Flamengo 3 x 0 Fluminense (por Felipe Fleury)

Foi um passeio. Sem se esforçar muito, jogando apenas com seriedade e sobrepondo-se ao Fluminense em qualidade e organização tática, o Flamengo passeou no Maracanã. Fez três e, se quisesse, poderia ter feito mais.

Nem de longe o Fluminense pareceu o time, pelo menos aguerrido, das últimas partidas. Todos sabem que o elenco é fraco, tem um treinador limitado e vive grave crise administrativa, mas o torcedor esperava uma resistência maior ao rubro-negro. Mas o Tricolor o suportou somente cerca de 10 minutos, período em que se viu um jogo mais ou menos equilibrado.

Após o primeiro gol rubro-negro, o Flu sucumbiu inteiramente, tornando-se presa fácil para um adversário que, como disse, não fez mais porque não quis.

Não se pode exigir de nenhum treinador que também seja mágico. É claro que, com o material humano que possui, Marcelo Oliveira não pode ser responsabilizado de forma integral pela derrota, mas uma boa parcela de responsabilidade ele tem. Ficou claro, durante a partida, que Dorival estudou o time Tricolor e anulou sua principal opção ofensiva, as jogadas de Ayrton Lucas e Everaldo pelo lado esquerdo, enquanto nosso treinador pôs seu time em campo desconhecendo como jogava o adversário, e pior, deu a ele uma avenida pelo lado direito, improvisando Matheus Norton, que, não se sabe por que cargas d’água conseguiu tornar-se jogador de futebol profissional.

Sem poder de marcação no meio, sem ataque, com a zaga falhando além da conta e com o lado esquerdo anulado, nada sobrou ao Fluminense que insinuasse alguma reação, tanto é que, depois do primeiro gol rubro-negro, a equipe foi totalmente dominada em campo até sofrer o segundo, ambos em jogadas de bolas alçadas à área.

Com o terceiro, logo no início do segundo tempo, aí é que a vaca foi para o brejo. A partir daí foi quase um jogo treino, onde o Flu só teve uma boa chance numa cabeçada de Ayrton Lucas para boa defesa de César.

Durante todo o jogo se viu um Flamengo mais disposto, consciente e organizado, ao passo que o Flu parecia satisfeito com o resultado, tentando evitar somente um placar mais dilatado, ciente de suas limitações e da desorganização que Marcelo Oliveira, com suas substituições, nem de longe conseguiu corrigir.

Esperava-se de um frágil Fluminense pelo menos mais vontade e organização. Não se viu, porém, nem uma coisa nem outra. O Tricolor entregou o jogo de bandeja, com um desempenho menos do que péssimo de seus jogadores e diante de um técnico que, embora com parcos recursos, não soube mexer – e substituir – as peças do tabuleiro e criar alguma dificuldade ao rival com inteligência.

Já vi timinhos Tricolores darem muito mais trabalho ao Flamengo, e até vencerem em situação de inferioridade técnica, mas poucas vezes vi um time entregar-se tão passivamente, diante de um treinador incapaz de dar o mínimo de padrão de jogo a um grupo que já comanda e conhece suficientemente bem.

O Fluminense não tem um elenco, um treinador e um presidente à sua altura. Ainda assim tem avançado na competição sul-americana e se mantido em posição intermediária no Brasileirão graças ao esforço do grupo. Não é a regra, contudo. Não podemos dar sopa ao azar.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @FFleury

3 Comments

  1. Sempre preciso em sua anâlise, Felipe. Mesmo fraco o time, os jogadores têm se esforçado bastante, mas ontem….ainda mais sem Sornoza.

  2. Boa tarde. Na minha opinião, já falei algumas vezes, o time é muito fraco. Não adianta se iludir. Um técnico precisa de conhecimento da casa. Ainda não tem. Competência nele é inegável. Haja visto seu trabalho e títulos. Olha o Coritiba com ele. Agora, colocar o Igor Julião. Não dá .O cara é lateral? é, mas não joga nada. Já mostrou isso. Então tem de improvisar a partir do que tem. Mas nosso time é muito inferior ao do adversário. Não dá prá ganhar. Aguardar as eleições e torcer para um…

Comentário