LDU 2 x 1 Fluminense (por Paulo-Roberto Andel)

Quando Hernán Barcos tentou um paranauê e caiu estatelado no gramado, encerrando o primeiro tempo, não houve um único tricolor em todo o Sistema Solar que não tenha dado um sinal de alívio. Que agonia! Contrariando todas as instruções do desesperado Abel à beira do campo, o Flu errava passes, perdia a bola facilmente e a defesa era uma água, deixando todas as finalizações possíveis, sempre correndo atrás da bola veloz da altitude – Leo, uma desgraça na marcação. Incapaz de trocar três passes ou de não rifar todos os rebotes. Por sorte, a LDU é um time fraco, fraco mesmo e por isso não logrou êxito no marcador. No ataque, acertamos uma bola na trave com Peu, desperdiçamos duas faltas perigosíssimas em cima da linha da grande área – uma delas com bola rolada, Senhor! – e, se houvesse um mínimo de qualidade nossa, teríamos aproveitado chances de infiltração. Leo muito mal, o miolo claudicante e Wellington Silva parece estar com o exame médico na França dentro da cabeça. Nulo. Resumindo o primeiro tempo em três letras: ufa!

Na volta, Pedro no lugar de Peu, talvez para o tradicional chuveirinho, mas o problema seria ter qualidade. A pressão dos mandantes foi retomada e nada mudou. No único lance certo de Wellington Silva até então, um passe na medida para Scarpa, que sofreu um pênalti naturalmente não marcado.

A seguir, a LDU fez seu gol com Barcos. Já com estrago feito, Abel trocou Douglas por Marlon Freitas. Inútil: Seballos fez o segundo gol, no estilo pelada na marca do pênalti. Para qualquer racional, a vaca já teria ido para o brejo com literalmente dois jogadores a menos em campo (Wellington e Leo). Mas estamos falando de Fluminense, ok.

A última cartada na frente foi com Robinho, para tentar o gol salvador, mas difícil diante de tamanho desmantelamento tático e técnico, a ponto do fraquíssimo Toni Garrido ter defendido seu primeiro chute forte aos 38 minutos do segundo tempo. Quando tudo parecia perdido, aí o Fluminense foi para cima, no abafa, no bumba meu boi, mas com uma camisa de 115 anos surgiu a força de onde ninguém pode imaginar. Num escanteio, Pedro chutou e fez o gol salvador da classificação quase inacreditável. O final foi um abafa louco, sob uma pressão insuportável – e desnecessária, caso o placar do primeiro jogo tivesse sido mais elástico -, mas a classificação acabou se confirmando, para desespero da LDU e de um velho freguês carioca em finais.

A vaga deve ser comemorada a plenos pulmões desde já – PORRA! -, mas a atuação do Flu foi abaixo da crítica – mesmo descontada a altitude – e exige muito trabalho, pois o tempo não espera e já tem Palmeiras no Maracanã em outra decisão no domingo – precisamos melhorar muito no Brasileiro. Meu querido Abelão, vamos arrumar esta casa, porque luta o time tem e já fizemos grandes jogos neste 2017.

Os bares cheios de secadores estão em silêncio, assim como algumas redações e estúdios. Um velho fantasma encerrou sua trajetória para sempre. Para sempre.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

Imagem: cezar guedes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres