Fluminense 3 x 0 Boavista (por Lucio Bairral)

lucio panorama red

Fluminense e Boa Vista em Xerém. Estádio Los Larios, do Tigres.

O Tricolor entrou em campo de branco. O Boavista de verde.

Os contrastes deixaram o jogo bem visível para o público. E também para a arbitragem. Nenhuma remota possibilidade de confundir alhos com bugalhos.

Em um campeonato carioca como conhecemos, sempre é salutar destacar a arbitragem.

Diego Cavalieri; Jonathan, Gum, Henrique, Wellington Silva; Pierre, Cícero, Gerson e Gustavo Scarpa; Osvaldo e Fred formaram o time que entrou em campo para a partida.

Com um minutos de partida, Fred estava aberto pela direita, recebeu e cruzou para a área. Osvaldo veio na corrida e finalizou por cima. O detalhe é que Scarpa vinha em melhor posição e poderia ter feito o gol.

Aos seis minutos o Gérson recebeu uma bola pelo meio e, ao ver a defesa em linha, lançou Osvaldo. Ele ganhou na corrida e deu um toque por baixo do goleiro, fazendo o 1 a 0.

Pouco depois, já pela esquerda, Wellington Silva foi à linha de fundo e cruzou em direção do Fred. Dois defensores vinham na corrida e, ao tentar impedir o cruzamento, Luiz Alberto colocou contra o patrimônio e fez o 2 a 0 para o Tricolor.

Sim. Aquele mesmo que disputou uma Libertadores pelo Flu. E jogou no Boca Juniors. É, o tempo é inexorável. Para todos.

E com a vantagem no placar, o ritmo diminuiu. Dada a diferença técnica entre as equipes, a impressão era de que o Fluminense venceria a partida com certa tranquilidade.

Aos 30 minutos, Gérson entrou pela direita e, ao invés de tocar para o meio ou chutar de perna direita, preferiu dar um corte e chutou de esquerda. Perdeu tempo e fez com que a zaga se recuperasse. Fred, que passava pelo meio, reclamou do companheiro.

O time do Boavista começou a deixar a perna um pouco mais acima nas divididas. Sobraram travas, além de braços e cotovelos nas disputas de bola. Abriram a caixa de ferramentas.

Aos 40 minutos, uma cabeçada do Scarpa passou perto do gol do Boa Vista. Quase o terceiro.

No final da primeira etapa, Osvaldo sentiu uma das bordoadas que levou no jogo e pediu para sair. Em seu lugar entrou Marcos Júnior.

O intervalo veio sem alteração do panorama da partida.

O segundo tempo iniciou como o primeiro. Fluminense tentando o gol.

Fred, aos quatro minutos, dominou no peito, a bola resvalou no braço e ele chutou. O jogo estava parado.

O que dava para perceber no time, era que o time não buscava cegamente o Fred para que somente ele finalizasse. Muitas das vezes o “9” estava livre e os jogadores tentaram outras jogadas.

Se errado ou certo, parece que o Levir tem a preocupação de extinguir a Fredependência que nos assolava há, no mínimo, dois anos.

Tanto que, aos 12 minutos ele saiu para dar lugar ao Magno Alves.

Também porque ele estava voltando de lesão, sejamos justos.

Fred precisa ser visto como o jogador o diferenciado que é. Não como a única opção do time.

Com sua saída a braçadeira foi para o Gum. Com justiça.

Aos 18 minutos, uma boa descida tricolor. Gérson tocou para o Magnata, que driblou e foi desarmado pelo Luiz Alberto. Haviam 3 jogadores do Fluminense para o desenrolar do lance.

Mas aos 20 minutos, a melhor chance do Boavista no jogo. Uma cabeçada na trave do Cavalieri e, no rebote, Wellington deu uma bicicleta para afastar o perigo. Na sequência, um chute sem muito perigo.

Com 27 minutos Gérson deu lugar ao Douglas em campo.

Aos 31 minutos, Jonathan fez um bom cruzamento para o Cícero. Sua cabeçada saiu fraca e o goleiro não teve grandes dificuldades.

O jogo vinha tranquilo, sem muitos problemas, até que aos 38 minutos, uma bela jogada. Marcos Júnior recebeu na área, driblou o defensor e lançou Scarpa, que passava à esquerda. Ele recebeu e cruzou para o Cícero apenas escorar a bola para fazer seu gol. Apenas empurrou para colocar o 3 a 0 no placar.

Aos 40 minutos Jonathan escapou pela direita e cruzou para o meio da área, encontrando Scarpa. De carrinho ele fez o gol, mas foi bem anulado, pois estava impedido.

Assim o Fluminense assumiu a terceira posição na tabela, atrás de Vasco e Volta Redonda. Botafogo completa os times na faixa de classificação. O Flamengo está fora das Semifinais, momentaneamente.

Agora pegamos o Bangu no meio de semana. Rumo às finais.

Que os contrastes permaneçam.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: lb

5 Comments

  1. Espero de fato, que Levir embora não queira a Fredependencia, não faça a asneira de cair na pilha de alguns que não enxergam, por cegueira, só pode, de que o Fred É sim um jogador inteligente e diferenciado. Se enxergar no ponto certo, aí tá pensando direito, se não estará querendo mostrar que é p cara, e aí vai ser lamentável. Porquê? Simples: vai desmotivar um ídolo, capitão e artilheiro. S.T.

  2. Espero que o Levir não queira a Fredependencia, mas que tampouco seja cego e entre na pilha de quem não gosta de Fred, e fique na onda de Xerem, pq com certeza é um jogador diferenciado sim, inteligente e artilheiro, seria vacilo e porque? Simples responder : pq desmotivaria o capitão, ídolo e artilheiro. E aí seria burrice. S.T.

  3. Agora, colocar o jogador/ Fred no 2° tempo pra tira- lo com 12 minutos, nada a ver. Que nem entrasse no 2° tempo então, se o lance era poupar. Estava se movimentando, atraindo marcadores, lançando pro Osvaldo, não fez sentido algum. Qual foi ? Sem sentido, 12 minutos? Sem sentido.

  4. Concordo com quase todas as tuas colorações, mas o Fred sair aos 12 do segundo tempo, não deu pra entender não. O Levir tá a fim de mostrar o que? Era melhor não jogar o 2° tempo. Abraço, caro tricolor.

Comentário