Nós e o Fluminense, agora! (por Nelson D’Elia)

po de arroz flu

Fui convidado pelo Andel para escrever alguma coisa para o Panorama Tricolor.

Depois de agradecer o convite e a honra de escrever junto com ele, mais Garcez, Caldeira, Rods e outros bambas, fiquei pensando no que escrever.

Resolvi então falar um pouco sobre o momento atual do Fluminense, muito atual aliás, após a separação não tanto amigável da ex-patrocinadora Unimed.

Vivemos um momento delicado.

O Fluminense precisando manter os melhores jogadores e a Unimed querendo vendê-los para não ter que cumprir os contratos de imagem assinados com eles.

Precisamos arranjar patrocínios que cubram as despesas do futebol inflacionadas pela politica outrora desvairada da Unimed.

Precisamos formar um time aproveitando os jogadores que ficarem, mais os que voltaram de empréstimos e alguns jogadores que foram contratados. Caberá ao Cristóvão avaliá-los nos treinos e formar um time competitivo para os campeonatos que se aproximam – o Carioca já está aí.

A PGFN continua penhorando rendas do Fluminense. Estamos devendo o mês de dezembro e o décimo terceiro referente às obrigações trabalhistas; ou seja, a situação está difícil.

Não há que se falar em planejamento. O momento agora é de gerenciamento de crise.

Os novos patrocinadores são importantes, mas devido à retração do mercado as receitas advindas dai não serão muito grandes, haja visto que vários outros grandes clubes ficaram sem patrocinador master por vários meses.

Onde encontrar recursos que não possam ser eventualmente penhorados até acabar essa pendenga judicial com a PGFN, que se encontra no STF para ser resolvida?

É chegado o momento da torcida tricolor se conscientizar de que é necessária a compra de produtos oficiais, de encher os estádios e, principalmente, se associar em massa para o Fluminense ter uma renda fixa mensal com que possa pagar os jogadores, como também outras despesas provenientes do dia a dia do Clube, tais como água, luz, funcionários etc.

Temos dívidas antigas de INSS e FGTS que não foram pagas em anos anteriores a 2010, e que agora nos são cobradas pela Fazenda Nacional ocasionando as penhoras.

Precisamos sair de imediato do patamar de 23.000 sócios torcedores para alcançar 50.000 num primeiro momento, mas visando chegar a 100.00 sócios.

Temos um exemplo do Palmeiras que, com o AVANTI, alavancou a entrada de sócios já alcançando 83.000 num periodo de dois meses, só ficando atrás do Inter com 129.000.

Parafraseando Kennedy, “não pergunte o que o Fluminense pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer pelo Fluminense”.

Saudações Tricolores

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: pra

#SejasóciodoFlu

Visite também http://falandodefluminense.blogspot.com.br/

6 Comments

  1. Querido Nelson, você está careca de saber minha opinião sobre Peter, mas reconheço, as tantas vezes que, ele tenta organizar as finanças e não consegue, está fazendo o que pode, devido às circunstâncias…rs
    Seu texto está perfeito.
    Abs e ST

Comentário