Fluminense 3 x 1 Sport: atuações (por Mauro Jácome)

mauro jácome red

O Fluminense começou recebendo uma marcação adiantada do Sport. O time pernambucano procurava explorar o lado de William Matheus pelos pés de Diego Souza e, num cruzamento de três dedos do ex-tricolor aos 4’1ºT, Rogério subiu livre e quase abriu o placar. A pressão deu resultado: aos 10’1ºT, num escanteio, Gum se antecipou a Júlio Cesar e desviou do goleiro. 0 x 1. Em desvantagem, o Fluminense partiu em busca do empate, no entanto, Cícero e Gustavo Scarpa não encontravam os companheiros, que estavam escondidos atrás das boas linhas rubro-negras. O Sport trabalhava com rápidas trocas de passes e muita movimentação, alternando os lados do campo.

A partir dos 25’1ºT, Gustavo Scarpa começou a participar mais do jogo e o Fluminense melhorou seu poder ofensivo, mas Wellington e Marcos Junior prendiam a bola em demasia e desperdiçavam os ataques. Aos 36’1ºT, Marcos Junior recebeu de Wellington Silva e perdeu grande oportunidade ao chutar em cima de Magrão. Os erros de passes irritavam a torcida. Nos últimos minutos do primeiro tempo, o Fluminense se mandou, pressionou, levantou muitas bolas na área de Magrão. O Sport recuperava a posse e partia em perigosos contra-ataques. A sensação quando Vuaden apitou o fim dos primeiros 45’ foi de que o Sport esteve mais perto do segundo do que o Fluminense do empate.

Com Richarlison em campo, O Fluminense sinalizava que iria com tudo em busca do empate e da virada. Aos 6’2ºT, Wellington Silva ganhou na raça e bateu para o gol. A bola raspou o travessão. Logo em seguida, o lateral fez excelente inversão para Wellington, que bateu cruzado, Magrão defendeu parcialmente e Marcos Junior pegou o rebote empatando. Aos 20’2ºT, Marcos Junior recebeu pela meia-esquerda, avançou e bateu cruzado. Magrão salvou de novo. No minuto seguinte, Wellington deu bela assistência para Richarlison. O garoto penetrou e mandou um balaço no canto de Magrão. A virada estava sacramentada.

Com 2 x 1 no placar, a intensidade acabou e os erros de passes do Fluminense voltaram. O Sport retomou o controle do jogo, no entanto, a defesa tricolor estava mais compacta. Num dos poucos contra-ataques do Fluminense, Gustavo Scarpa ganhou a disputa de bola, entrou na cara de Magrão e, com um toquinho por cobertura, marcou um golaço. 3 x 1. Fim de jogo e o Fluminense está chegando.

JÚLIO CÉSAR

Muito trabalho no começo do jogo. Gum o atrapalhou no escanteio que resultou o gol. Aos 14’1ºT, evitou o segundo, ao sair do gol e disputar a bola com Rogério. Salvou novamente aos 42’1ºT, com a perna esquerda, numa conclusão dentro da pequena área. Aos 40’2ºT, buscou uma bola no cantinho. Na cobrança do escanteio, pegou uma cabeçada perigosa.

WELLINGTON SILVA

Um primeiro tempo ruim. Errou muitos passes e deu espaços as suas costas. Uma boa assistência para Marcos Junior perder grande oportunidade. Voltou do intervalo com tudo: um chute que passou perto e um lançamento para Wellington que resultou no empate. Procurou o ataque outras vezes, mas não teve sucesso. Atrás, conseguiu fechar bem o seu lado.

GUM

Foi mal no gol que abriu o placar e tirou a bola de Júlio Cesar. Teve que se desdobrar para fazer a cobertura de Wellington Silva. Atuação com altos e baixos: cortou lances perigosos e foi envolvido com a velocidade do Sport.

HENRIQUE

Começou saindo muito da área para combater Diego Souza na intermediária. Com isso, abriu espaços no miolo de zaga. Depois, não acompanhou Rogério dentro da área. Da mesma forma que Gum, teve trabalho na cobertura de William Matheus. Aos 14’2ºT, depois de tomar um drible de Rogério, recuperou-se e salvou o segundo do Sport. Também não teve uma atuação regular.

WILLIAM MATHEUS

Pelo seu lado, o Sport descarregou seus ataques. Faltou auxílio na marcação e ficou várias vezes contra dois, três. Com a melhor organização do Fluminense no segundo tempo, teve vida mais tranquila nos últimos quarenta e cinco minutos. Na frente, foi muito acionado, mas faltou-lhe discernimento na escolha da melhor jogada. Geralmente, cruzou errado ou passou a bola para o adversário.

PIERRE

Não viu a cor da bola quando o Sport dominou. Deu muitos espaços para Diego Souza e foi batido constantemente. Nem para as faltas teve muita oportunidade porque estava sempre no meio do caminho. Só melhorou quando o ritmo pernambucano diminuiu.

DOUGLAS

Ficou confuso com a intensa movimentação do Sport e corria de um lado e de outro. Não conseguiu ajudar nas trocas de passes na intermediária do adversário.

RICHARLISON

Entrou para incomodar a zaga pernambucana e o fez muito bem. Perdeu boa oportunidade aos 12’2ºT, ao bater em cima de Magrão. Aos 21’2ºT, lançou-se às costas de Ronaldo Alves, recebeu de Wellington e bateu para fazer 2 x 1. Conseguiu desmanchar o sistema defensivo do Sport.

CÍCERO

Responsável por buscar a bola na zaga e distribuí-la, no entanto, além da dificuldade de encontrar boas opções, os demais prendiam a bola. Com a saída de Douglas, ficou mais preso e deixou o papel da organização com Gustavo Scarpa. Importante nas bolas aéreas defensivas.

GUSTAVO SCARPA

Demorou a entrar no jogo e errou muitos passes. No primeiro tempo, deu ótima bola em profundidade para Marcos Junior e uma boa conclusão defendida por Magrão. No segundo tempo, com a superioridade tricolor, chamou o jogo e fez a diferença com a tradicional competência na distribuição de bola. Fechou a atuação com mais um belo gol.

MARCOS JUNIOR

Na primeira etapa, correu, correu, prendeu demais a bola, caiu muito. Recebeu bons passes de Gustavo Scarpa e de Wellington Silva, mas desperdiçou ambas as oportunidades. Na volta do intervalo, com Richarlison em campo, encontrou os espaços que não estava tendo. Bem colocado na hora da conclusão de Wellington. Após o rebote, foi só empurrar para as redes.

MARQUINHO

Foi para o campo com o objetivo de reforçar o meio-campo e impedir que o Sport aproveitasse espaços entre as duas intermediárias. Fez bem o papel defensivo, mas não conseguiu dar velocidade da transição.

WELLINGTON

No primeiro tempo, esteve desatento no retorno para a defesa e deixou William Matheus sozinho na marcação. Com a forte marcação, prendeu muito a bola. Dificilmente dava sequência. Começou a etapa complementar mais ligado. Aos 8’2ºT, recebeu lançamento, avançou, cortou para o meio e bateu. No rebote, Marcos Junior empatou. Depois do empate, cresceu com o time.

LEVIR CULPI

Mandou a campo a equipe considerada titular, com o retorno de Wellington Silva no lugar de Igor Julião. O Sport estudou a forma como o Fluminense joga no Giulitte Coutinho, se defendeu bem e explorou os contra-ataques. No primeiro tempo, o time de Levir não conseguiu fazer seu jogo fluir porque não houve variação em relação aos jogos anteriores. Eram as mesmas jogadas de sempre. Na volta do intervalo, colocou Richarlison no lugar de Douglas e recuou Cícero. A substituição mudou o panorama do jogo. Richarlison e Marcos Junior trocavam de posição e confundiam a zaga do Sport. Contando com o gol da virada, o Fluminense concluiu cinco vezes ao gol. Depois do gol de Richarlison, trocou Marcos Junior por Marquinho para reforçar a marcação e melhorar a posse de bola. Deu certo no reforço defensivo. No fim, para ganhar tempo, colocou Magno Alves no lugar de Wellington. Levir tem grande responsabilidade na vitória.

SPORT

Depois de um ótimo primeiro tempo, não acreditou no poder de reação do Fluminense.

ARBITRAGEM (Leandro Pedro Vuaden)

Atuação tranquila.

…SAINDO DE CAMPO

Quarta-feira tem disputa direta pela quarta colocação. Jogo difícil, mas o Fluminense está mais vivo do que nunca.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: jam

2 Comments

  1. Perfeito Mauro, como sempre, análise em cima do lance, tivemos dois Fluminenses distintos em campo hoje, o segundo tempo foi um show do Levir, ganhou o jogo já no intervalo, acho quer estamos no caminho certo, vamos para as cabeças, faltam onze rodadas, rumo a Libertadores e saiam da frente !!!

  2. Me permita discordar da análise do Henrique. Para mim foi a melhor partida pelo Flu. Acertou tudo na defesa e ainda na saída de bola.
    ST

Comments are closed.