Fluminense 1 x 2 Flamengo (por Lucio Bairral)

FB_IMG_1453342120923

Os irmãos Karamazov do futebol brasileiro.

Um dos maiores clássicos do mundo. Se não for o maior.

Fla x Flu. Onde quer que seja, pelo campeonato que for, é sempre Fla x Flu.

Que pela primeira vez, em 102 anos de Fla x Flus pelo campeonato carioca, é disputado fora do estado de origem dos clubes. Em Brasília. No estádio que homenageia um grande fluminense, Mané Garrincha. Sim, ele poderia torcer pelo time que quisesse, mas nasceu em Pau Grande, interior do Rio. Assim sendo, fluminense e não carioca.

O Fluminense foi a campo com Cavalieri, Wellington Silva, Henrique, Renato Chaves e Léo; Pierre, Cícero, Gustavo Scarpa, Diego Souza e Marcos Júnior; Fred

O jogo iniciou a toda velocidade. Muito embora com poucos lances de perigo nos primeiros minutos. Nos primeiros 10 minutos, apenas um, aos sete. Scarpa deu um chute forte, obrigando Paulo Vitor a fazer boa defesa.

Com 12 minutos, em uma bola cruzada na área, Fred dominou com o pé direito e, sem deixar a bola cair, finalizou com a perna esquerda. Pegou meio de revesguela e a bola passou por cima do travessão.

No minuto seguinte veio o famoso “quem não faz, leva”. Em um escanteio fechado, Cavalieri foi ao chão em uma bola que caiu próxima aos seus pés, mas não conseguiu agarrá-la ou espalmar para escanteio. A bola foi pra frente e acabou nos pés do Willian Arão. Ele dominou e chutou rasteiro, colocando o 1 a 0 no placar.

O jogo continuou movimentado, mas os lances de perigo se tornaram escassos.

Aos 22 minutos Léo chegou forte em cima do Cirino e levou cartão amarelo. Não achei que foi para tanto, mas o juiz o advertiu.

Com 28 minutos, Henrique recuou para o Cavalieri. Fraco. O goleiro precisou correr para evitar a chegada do ataque rubro-negro. Aliás, como melhorou o goleiro nas bolas com os pés. Precisa melhorar nas bolas altas, onde ainda tem uma de suas maiores falhas.

Marcos Júnior recebeu dura falta aos 32 minutos. Jorge, lateral, recebeu o cartão amarelo.

Aos 35 minutos, Cirino recebeu pela direita e, no bico da grande área, deu um forte chute. Cavalieri espalmou. Dois minutos depois, Mancuello, pela esquerda, tentou cruzar e pegou errado na bola, que tomou rumo do gol. Cavalieri precisou voltar para evitar o gol.

Aos 40 minutos o Marcos Júnior pendurou mais um. Dessa vez foi Rodinei. Cartão amarelo.

No final do primeiro tempo, Sheik recebeu pela esquerda, cruzou rasteiro e Cirino quase chegou. Mais um susto que levamos.

O balanço do primeiro tempo pôde ser resumido nos dois lances de perigo do Fluminense e o restante foi o Flamengo quem mandou no jogo. Que, inclusive, poderia ter ido para o intervalo com um placar maior.

No intervalo Eduardo Batista substituiu Léo Pelé por Douglas, procurando ganhar o meio campo e melhorar a posse de bola, que foi muito inferior ao adversário no primeiro tempo.

E Guerreiro se antecipou ao Henrique, com dois minutos da segunda etapa e cabeceou no canto do Cavalieri, que nada conseguiu fazer. E com o 2 a 0 no placar, as coisas ficaram bem complicadas.

Aos 6 minutos Marcos Júnior sofreu uma falta na intermediária de ataque. Tentou cobrar de forma rápida por duas vezes, impedido pelo Cuellar. Por não conseguir cobrar rápido, os dois trocaram empurrões e o tempo fechou. O arbitro resolveu expulsar os dois.

O detalhe é que, no replay, o Premiere não mostrou as duas tentativas de cobrança rápida do Marcos Júnior, sendo impedido pelo rubro-negro. Só mostrou um empurrão tricolor, depois que o lance seguiu. Goebbels, a gente se liga em você!

Aos nove minutos, Cícero criou uma grande chance. Recebeu um cruzamento próximo à marca de pênalti e cabeceou no canto. A bola saiu por muito pouco.

Aos 17 minutos, uma disputa de bola no meio campo, Douglas chegou espanando. O árbitro achou que ele levantou demais o pé e o advertiu com cartão amarelo. Com 18 minutos, um corte providencial do Renato, em que o árbitro marcou falta. Ele reclamou e recebeu o amarelo.

Logo depois foi a vez do Gerson entrar no lugar do Cícero. E na última substituição possível, aos 25 minutos, Osvaldo entrou no lugar do cansado Diego Souza.

Dos 25 aos 31 o Fluminense ficou com a bola. Tocava, tocava e nada de chutar. Até que Osvaldo entrou pela esquerda, cortou o zagueiro e chutou forte. Mas a bola foi em cima do Paulo Vitor, que fez a defesa.

Fred recebeu uma bola aos 33 minutos, dominou no peito dentro da pequena área, mas foi desarmado na sequência.

Aos 36 minutos, uma falta na entrada da área. Cobrança frontal, próxima à meia lua. Gustavo Scarpa foi pra bola, demorou a bater depois que o árbitro autorizou, mas fez um golaço! Por cima da barreira, marcou o 2 a 1 e nos colocou no jogo novamente.

E, como sempre, o verde da esperança precisava se fazer presente nesse momento.

Aos 41 minutos, ao matar um contra-ataque tricolor, Everton ganhou o amarelo. Wallace recebeu o segundo cartão amarelo ao isolar a bola e foi expulso.

Com três cartões vermelhos no jogo e quatro substituições, a arbitragem sinalizou somente três minutos de acréscimo. Parecia que o juiz queria acabar o jogo com a vitória do Flamengo.

E conseguiu. O jogo acabou mesmo com 2 a 1 pra eles.

No final das contas o resultado foi justo. O Flamengo foi melhor na primeira etapa, iniciou o segundo tempo com um gol e isso dificultou muito as coisas para o Fluminense.

De positivo o primeiro gol de falta desde que o Conca fez, há muitos meses. Scarpa treina muito e merece esse posto de cobrador oficial há tempos.

De negativo a batida de roupa do Cavalieri no primeiro gol, Diego Souza que não foi bem e o esquema que ainda dá muitos espaços ao time adversário.

Agora é o jogo contra o Botafogo, as 21h45 da próxima quarta-feira. Precisamos da vitória.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @luciobairral

Imagem: lb/pra

3 Comments

  1. Só uma correçao.O ultimo gol de falta que o Flu fez, foi contra o Cruzeiro pelo campeonato Brasileiro de 2015(ano passado), do própio Gustavo Scarpa.

  2. Não pude ir ao jogo, mas estive na loja do Flu aqui em Brasília. Evento bacana. Meu filho tem 2 anos e adora o Guerreirinho. Fui lá para ver o mascote e disposto a comprar algo pro moleque. Voltei sem gastar. O clube tem um mascote que as crianças adoram, mas não tem um único produto com ele. Nada! Nem um chaveiro. Camisa ou qualquer roupa tamanho 2? Quase nada e tudo em falta. E depois reclamam de que faturam pouco. Tampouco encontro um e-mail de contato para sugerir ou reclamar. Morram pobres!

Comentário