Fluminense 0 x 2 Grêmio: atuações (por Mauro Jácome)

INFORMÁTICA PARA PEQUENOS E MÉDIOS AMBIENTES

É difícil fazer qualquer análise do jogo. A expulsão de Nogueira aos 4’ matou o time do Fluminense. Se analisarmos o lance isoladamente, a entrada do zagueiro foi dura e imprudente, no entanto, se contextualizarmos, aconteceram duas semelhantes e o árbitro deu SOMENTE amarelo: no fim do primeiro tempo, uma entrada duríssima, num carrinho, em Henrique Dourado; no segundo tempo, numa evolução de Wendel, o meia tricolor foi derrubado por trás. Esse árbitro é muito fraco, sem personalidade e, por que não dizer, mal-intencionado.

Numa situação atípica, o Fluminense tentou se lançar embalado por uma bela demonstração de amor da torcida nas arquibancadas. Os quase vinte mil torcedores se esgoelaram e mereciam um jogo diferente. No entanto, o futebol brasileiro está entregue a um bando que faz o que quer e nada acontece.

DIEGO CAVALIERI

Os dois gols foram em lances muito difíceis, mas Cavalieri tem feito o básico. Quando o Fluminense precisa de uma grande atuação dele, esquece…

LUCAS

Foi um dos que se matou em campo. Ficou muito irritado com tudo que viu em campo. Não se pode tirar sua razão. Daqui, eu queria entrar na TV e quebrar o árbitro, imagina quem estava em campo.

NOGUEIRA

Foi imprudente. Poderia ter evitado o carrinho, mas, naquele momento ali, é preciso experiência. Tem muito a aprender.

HENRIQUE

Fez o papel de capitão. Azucrinou o árbitro, tentou comandar uma defesa aberta frente a um time que tem muita consciência em campo. Ainda cabeceou uma bola no travessão.

LÉO

Jogou mal. Ainda está sem confiança para definir os lances. Vai ter algum dia?

OREJUELA

Está numa péssima fase. Mesmo não sendo um zagueiro, bobeou no primeiro gol, ao ir atrás de um adversário na intermediária, abrindo espaço para a triangulação gremista.

DOUGLAS

Teve que correr muito pela intermediária do Fluminense para tentar fechar o meio e proteger a defesa. Pouco produtivo na frente.

LUIZ FERNANDO

Um lutador, mas não era o cara certo para o momento.

WENDEL

Tentou fazer a transição quando Gustavo Scarpa saiu. Era muito difícil organizar com a superioridade numérica e tática do Grêmio. Contundiu-se e foi obrigado a sair.

RENATO

Não tinha muito o que fazer com um time esfacelado, mas tentou.

GUSTAVO SCARPA

Poderia ter ficado em campo. O Fluminense sentiu falta de alguém para fazer parceria com o Wendel.

REGINALDO

Tem suas limitações, mas fez o que pode.

RICHARLISON

Lutou, correu, brigou, apelou. Poderia ter arriscado mais em direção ao gol. Refugou várias vezes no mano-a-mano.

HENRIQUE DOURADO

Um guerreiro. Praticamente não pegou na bola quando esteve dentro da área, mas sua entrega foi comovente.

ABEL

Não o crucifico por tentar improvisar o equatoriano na zaga. Quando percebeu a fragilidade da zaga, recompôs a defesa. No entanto, poderia ter tirado o Orejuela para colocar o Reginaldo, em vez de Gustavo Scarpa. Recuaria o Douglas. Daí em diante, o Fluminense perdeu o meio campo de vez. Quando chegou à área do Grêmio, foi na base da raça e da entregue.

GRÊMIO

É um time muito consistente. Sabe jogar em diversas situações: pressionado ou com a bola no pé. Tem tudo para chegar longe na temporada.

…SAINDO DE CAMPO

Repito o que falei depois do jogo contra o Vasco: o elenco do Fluminense está muito carente. Se não se reforçar, vai ter sérios problemas ao longo do Brasileiro. É tão difícil um patrocínio assim?

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: jam

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres