Momentos Maracanã (por Paulo-Roberto Andel)

1) O simpático Sunset me encaminha à revista na entrada do Maracanã, sem perceber que o fez para… duas funcionárias. Uma delas, constrangidíssima: “O senhor me desculpe, mas poderia esperar ali?”…

2) A moça do bar assustada quando lhe disse em três segundos que a conta dava 21 reais, eu lhe daria 51 e ela me retornaria 30. Velox. Digam o que disserem, Geneal é Geneal. Pão fantástico.

3) O tricolor do meu lado passou os 90 minutos e o intervalo reclamando de TUDO… confundido Marlon com Marcos Jr e Dourado com Wendel… Desci aos 45, vi os acréscimos ao pé da rampa e saí aliviado quando já perto do Bellini… O cara reaparece reclamando de novo… Se ele é casado com uma senhora, ela merece ser canonizada ou então é o demônio in loco.

4) A “genialidade” em se colocar a Leste como exclusiva para o acesso de gratuidades infantis: dezenas de pessoas em pé no setor se amassando nos degraus da arquibancada, enquanto na Sul sobravam assentos. Involuntariamente deu um climão bom de geral.

5) Aos 47, três PMs na rampa olhando o campo, atônitos. Um deles diz para os outros dois: “Esse time me deixa nervoso até o fim”. Um dos interlocutores replica: “É foda, mano”.

6) Pego o táxi no Bellini e o motorista com a linda camisa branca do Flu. Strike! Agora é pizza gigante meio bacon, meio napolitana.

7) Parabéns aos jêneos que colocaram o Flu no Z4 antes da rodada se encerrar. Jornalismo chapéu de cone, credibilidade ZERO. Pobre de quem ainda perde seu tempo com essa gente que depende do Fluminense para se autopromover…

8) Se não deu no talento, foi na garra. Richard, tão ridicularizado pelas marias urnas, tem sido um dos melhores. Gum melhorou a zaga e deu mais confiança ao Régis. Cavalieri voltou seguríssimo de vez. Longe dos melhores sonhos, o Fluminense de hoje é aplicação – e para mandar a degola à merda, isso já é muito.

9) Que a recuperação seja consolidada de vez, e que os erros sirvam de aprendizado. Tem gente no Fluminense com auto suficiência demais, pose demais e conhecimento de menos. Humildade é sempre o melhor remédio contra a incompetência. Não somos um banco de investimentos, nem um organograma asséptico. E o mesmo remédio, a humildade, é recomendável para quem vivencia essa morbidez doentia das coisas terem que dar errado por que o Mário ou o Celso não foram eleitos… Caso de tratamento psiquiátrico…

10) Meio de feriado, mar de ódio na internet, chuva, considerei 18 mil presentes algo razoável. Agora, contra o SP este número tem que dobrar. Vamos à luta.

11) “Roda Viva: o Fluminense nas pequenas memórias do coração” é meu nono livro sobre o Tricolor, lançado em formato e-book gratuito semana passada. Basta contactar este PANORAMA aqui ou no Facebook, ou a mim mesmo, para obtê-lo, ok? Em novembro, lanço “Onde as três cores são nome” em formato físico. “Roda Viva” é uma celebração e um agradecimento a todos os tricolores que têm apoiado meus esforços literários nos últimos dez anos (e não deixa de ser uma amarga derrota para quem tentou me boicotar, prejudicar etc…).

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

Imagem: Cezar Guedes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres