Fluminense 2 x 0 Liverpool-URU: atuações (por Mauro Jácome)

INFORMÁTICA PARA PEQUENOS E MÉDIOS AMBIENTES

1º TEMPO

O Fluminense começou em cima do Liverpool: Wendel, Sornoza, Wellington Silva e Richarlison se movimentavam e faziam com que a bola circulasse, dificultando a marcação. Logo aos 2’, o Liverpool perdeu grande chance numa rebatida ruim de Cavalieri. Com seguidas faltas e com a tradicional catimba, os uruguaios travavam o jogo. O Fluminense começou a entrar na armadilha e se enervou. Além disso, na ansiedade em chegar ao gol, os passes saíam ruins e o tricolor perdia a posse de bola. Se no toque estava difícil, a alternativa era a jogada individual. Assim, aos 24’, Wellington Silva investiu do meio para o lado, passou por três adversários e cruzou na pequena área. Henrique Dourado meteu as travas da chuteira e deslocou a bola do goleiro, fazendo 1 a  0. Mesmo com a vantagem, a quantidade de passes errados, principalmente perto da área do Liverpool, continuava grande. Mas o segundo gol saiu: numa bola alta e depois de uma bate-rebate, Richarlison deu um belo voleio.

2º TEMPO

O ritmo continuou o mesmo: o Fluminense em cima e o Liverpool tentando contra-ataques. Numa bola aérea, Gonzalo Freitas atingiu Henrique e foi expulso. O homem a mais não surtiu muito efeito de imediato. O Fluminense continuou com o domínio, mas sem penetração e arriscando pouco os chutes. A partir dos 30’, a pressão foi total, mas foram poucas conclusões. A bola girava de um lado para o outro, mas não chegava perto do gol de De Amores. O Fluminense tentou algumas finalizações de fora da área, mas ficou só no susto.

DIEGO CAVALIERI

No primeiro lance, uma falta de longe, rebateu nos pés de Royón. Sorte que o jogador do Liverpool bateu por cima. Depois só assistiu ao jogo.

LUCAS

Por várias vezes, partiu livre, mas não foi lançado. É um lateral de experiência e passa muita confiança. Por uma transição segura, é procurado pelos companheiros. Foi mais efetivo no segundo tempo, mas havia muitos uruguaios na área.

RENATO CHAVES

Jogou no velho estilo xerifão. Levou ampla vantagem nas ligações diretas e nas bolas cruzadas na área. Bom jogo.

HENRIQUE

Procurou passar tranquilidade ao time. Arriscou subidas ao ataque. Algumas falhas no tempo de bola, mas não comprometeu. Fez boas interceptações.

LÉO

Tentou o fundo várias vezes, mas o setor estava bem fechado com até três uruguaios na marcação. Tem facilidade para fazer a ultrapassagem pelo companheiro que está com a bola, mas ao receber em profundidade, aparece o conhecido problema: o cruzamento.

OREJUELA

Domínio da intermediária tricolor e coberturas precisas. Percorre os espaços com muita velocidade. No segundo tempo, jogou no campo adversário.

WENDEL

O motor do time. Muita movimentação e trocas de passes na intermediária do Liverpool. Tem muita facilidade para aparecer livre e distribuir o jogo. Arriscou alguns chutes de longa distância.

SORNOZA

Participou de forma constante no giro em frente da área uruguaia. Quando insistiu nos passes pelo meio, entregou muitas bolas de graça. Foi melhor nas inversões, principalmente procurando Lucas pela direita.

RICHARLISON

Precipitado no primeiro tempo, errou muitos passes e tentou algumas conclusões sem estar bem posicionado. Mas marcou um belo gol de voleio. No segundo tempo, variou momentos bons, com outros sumido.

WELLINGTON SILVA

Aberto pela direita, com dribles partiu em busca de furar o bloqueio uruguaio. Dessa forma, fez ótima jogada que resultou no primeiro gol. Errou passes quando prendeu demais a bola. Foi o principal atacante do Fluminense.

LUCAS FERNANDES

Entrou na ponta-direita. Deu alguns bons dribles, mas não encontrou ninguém na área.

HENRIQUE DOURADO

Na única bola que pegou na área do Liverpool fez o primeiro gol. Saiu na metade do segundo tempo.

PEDRO

Ficou preso na forte marcação do Liverpool e não teve oportunidades.

ABEL

Escalou o que tinha de melhor. Orientou a pressão e as trocas intensas de passes. Fundamental para a vantagem no primeiro tempo. A substituição de Henrique Dourado por Pedro não surtiu efeito porque também ficou isolado entre a zaga adversária. A entrada de Lucas Fernandes não alterou muito o panorama: livrava-se da marcação, mas não encontrava alguém na área. Marquinho Calazans no lugar de Leo seria para melhorar o cruzamento, mas não foi diferente.

LIVERPOOL

Fraquíssimo.

ARBITRAGEM

Alguns lances em que deixou barato. Boa arbitragem no geral.

…SAINDO DE CAMPO

Se soubessem cruzar, teria sido uns 5.

CENAS DO CENTRO DO RIO – CLIQUE AQUI

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: ajm

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres