Melhor ataque do Brasil, pero… (por Marcus Vinicius Caldeira)

INFORMÁTICA PARA PEQUENOS E MÉDIOS AMBIENTES

O Fluminense, depois do empate de ontem com a Chapecoense (que tabu bizarro), tem o melhor ataque do futebol brasileiro em 2017 com 81 gols, seis a mais que o segundo colocado que é o Flamengo.

Excelente!

A questão é: também possui um dos três piores sistemas defensivos do país em termos de gols sofridos. E ontem, o jogo em Edson Passos exprimiu muito bem isso. O poderoso ataque fez logo um gol aos três minutos. Mas, logo em seguida, a defesa entregou. Reginaldo, que vinha muito bem até então em vez de espanar a bola, tentou ficar com ela ao ser pressionado pelo atacante. Perdeu e gol dos caras.

Depois tomamos a virada em um gol de cabeça. Perdemos todas na cabeça ontem. Reagimos, empatamos. Nosso ataque vai para cima, mesmo. Mas, depois, vem outro problema do nosso sistema defensivo: nossos goleiros não inspiram confiança. Nenhum deles. Num cruzamento que era para o Julio Cesar sair, não o fez, tomou uma cabeçada de perto, entrando com bola e tudo. Ridículo!

Mas, o ataque é poderoso. Empatou e quase virou em dois lances que o goleiro deles salvou.

É isso! Um time com um ataque avassalador e um sistema defensivo ruim. E não é só por conta dos  nomes. Henrique e Reginaldo (apesar da falha de ontem) vêm jogando bem. Lucas dá conta do recado pela direita. Realmente, estamos sem goleiro. Mas, o que é gritante é que a proteção à zaga é ruim. Nossos volantes são ofensivos. Jogam de forma ofensiva. Volta e meia vemos o Wendel (que jogou muito mal ontem) enfiado no meio dos atacantes ou lado do Scarpa. Orejuela é segundo homem clássico de bom passe. Aquele primeiro homem de combate, não temos.

Claro que estoura lá na zaga. É preciso encontrar esse equilíbrio. Não adianta fazer oitenta e um gols e tomar uma saraivada. Precisamos, urgentemente. que ou Cavalieri ou Júlio Cesar segurem a bronca no gol. Começo a achar que o problema é na preparação dos goleiros.

Perdemos a chance de entrarmos no G-6. Tinha planejado vitoria, ontem e empate na Bahia, domingo que vem para rota de LIbertadores. Agora, teremos que vencer de qualquer maneira os baianos.

Que tabu bizarro não ganhar da pequena Chapecoense. Lembra aqueles contra com Bragantino e São Caetano. Aliás, digo e repito, Fluminense é um Robin Hood. Adora entregar o ouro para times mais fracos. Acho que contra esses entra relaxado demais. Isso precisa acabar. Não tem mais jogo fácil no campeonato brasileiro. Ontem, a apatia do time após fazer o gol foi irritante.

De bom, ontem, só perceber que Wellington Silva voltou a forma. Bagunçou. Se não fosse ele, teríamos perdido.

Abel tem a semana inteira para trabalhar os jogadores.

Que compensemos esse empate ruim, com a vitória lá em Salvador.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

Imagem: curvelo

6 Comments

  1. “Começo a achar que o problema é na preparação dos goleiros.” Fato…deveriam ter testado o Marcos Felipe no carioca.

    “Ontem, a apatia do time após fazer o gol foi irritante.” Quando sai perdendo é pq tomou cedo, quando sai ganhando não tem estratégia para manter a pegada. Aí fica difícil, talvez seja melhor acabar com esse tal de gol no futebol.

    ST

    1. Marcos Felipe, quando jogou no carioca, contra o Volta Redonda, se não me engano, pegou até pênalti.
      Talvez seja a hora de ter uma chance, Júlio César e Cavaliere, infelizmente, não tem passado confiança nem para a torcida, nem para os jogadores.

  2. Marcos Felipe frequentava a seleção brasileira nas bases. Deve ter alguma qualidade. Se bem que Fernando Henrique idem. O problema é que Abel tá ali do lado e se não dá oportunidade ao garoto é porque deve ter algum problema. Ou então, trata-se daquela malandragem de alguns técnicos que deixam a torcida cobrar pela barração do titular para não ficar queimado com o grupo, e aí sim, tomar atitude. Marcos Calazans me parece um caso desse tipo. Se a torcida cobrar pelo Marcos Felipe, quem sabe?

  3. Isso não é problema de goleiros. Temos claro há muito tempo um problema de sistema defensivo, que começa na frente. Mais, temos um meio de campo aberto. Não temos um “pegador” tipo Pierre no auge; aquele que faz o “serviço sujo.” Vão embora, cada vez mais, o Wendel, o Ruela e vemos o Reginaldo dando combate la no meio do campo quando a avalanche vem. Aí, se passa dele…fudeu.
    Adoramos ter um time ofensivo cantado em prosa e versos, mas, aí está o preço. O desafio é encontrar este…

  4. equilíbrio.
    Com a volta do Sornoza poderemos segurar mais o Ruela. Aí voltam a eficiencia dos passes, a saida de bola com agilidade e maior proteção a zaga. Acho isso. Mas, o time é melhor do que muitos…
    Saudações tricolores.

  5. E jogo na Bahia vai ser complicado.
    O time do Bahia é bom, com um a menos deram calor nos mulambos, perdendo o jogo por detalhes.

Comentário