Fluminense 1 x 1 Ypiranga-RS: atuações (por Mauro Jácome)

mauro jácome red

ENTRANDO EM CAMPO…

William Matheus foi mantido no lugar de Giovanni. O lateral fez um primeiro tempo razoável contra o Coritiba. Edson está doente, Pierre volta. Que fixação do Levir! A inutilidade do Osvaldo vai no time titular. Espero queimar a língua…

DIEGO CAVALIERI

Mais acionado do que todos esperavam. No primeiro tempo, depois do gol de abertura do placar, fez algumas intervenções em lances perigosos, mas nada de excepcional. Viu o jogo na etapa final.

WELLINGTON SILVA

Saiu ainda aos 18’1ºT e sem produzir algo.

JONATHAN

Depois de um primeiro tempo inútil, melhorou na etapa complementar. Começou a jogada do gol de empate ao driblar e cruzar na cabeça de Cícero. No pênalti perdido por Cícero, chutou a bola no braço de Mikael.

GUM

Pouco trabalho defensivo, apareceu mais na área adversária. Aos 12’1ºT, num escanteio, subiu mais alto que a zaga gaúcha e cabeceou em cima do goleiro Carlão. Aos 3’2ºT, escorou de cabeça um escanteio e mandou na trave.

HENRIQUE

Dificuldades para acompanhar os rápidos contra-ataques do adversário. No gol do Ypiranga, foi envolvido com muita facilidade.

WILLIAM MATHEUS

Depois do gol do Ypiranga, suas costas passaram a ser o caminho para os contra-ataques. No segundo tempo, não chegou nenhuma vez ao fundo. Atuação igual ou pior do que as do Giovanni.

PIERRE

Na teoria, seria o cara para proteger a zaga e evitar com que o adversário chegasse com perigo. Não fez uma coisa, nem outra. Para completar a passagem, tomou o amarelo de cada jogo. Quando o Fluminense precisou de alguém com capacidade de chegar à frente, claro, não contou com ele.

RICHARLISON

Várias trapalhadas. Apanhou da bola.

DOUGLAS

Péssimo primeiro tempo. Errou tudo. Perdeu uma bola boba no meio-campo, aos 24’1ºT, que deu origem ao gol do Ypiranga. Logo em seguida, perdeu outra e mais um contra-ataque, mas sem gol dessa vez. Na etapa complementar, tentou se redimir e ser mais produtivo, no entanto, sem sucesso.

CÍCERO

Muitos passes para os lados e lançamentos inúteis para a área. Escorou bem de cabeça no gol de Magno Alves. Bateu o pênalti muito mal. No desespero, poderia se transformar num centroavante devido à sua capacidade no jogo aéreo; no entanto, insiste na aguinha-com-açúcar.

GUSTAVO SCARPA

Pouco jogou. Saiu aos 26’1ºT contundido.

DUDU

Horroroso. Errou passes, lançamentos, chutes. Está conseguindo ser pior do que Felipe Amorim, o que parecia impossível.

OSVALDO

Foi pegar na bola aos 16’1ºT, mesmo com quase 100% de posse de bola do Fluminense até aquele momento. Teve a chance de empate aos 5’2ºT, mas tocou muito mal na saída de Carlão. Não consegue levar perigo nem a um time como esse do Ypiranga. Por que Levir ainda o coloca em campo?

MAGNO ALVES

11’1ºT, deslocou-se pela direita, foi ao fundo e fez cruzamento perigoso. Aos 11’2ºT, bateu de primeira e empatou. No segundo tempo, ainda chutou uma vez com perigo e, noutro lance, cabeceou para defesa do Carlão.

LEVIR CULPI

Até os 24’1ºT, quando o Ypiranga marcou, o Fluminense teve total domínio, mas tocou muito para os lados e não forçou em busca do primeiro gol. Faltava intensidade nas ações ofensivas. Levir era obrigado a queimar sua segunda alteração: Wellington Silva (18’) e Gustavo Scarpa (26’) saíram contundidos. Com vantagem no placar, o Ypiranga aproveitou os espaços e articulou perigosos contra-ataques. A partir dos 35’1ºT, o Fluminense passou a ser completamente dominado e não conseguia articular uma única jogada. Um amontoado em campo, passes precipitados e sem nenhum objetivo, lançamentos para o nada, enfim, um primeiro tempo tenebroso. O segundo tempo começou com o Fluminense mais esperto e criando algumas oportunidades. Aos 11’, Magno Alves empatou. A partir daí, foram lances de abafa. Nada organizado, nada planejado. Cícero ainda teve a oportunidade da virada, mas o pênalti perdido foi um merecido castigo para esse péssimo time do Fluminense. Não se percebe o trabalho do técnico neste time. É um futebol aleatório. O que acontece de favorável é por acaso.

YPIRANGA

No primeiro tempo, ficou fechado à espera de um contra-ataque. Aconteceu e não desperdiçou. Daí em diante, foi aproveitando a fragilidade tricolor e tomou o controle do jogo. No segundo tempo, montou uma retranca e conseguiu levar um merecido empate para casa.

ARBITRAGEM (Wanderson Alves de Sousa)

O auxiliar Celso Luiz da Silva errou na marcação (ou não) de alguns impedimentos. O árbitro errou ao marcar o pênalti. A bola bateu no cotovelo do jogador do Ypiranga, mas o braço estava colado ao corpo. No rebote do pênalti, Cícero é derrubado, seria outro pênalti. No finzinho, um jogador do Ypiranga cortou uma bola com a mão, mas o árbitro não marcou o pênalti. Arbitragem muito ruim.

…SAINDO DE CAMPO

Ou se contrata uns cinco bons jogadores ou a vaca vai para o brejo na Copa do Brasil e no Brasileiro.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: jac

4 Comments

  1. A vaca vai para o brejo. No Brasileiro, lutar para não cair…. que sorte que existem o América MG, o Santa e o Botafogo!!!

  2. Ué, mas a culpa de tudo de ruim do Fluminense não era do Fred!?

    Levir foi o idiota útil no caso, criando problemas com o cara, para depois ser mais um dos trocentos técnicos trocados pelo Peter.

  3. Já passou da hora de unir todos os grupos de oposição (com ou sem Celso Barros) e invadir o clube para tirar Peter e Flusócio na marra. Se isso não acontecer agora, TRAGÉDIAS esportivas e até humanas poderão acontecer mais tarde…

Comments are closed.