Sobre equívocos e humildade (por Aloisio Senra)

Tricolores de sangue grená, como é difícil pedir desculpas, num contexto geral, não é mesmo? Há pessoas que pensam ser esta uma tarefa fácil, e são verdadeiramente iluminadas, mas o que vemos na prática, na sociedade, é o exato oposto. O que vemos são indivíduos que preferem se apegar com unhas e dentes ao seu ponto de vista a admitir seus erros, sejam eles quais forem. E mesmo quando lhes é oferecida a bandeira branca, preferem fuzilá-la ou ignorá-la. Precisam estar certos sempre, ou sua vida não fará sentido. Não passa de uma tola ilusão.

Ninguém está certo sempre. O mesmo Fluminense que demitiu o mito Abel Braga em 2013 após uma pequena sequência negativa manteve o inexpressivo Enderson Moreira em 2015 após quase uma dezena de insucessos em sequência e, em 2017, recontratou acertadamente o mesmo Abel. O mesmo Fluminense que envolveu Marlon numa negociação pra lá de inócua, vendeu muito bem o “craque” Gérson e, recentemente, segurou o Scarpa, estendendo acertadamente o seu contrato.

Erros e acertos fazem parte da vida e, por conseguinte, da gestão tricolor. Falta só uma ponta de humildade dos que já estão lá há algum tempo. É importante celebrar os acertos, mas admitir os erros do passado seria para lá de justo com a torcida tricolor, além de mostrar que a mudança de mentalidade e postura foi totalmente concluída. Aliás, precisamos disso. A torcida também tem a sua parcela de erros, seja por episódios em brigas de torcida, seja pela demonstração de ódio e desunião nas redes sociais na época da eleição. Este colunista não está excluído e, como todos, teve sua parcela de erros.

Títulos são importantes, mentalidade vencedora também, mas não há como querer empurrar goela abaixo as mudanças como um “cala-boca”. Na hora das derrotas e das dificuldades, isso não vai bastar. A reaproximação definitiva com a torcida passa por justiça nos preços dos ingressos, admissão pública dos vacilos do passado e planos de sócio que realmente sejam atrativos. Ainda não houve mudança nisso. Os preços para o Fla x Flu foram desanimadores. É hora de fazer a torcida sonhar de novo, mas não apenas dentro de campo.

A unificação da torcida precisará ser estimulada pelo clube. Só assim seremos aquela massa que decidia jogos nos idos de 2008 até mais ou menos 2012. A luta pelo Maracanã precisa ser ferrenha. A defesa institucional precisa ser certeira e contínua. O marketing precisa sair do marasmo. A busca por um patrocinador master precisa ser ainda mais acirrada. Enfim, ainda há muito a se fazer. A Under Armour está aí, é uma boa notícia, mas só poderemos contar com a empresa lá pro meio do ano. Vivemos um período de transição, não de glórias – ainda. É bom que todos se lembrem disso.

Mas se é para cobrar uma postura de conciliação de todos, que não falte a minha própria: eu peço desculpas. Peço desculpas por quando fui mais incisivo do que deveria; peço desculpas por quando não depositei minha confiança em pessoas que talvez a merecessem; peço desculpas por quando minhas críticas não foram construtivas, ou meus comentários não foram pertinentes, e nada acrescentaram à situação que estava em evidência; por fim, peço desculpas aos leitores se, em algum momento, fui incoerente em minhas palavras e até agressivo. Convido todos ao mesmo exame de consciência. Durante uma renovação, ele é obrigatório.

Curtas:

– Boa Esporte, você já havia dado um passo para destruir o pouco de história que tinha ao mudar seu nome de Ituiutaba para o atual, mas o episódio envolvendo o réu Bruno foi a gota d´água. Tudo aponta para a sua condenação. Qual a justificativa para a contratação de alguém que tem a mínima chance de ser inocente perante o juiz? É claro, nem preciso citar a gravidade do crime do qual ele é acusado de ter cometido.

– O Fluminense jogará contra o Criciúma nesta quarta-feira pela Terceira Fase da Copa do Brasil e pode empatar em 0 a 0. Como acredito que o Abel aprendeu que 2 a 1 é melhor que 0 a 0, confio que vamos pra cima deles, em busca da vitória. Como já vimos no jogo em Santa Catarina, se apertar um pouquinho o ritmo, o objetivo virá. Eles são tinhosos e marcam muito bem, mas nosso coletivo é melhor.

– Foi boa a vitória dos nossos reservas sobre o Boavista no domingo. Abelão está certo em dar a vez aos suplentes e descansar os titulares para os jogos mais relevantes, já que a Taça Rio, devido ao patético regulamento, não tem mais qualquer peso para nós. O único objetivo é conquistar quantos pontos pudermos, para termos vantagem no quadrangular final.

Informática para pequenos e médios ambientes – CLIQUE AQUI.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres