Fluminense 2 x 0 Santa Cruz: atuações (por Mauro Jácome)

O jogo começou com Yoni González perdendo grande oportunidade. O controle do jogo era total do Fluminense. A bola circulava na intermediária em busca de alguém dentro da área. O Santa Cruz se fechava. Aos 18’, Gilberto arrancou tabelou com Yoni e chutou para abrir o placar. O Fluminense mantinha o planejamento de Fernando Dizniz: posse de bola e paciência para encontrar espaço. Esse espaço aparecia quando o Fluminense acelerava os passes. Aos 29’, Yoni tocou para Gilberto, que invadia em velocidade. O lateral só ajeitou de calcanhar para Luciano, que bateu de curva, no ângulo de Anderson. Um golaço.

Diniz voltou com Leo Artur no lugar de Airton e foi obrigado a fazer mais duas substituições logo no começo da etapa complementar: Yoni e Ganso sentiram e Pedro e Dodi entraram. Logo depois, foi a vez de Luciano se contundir. Como não tinha mais substituições, foi para o sacrifício. As alterações concentradas no início desorganizaram momentaneamente o Fluminense. Após os 25’, com a ambientação da nova formação, o controle do jogo voltou ao Fluminense. Daí, as chances apareceram, mas as conclusões foram ruins ou a arbitragem errou na marcação de impedimentos.

RODOLFO

Folgado, não teve muito o que fazer em campo.

GILBERTO

Ofensivo, jogou de ponta. E por ali, criou a jogada do seu gol.

MATHEUS FERRAZ

Soberano, comandou o sistema defensivo.

NINO

Tranquilo, sem ter a quem marcar no primeiro tempo, acompanhou a linha da bola até o campo adversário. Quando o Santa Cruz atacou, fez bons desarmes.

CAIO HENRIQUE

Cauteloso, foi poucas vezes em direção à linha de fundo. Foi importante nas trocas de passes entre as duas intermediárias.

AIRTON

Vigilante, não deu chances para o Santa Cruz chegar à área de Rodolfo.

LEO ARTUR

Estreante, tentou encostar em Luciano e Pedro. A queda do ritmo do time dificultou a condução da bola até a área de Anderson.

ALLAN

Participativo, aproximava-se da bola sempre que rolava entre a intermediária defensiva e a linha central.

PH GANSO

Contido, limitou-se a trocar passes curtos e sem objetividade.

DODI

Péssimo, errou tudo que tentou. Ainda não entendeu a forma de jogar no esquema de Diniz: tocar de primeira para dificultar a marcação do adversário.

EVERALDO

Incisivo, procurou o fundo do campo, mas teve dificuldades de encontrar Yoni e Luciano na área. Faltou força nas conclusões.

YONI GONZÁLEZ

Afobado, perdeu vários gols. Foi melhor nas assistências.

PEDRO

Empolgado, mesmo sem ritmo, entrou disposto a marcar.

LUCIANO

Iluminado, começou com tudo. Passe de calcanhar, dribles, chutes e muita movimentação. Marcou um golaço no primeiro tempo. Depois da contusão, diminuiu o ritmo.

FERNANDO DINIZ

Trabalhador, o Fluminense está bem treinado. Além do controle do jogo no primeiro tempo, criou diversas oportunidades de gol. A necessidade das alterações no início do segundo tempo atrapalharam a organização e fez com que o ritmo caísse. Quando recuperou a posse de bola, o desgaste impediu mais gols. A arbitragem também atrapalhou.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#credibilidade

2 Comments

  1. Bom dia, Luciano jogou muita bola ontem,o melhor em campo,a arbitragem péssima, impedimentos mal marcados,gols mal anulados e um pênalti claro não marcado, não fossem esses erros o fluminense já estaria classificado.

  2. Arbitragem ruim: no último lance da partida, Pedro foi descaradamente agarrado na entrada da pequena área. Pênalti claríssimo que o árbitro de rinhas de galos decidiu ignorar. Gol mal anulado do Luciano, que fez a sua melhor partida com a camisa do Fluminense. Everaldo merece ser mantido no elenco, mas segundo dizem, ele mesmo não quer ficar, preferindo a promessa de maior salário e pago em dia pelo Corinthians.
    Pedro fez boa movimentação, quase marcou um gol de falta. Allan e Gilberto ditaram…

Comments are closed.