Flamengo 2 x 3 Fluminense (por Marcelo Vivone)

BRASILEIRO-Flamengo-Fluminense-Wagner-MeierLANCEPress_LANIMA20150531_0251_52

A expulsão do Giovanni foi um absurdo. Até quando seremos roubados escancaradamente contra o time da mídia e que é mantido pelo dinheiro do Governo Federal? Uma vergonha!

No final, o placar místico que todo torcedor Tricolor adora. Vitória sofrida, com a cara do Fluminense e pelo placar de 3 a 2. Contra tudo e contra todos.

Mesmo com um cansaço além do normal, valeu o esforço, a raça de todo o time no segundo tempo.

Não gostei do Enderson hoje nas substituições. Primeiro, chamou Pierre para entrar no lugar do Gerson quando ainda tínhamos igualdade no número de jogadores em campo. Certamente a entrada de mais um cabeça de área iria nos colocar muito atrás. Depois, hesitou muito para fazer a terceira substituição. Com Wagner e Fred mortos em campo nos últimos 20 minutos, perdemos poder de marcação e, principalmente, de conseguir contra-ataques e ter alívio no jogo. Foi muito mal nosso treinador e colocou nossa vitória em risco desnecessariamente.

Vinícius jogou demais. Renato foi bem no primeiro tempo. Giovanni também enquanto esteve em campo. Edson o monstro de sempre. Antônio Carlos não comprometeu. Jean não apareceu no jogo. Fred voltou a jogar bem. Vinícius e Gerson disparados os melhores em campo. Partidaça dos dois.

Já Gum… Até quando teremos que conviver com as falhas individuais do Gum? Não tem ninguém melhor (ou “menos pior”) para substituí-lo até que Marlon volte ao Fluminense? Haja coração!

Preocupa muito a ausência nos próximos jogos do Gerson. Agora que começam as rodadas no meio de semana, ficaremos vários jogos sem o garoto.

Antes do início do campeonato, fiz uma breve análise das quatro primeiras rodadas e escrevi que, se chegássemos aos sete pontos, estaria feliz pelo que espero do Fluminense no campeonato. Estou satisfeito, ainda mais de uma vitória como a de hoje.

Nossos adversários locais estão na zona de rebaixamento. O Flamengo com um ponto, empatado na lanterna. O Vasco em 17º com três. O respeito voltou? Parece que o rebaixamento voltou.

Primeiro tempo

O jogo começou conforme esperado. O Flu com mais posse de bola e o Flamengo tentando jogar no nosso erro e partir no contra-ataque.

Foi um início muito faltoso, com pouca qualidade técnica e muito truncado.

Até que aos oito minutos, Vinícius lançou uma bola para Gerson nas costas da zaga. O garoto dominou, olhou para a área e viu Vinícius entrando nas costas da zaga. O cruzamento foi perfeito e Pará apelou para impedir o gol empurrando Vinícius nas costas. Pênalti claro que o pessoal do Sportv fez questão de dizer que não existiu. Incrível a cara-de-pau desse pessoal.

Fred bateu com muita categoria e abriu o placar. Flu 1 a 0.

A partir daí a configuração do jogo foi alterada. O Flamengo passou a ter a posse de bola e o Fluminense ficou com o contra-ataque. O Tricolor passou a explorar os erros do adversário.

Aos 19 minutos, Vinícius aproveitou uma falha na saída de bola do adversário e tentou surpreender o goleiro de longe.

Nova oportunidade de gol do Flu, numa roubada de bola de Edson na intermediária do adversário. A bola chegou para Gerson, sempre pela direita, que cruzou para Vinícius pegar de voleio. A zaga adversária conseguiu bloquear.

Somente aos 26 o adversário conseguiu chegar ao ataque, ainda assim, na cobrança de uma falta. A bola foi cruzada para a área e nossa zaga falhou. Walace quase chega para empatar.

Aos 28, a primeira participação de Cavalieri, que saiu bem nos pés de Alecsandro para abafar o atacante, numa bola metida nas costas da zaga.

Aos 32, funcionou nosso contra-ataque. Giovanni roubou na entrada da nossa área, tocou para Vinícius, que esticou na ponta direita para Gerson. Renato passou na corrida, recebeu na linha de fundo e cruzou de primeira. A bola chegaria para Fred marcar, mas Pará, no desespero, tentou cortar e marcou contra. Flu 2 a 0.

Aos 36, sofremos o revés. Armero fez jogada pela esquerda, ganhou de Jean e passou de passagem por Gum. O cruzamento saiu alto e Alecsandro conseguiu ganhar de Giovanni para marcar. A cabeçada foi sem defesa para Cavalieri. Flu 2 a 1.

O Flamengo cresceu e tentou o abafa, mas nada mais aconteceu de perigo. Ainda deu tempo para ter um jogador expulso, já nos acréscimos.

Na jogada em que sofremos o gol não entendi o porquê do Renato não estar na sua posição. O próprio Enderson afirmou que ele ganhou a titularidade porque é melhor marcador que Wellington Silva.

Jean teve que fazer a cobertura e, pior, Gum também. Nosso zagueiro é muito lento para fazer qualquer tipo de cobertura e ainda por cima deixou Giovanni marcando o bom cabeceador Alecsandro.

Segundo tempo

Aos 35 segundos, encaixamos lindíssimo contra-ataque. Giovanni roubou na nossa área, deu um bonito toque por cima para Vinícius na ponta. O camisa 10 tocou pra Gerson, nas costas do Armero, e o garoto fez ótima jogada, cortando o lateral para o meio e, com a tranquilidade de um veterano, tocando para Fred, livre, marcar. Flu 3 a 1.

E, como a coisa complicou para o time da mídia, aos quatro minutos, o árbitro estragou o bom trabalho que estava fazendo até então. Expulsou de forma absurda o Giovanni num lance normal de jogo. Nem falta foi. Um grandíssimo absurdo que nem o pessoal da televisão conseguiu dar sustentação.

Pierre que já aquecia, entrou no lugar do machucado Gerson. Com isso, o Fluminense deu todo o campo para o adversário e se fechou em duas linhas.

Aos 13, Enderson colocou Wellington Silva em campo para dar ao time a opção do contra-ataque. Ruim foi a saída do Vinícius. Se não for por cansaço, ele deveria ter continuado em campo, pois todos os contra-ataques saiam de seus pés. Wagner deveria ter sido sacada ao invés do camisa 10.

A partir daí o jogo virou ataque contra defesa.

O adversário, mesmo com a ajuda descarada e sem vergonha do juiz, foi para o abafa, mas não conseguiu produzir uma chance de gol. Já o Fluminense não conseguiu armar um contra-ataque sequer.

A partir dos 20 minutos, o Fluminense conseguiu se posicionar bem e começar a também tentar atacar. Assim, a pressão desordenada do adversário arrefeceu.

Aos 33, nosso time conseguiu encaixar um contra-ataque com Wellington Silva e Wagner. O lateral recebeu de Fred dentro da área e chutou por cima do gol.

Aos 40, em mais uma falha em bola cruzada na nossa área, o adversário chegou ao segundo gol. Incrível o Gum ficar olhando um jogador com metade da sua altura cabecear sozinho. Flu 3 a 2.

Enderson demorou demais para substituir. Fred e Wagner estavam mortos em campo. Era preciso substituir um dos dois com urgência. Somente depois de tomar o segundo gol é que resolveu substituir.

A pressão ficou enorme, mas o adversário não teve mais oportunidades de gol.

Jogamos um primeiro tempo razoável, mas demonstramos uma capacidade de colocar contra-ataques que até então não tinha visto. Mesmo com a falta de um jogador de velocidade na frente, Vinícius, Gerson e Renato, conseguiram suprir essa nossa deficiência.

No segundo tempo, valeram a raça e a entrega do time. Não dá para avaliar nada além disso, depois que ficamos com um jogador a menos. É muito importante lembrar que o adversário não ameaçou uma vez sequer o nosso gol mesmo jogando com um jogador mais.

Panorama Tricolor

@Panoramatri @Mvivone

Foto: www.lancenet.com

IMG_20150425_162953

10 Comments

  1. Boa análise, mas tem de arrumar o texto, pois o jogador do Flamengo foi expulso no final do segundo tempo e não do primeiro. ST

  2. Ei Vivone, mais uma vez o time mostrou a mesma raça que teve contra o Corinthians, bem diferente do jogo contra o Atlético-MG. Vinícios deu entrevista no fim, disse que os jogadores “fecharam” com o Enderson e etc. Tudo muito bom, mas me parece que houve mesmo um boicote pra derrubar o Ricardo Drubscky, como já falado aqui na sua coluna, esse time já faz isso desde 2013! Só resta torcer pra que esse “fecharam” dure o restante do ano!

    S.T

    1. Vivone:

      É Vicente, nosso clube é refém dos jogadores há muito tempo. E a gente sabe quem é o líder.

      Como nada vai mudar, pelo menos até 2016, só nos resta torcer para, como você disse, os jogadores estarem fechados com o Enderson por um bom tempo.

      Um abraço.

  3. Só lembrando: Sr. Sandro Meira Ricci, conhecido “gaveteiro” do Sistema Globo…

    Rezo e espero ansiosamente que a investigação norte-americana sobre a FIFA chegue aqui com força total o quanto antes…

    1. Vivone:

      Conseguimos vencer mesmo com ele apitando.

      Duvido sempre que alguma coisa vá acontecer. Mas vamos ver…

      Um abraço.

  4. Do Gum, nem falo mais ! Tô cansado ! Já falei há algum tempo que o meio campo deveria ser: Pierre, Edson, Vinícius e Gerson. E no ataque um jogador de velocidade junto do Fred: Kenedy, Lucas Gomes ou Magno Alves, se tiver preparo físico. Acho que deveríamos dar uma chance ao Lucas, que jogou bem no início do ano, mas foi barrado pelo Cristóvão, que preferiu o Kenedy. Assim como o Vinícius, que foi barrado e agora está mostrando um bom futebol. Isso é o simples, mas os técnico preferem complicar.

    1. Vivone:

      Amigo Foca,

      Nossa admiração pelo futebol do Gum é enorme. Não sei realmente o que falta para ele ser barrado.

      Jean ontem participou pouco do jogo, mas até acho que ele teve bom posicionamento defensivo. A entrada do Pierre pode ser testada, mas se o Jean mantiver o padrão de ontem, prefiro ele no time titular.

      Discordo quanto ao Lucas Gomes. Ele tem provado em todas as vezes que entra que não deveria ter sido contratado. Com esse eu já não tenho mais esperanças de que algo mude.

      Um abraço.

  5. Além do Gum ser horroroso tecnicamente, não sabe se posicionar. Toda vez não faz a linha de impedimento. Outro que é muito fraco e lento é o Giovani. Tem que ser sacado e, por falta de opção, colocar o Wellington Silva mesmo que, pelo menos, tem raça.

    Abs.

    1. Vivone:

      Mano, sobre o Gum nós concordamos.

      O Giovanni é lento sim, mas eu gostei bastante da partida que ele estava fazendo até ser excluído de forma absurda do jogo.

      Se você reparar, os contra-ataques do 1o e 3o gols começaram com ele.

      Beijo.

Comentário