Fluminense 1 x 1 Atlético-PR: atuações (por Mauro Jácome)

mauro-jacome-red

Por uns poucos minutos, o Fluminense adiantou a marcação, pressionou e parecia querer um gol no início. Durou quase nada. Cedeu espaços e errou um caminhão de passes na saída de jogo. O gol rubro-negro ficou por detalhes. Sorte que faltava ao Atlético qualidade na frente. O jogo ficou num lenga-lenga, com a torcida vaiando o Wellington Silva, até os 29’. Então, Gustavo Scarpa pegou uma bola pela direita e cruzou na cabeça de Cícero. Fatal: 1 x 0. Mesmo à frente do placar, o Atlético continuou tendo muitos espaços para carregar a bola e chegar perto de Júlio César. O Fluminense não explorava os contra-ataques, então, o jogo se desenvolvida no campo de defesa tricolor.

A volta do intervalo não mudou muita coisa: o Fluminense trocando passes sem objetividade e o Atlético com muita tranquilidade para escolher por onde atacar. Aos 16’, William Matheus cometeu um pênalti idiota. Hernani bateu e empatou. A partir daí, todos esperavam um volume maior do Fluminense, mas o jogo continuou na mesma toada. Somente nos minutos finais, houve uma tentativa pela vitória. Algumas bolas aéreas para as cabeçadas sem direção do Richarlison, uma arrancada de Gustavo Scarpa que conseguiu uma falta na meia-lua e um pênalti cavado por Richarlison. No entanto, nada disso foi suficiente para segundo gol sair.

Apesar de justiça e futebol não se conhecerem, o empate representou bem o que os dois times fizeram em campo. Os mais de 40 mil que foram ao Maracanã mereciam maior empenho do Fluminense em busca dos três pontos. Melhor esquecermos Libertadores. Aliás, a vaga mais fácil da história.

JÚLIO CÉSAR

Algumas boas defesas. Destaque para uma num chute de André Lima e outra num recuo desastrado de Gum.

WELLINGTON SILVA

Mais um péssimo jogo, com inúmeros passes errados que proporcionaram ataques perigosos do adversário. Também, perdeu importantes lances de ataque.

GUM

Muito trabalho no primeiro tempo, com diversas bolas aéreas do Atlético. Conseguiu neutralizar. No segundo tempo, não podia passar em branco e quase fez um gol contra absurdo. Esse rapaz está cada dia mais deixando a torcida irritada.

HENRIQUE

O mais sóbrio da defesa.

WILLIAM MATHEUS

Um futebol ridículo, uma ridícula incapacidade para apoiar e um pênalti ridículo.

PIERRE

Deu espaços à frente da área e fez as tradicionais faltas.

EDSON

Tentou se lançar e aparecer na frente para surpreender o adversário. No entanto, errou na hora da decisão.

OSVALDO

Nada de útil, para variar.

MARQUINHO

Não acertou uma única jogada, além de se omitir boa parte do tempo em que esteve em campo. Ainda, não encontrou uma posição para jogar.

RICHARLISON

Entrou com a vontade de sempre e cavou um pênalti, mas deixou a desejar.

CÍCERO

Avançado e decisivo nas bolas aéreas. Além da impulsão fora do normal, sabe calcular o local correto onde a bola chegará. No entanto, foi péssimo nos lançamentos e ficou impedido um milhão de vezes.

DOUGLAS

Entrou no final e tentou salvar o resultado. Perdeu um gol.

GUSTAVO SCARPA

Dar-lhe liberdade para que o garoto possa colocar a bola onde quiser é loucura. Dos seus pés saiu o cruzamento perfeito para o gol de abertura do placar. Tentou a vitória e, no final, teve uma falta e um pênalti para garanti-la. Infelizmente, não conseguiu.

WELLINGTON

Anda desligado nos últimos jogos. Uns dribles aqui, outros ali, mas não tem conseguido chegar com mais perigo ao gol adversário. Precisa de um banquinho para baixar a soberba.

MARCÃO

Na estreia, Marcão entrou com uma escalação, no mínimo, estranha. À primeira vista, num jogo em que a tendência seria de pressão e de muitos cruzamentos, entrar sem um centroavante de ofício. No entanto, Cícero foi a surpresa, fazendo o papel do homem mais adiantado. Na única bola alçada, Cícero colocou para dentro.

Na tentativa de recuperar a vantagem no placar, primeiro, colocou Richarlison e recuou Cícero. Com a substituição, houve uma perda nas bolas aéreas e não houve ganho no poder ofensivo. A entrada de Osvaldo não acrescentou nada. Douglas entrou melhor do que os outros e, inclusive, perdeu grande oportunidade no final.

O Fluminense continuou mostrando os mesmos erros dos jogos anteriores: lentidão, espaços ao adversário, falta de pegada, descoordenação entre as linhas e passividade frente às adversidades.

ATLÉTICO-PR

Não é difícil jogar contra o Fluminense.

ARBITRAGEM

Marcou um pênalti discutível, tive a impressão que Paulo André não tocou em Richarlison, e deixou de marcou outro, claríssimo, logo em seguida.

…SAINDO DE CAMPO

Gostaria de que Marcão desse certo no futebol. É um cara que merece, um lutador. Mas no futebol, só isso não basta.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: jm

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres