, ao final desta rodada, na pior das hipóteses, o G6 estará a doze pontos de distância. Doze pontos se alcançam com quatro vitórias, e restam 13 jogos. Vai depender do que você quiser acreditar, tricolor.

Para nos satisfazermos com o copo meio vazio, que é como se fosse uma golada de água gelada tomada por um sedento, precisamos de cinco vitórias e dois empates. Dá pra conquistar vitórias contra Athletico-PR (casa), reservas da molambada (fora, mas em casa), Chapecoense (casa), Ceará (fora) e Vasco (casa) e empates contra São Paulo (fora) e Inter (fora). Com esses resultados, alcançaremos a marca dos 46 pontos e, na 32ª rodada, já poderemos matar a sede. Todavia, se quisermos provar do saboroso copo meio cheio, poderemos bater o Atlético-MG (casa), derrotar o CSA (fora), arrancar um empate com o Palmeiras (casa), vencer o Avaí (fora), passar por cima do Fortaleza (casa) e, finalmente, trazer um pontinho de Itaquera, contra o Corinthians. Com essa linda combinação que não envolverá derrotas da nossa parte, chegaremos a 60 pontos e, muito provavelmente, ao tão esperado G6. Se continuarmos atravessando nosso “céu de Gravatinha”, tudo será possível.

O meu otimismo não é infundado. Muitos desses times que vamos enfrentar não são melhores que nós e alguns dos que são estão em má fase. Conseguimos ganhar do Bahia sem Allan, Caio Henrique, Ganso e até o substituto de Allan, Yuri. O VAR parou de nos sacanear. Muriel está em fase exuberante, pegando até sinal de Wi Fi. Nino e Frazan têm tudo para se acertarem, pois formam boa dupla de zaga, e a tendência do resto do time é melhorar. Marcão tem provado até aqui que tem o grupo nas mãos e também algo muito importante: sorte. O resto se acerta nos treinamentos. O importante é saber se o time está comprometido por um objetivo maior do que apenas não ser rebaixado, ou se isso já basta para eles. Pelo empenho, dedicação, e vibração, eu penso que eles querem mais. Não fossem as trapaças do VAR, a nossa condição de postulantes a uma vaga no G6 seria bem mais óbvia do que é nos dias de hoje. A mídia nos ignora, mas isso há de mudar. No returno, a justiça será feita. Vamos atrás da vaga.

Curtas:

– Jorge Jesus xinga Rafinha; Arão discute com Filipe Luís. Nada acontece. Ganso xinga Oswaldo; Ganso dá esporro em JP: “NOOOOOSSA, tem que denunciar todo mundo! É um absurdo o que acontece no Fluminense!” – tricolor, sempre que puder, evite a mídia tradicional. Informe-se pela mídia segmentada do Fluminense. Fará bem a você, garanto.

– Em tempo: acho que a atitude do Ganso foi errada sim, merecedora até de reprovação pública, mas estão inflando esse caso além do que seria coerente. Isso me lembra de quando Felipe foi jogador do Fluminense e pegou um gancho absurdo de seis meses por uma cotovelada (se não me engano). Se jogasse no protegido, talvez nem levasse amarelo. Para o Ganso, pegar um jogo de punição e ser obrigado a se retratar publicamente (coisa que ele ainda não fez e está errado nisso) já seria o bastante.

– Não sei o que acontece com o João Pedro, mas está mesmo em má fase. Talvez fosse coerente testar o Lucão no meio das partidas, ou até mesmo o Evanílson. Se Marcão já ressuscitou Guilherme e Ewandro, por que não testar os dois citados?

– Daniel, Caio Henrique, Allan e Muriel têm feito a diferença. Os volantes estão emprestados, e há pouco que possamos fazer para mantê-los. Muriel tem contrato longo e, mesmo se destacando, não preocupa. Porém, Daniel começa a seguir a cartilha de Yony e dificulta a renovação. Espero que ele repense sua decisão e seja mais consciente de que em boa parte dos outros times do Brasil (e do exterior) ele não passará de um bom reserva. Basta ver o que aconteceu com Everaldo e Luciano. Chega de ingratidão!

– Palpites para os próximos jogos: Fluminense 2 x 0 Athletico; Molambada-B 0 x 3 Fluminense.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

#credibilidade

7 Comments

  1. Não sei se o colega sabe, mas o Daniel é o menor salário do elenco. Ganha menos de 50 mil reais. E o que seu procurador está pedindo não é nada de mais. O dobro de que ganha e de luvas que o clube pague os direitos de imagem atrasados que deve. Nada demais só o que tem direito.
    Eu leio todos sites do Fluminense, e soube dessa informacao pelo Leandro do Net Flu.
    Eu sou fã do Daniel desde a base e acho que o Flu deveria manter,
    Pelo menos a espinha dorsal.Álan, Ganso e Daniel, já que vai ser…

    1. Querido Carlos,

      Penso que o Daniel precisa dar um passo de cada vez, apenas isso. Daniel não foi titular absoluto durante o ano inteiro e variou bastante o seu desempenho, sendo banco em vários jogos, mesmo com Diniz. Os atrasados ele tem toda razão em cobrar, e a única ponderação que fiz foi acerca dos destinos dos que preferiram não renovar com o Flu. É melhor sair agora ou ficar em evidência por mais tempo? A decisão é dele.

  2. Nao sei se o colega sabe mas Daniel éo salário mais baixo( menos que 50 mil).
    E o que está pedindo e o dobro do que ganha e dd luvas que o clube pague os direitos de imagem atrasados que deve.
    ( fonte: Net Flu )

    1. Caro Delclemis,

      Minha resposta para o Carlos também deve servir bem a você.

      ST!

  3. Aloisio, o problema com o Daniel, inicialmente foi causado pelo próprio Flu, que demorou a demonstrar interesse em renovar. Tivessem feito isso na época em que o time estava por baixo, hoje a renovação já teria acontecido.
    Acredito que haja uma chance de beliscar uma vaga na Liberta, principalmente se o Muriel continuar Muroel, mas o Flu não pode dar o mole que deu contra o Bahia, que perdeu vário gols feitos chutando a bola para fora. ST

    1. Caro Marcos,

      A gestão era outra, certo? Não adianta recorrermos ao passado, temos que pensar no futuro.

      De resto, subscrevo-o. ST!

  4. O problema nobre tricolor, é que eu não vejo Futebol no Fluminense pra encher copos d’água. Ganhamos do Botafogo, do Cruzeiro e do Bahia,ok. Para quem estava mergulhado de cabeça na zona da confusão essas vitórias foram umas bençãos. Mas como o Fluminense conseguiu essas vitórias? O Fluminense dominou esses adversários do começo ao fim, ou pelo menos, a maior parte do jogo ? O jeito que o Fluminense conseguiu essas vitórias foi suficiente, mas vão ter adversários daqui pra frente que o…

Comments are closed.