Gum (por Aloísio Senra)

gum ralff santos

Tricolores de sangue grená, como já estamos de férias (segundo o que todos estão falando), é de bom tom começarmos a pensar e a falar em reformulação, já que, ao contrário do que o Sr. Bittencourt disse, o ano não foi nada positivo para nós. E um dos nomes que pode integrar a barca tricolor que zarpará no final do ano, bastante comentado e desejado pela torcida, é o do zagueiro Gum.

Welington Pereira Rodrigues iniciou sua carreira profissional no Marília, em 2004. Foi emprestado ao Internacional em 2006 e, entre 2008 e 2009, jogou na Ponte Preta, se destacando bastante. Após a saída de Thiago Silva em 2008, a defesa do Fluminense carecia de um jogador habilidoso para a posição. Assim, Gum foi trazido ao Fluminense no meio do campeonato brasileiro de 2009, estreando em Agosto. Após um início claudicante, muito por conta do momento vivido pelo time, Gum deixou de ser uma aposta, se firmou e foi um dos principais nomes da defesa do Fluminense a partir de então.

Durante a arrancada histórica para escapar do rebaixamento, foi ele um dos grandes bastiões da zaga, e também teve suma importância no vice-campeonato da Copa Sul-Americana. No ano seguinte, compôs a dupla de zaga com Leandro Euzébio e sagrou-se campeão brasileiro. Em 2011 não viveu grande fase, tendo se lesionado gravemente em Setembro. Voltou em Março de 2012 para novamente compor dupla de zaga com Euzébio. O beque papou o Carioca e o Brasileiro daquele ano junto com o clube.

De 2013 para cá, no entanto, Gum não tem sido mais o mesmo. Alternando boas e más exibições, períodos de forma física impecável e lesões, o zagueiro não tem mais conseguido ser o porto seguro de outrora, o grande nome que tínhamos na defesa. Neste ano de 2015, presenciamos suas piores exibições e sua pior forma, o que fez com que a torcida pegasse definitivamente em seu pé.

Surgiram notícias de que ele, hoje com 29 anos, interessa ao Santos. Será que ele ainda vale o investimento? A folclórica expressão “quem tem Gum, tem medo” não intimida o time paulista? Por outro lado… será que ele tem tanta culpa assim quanto lhe atribuem? Será que o Marlon também não andou sendo displicente? Será que a proteção à zaga tem funcionado bem? Será que estamos enxergando o quadro completo?

Gum tem 298 jogos com a camisa do Fluminense, tendo marcado 22 gols. Deve completar 300 partidas ainda nesse campeonato, uma marca digna de respeito. Não há como negar que Gum sempre honrou a camisa do Fluminense. Nunca fez corpo mole. Nunca deixou de exaltar o clube. Nunca deixou de ser uma liderança. Pode ter cometido um erro ou outro, como no episódio em que veio a público criticar a oposição do Fluminense (jogador não é pago para isso), mas o saldo, no geral, como ser humano – e mesmo como atleta, é extremamente positivo.

Um dia a idade cobra a conta. Talvez o que diferenciasse Gum fosse o vigor físico, que claramente não está no mesmo nível de antes. O ideal seria que se aposentasse jogando pelo Fluminense, recebendo todas as honras que merece (além das que já recebeu), mas ele ainda tem muito tempo de futebol pela frente. Gosto demais dele, mas acredito que uma troca de ares o favoreça.

Confesso que sentirei falta dele, caso vá. Não de suas atuações bisonhas dos últimos tempos, mas do choro sincero após alguns gols, da expressão de felicidade ao falar do clube, da defesa à torcida e da exaltação às cores do Flu. Gum tem caráter, e esse é um atributo raro no meio futebolístico, tão marcado por escândalos e atitudes antidesportivas.

Se você tiver que ir, Gum, que seja feliz. As três taças que você ajudou a conquistar ficarão. Para sempre.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagemn: Ralff Santos

capa o fluminense que eu vivi lado b são paulo e brasilia

6 Comments

  1. Gum nunca foi o Baresi.

    Gum nunca se omitiu em campo.

    Acho que mudar de ares pode ser bom para ele.

    Acho injusto colocar em suas costas, todos os erros de marcação do Flu (alguns são mesmo).

    Merece respeito da torcida e não há no elenco alguém melhor que ele.

    ST

  2. Meu medo é ele sair e vir um pior que ele. Não é difícil de acontecer não…
    O Gum, mesmo nos seus piores dias de 2015, ainda está dentro da (baixa) média de qualidade dos zagueiros do Brasil (que atuam no país).

  3. Que se dane o Gum, que ele vá embora pra sempre do Fluminense. Quantas partidas esse preguiçoso desatento nos fez perder? quantos gols idiotas esse sonolentos tomou? O cara é um lento, não tem senso de marcação nem posicionamento, não ganha de ninguém na corrida, não consegue pegar acompanhar jogadas, chega atrasado e ainda fica fazendo escândalo com o Marlon deixando o moleque apavorado. Fora GUM, e fora Já!

    1. Pode não lhe parecer, mas um time de futebol conta com onze jogadores. Portanto, não se pode colocar somente no Gum os gols sofridos. Analisemos: O Flu este ano não teve bons laterais, e os que foram escalados não jogaram o ano inteiro, sendo trocados a cada cinco jogos. O Flu não tem um goleiro decente que não tome gols bobos a todo o instante. Não tem volantes marcadores. Tem outro zagueiro técnico mas que falha muito. Mas culpar o de menor estirpe fica mais fácil, não é?.

Comentário