Em time que está ganhando… (por Gustavo Reguffe)

 

Provérbios populares são parte importante da cultura de cada comunidade; eles ajudam a legitimar esta mesma cultura, refletindo um certo senso comum, uma espécie de sabedoria intrínseca e imutável através dos anos. Assim que soou o apito de fim de jogo para Fluminense e Figueirense no último sábado, uma dessas máximas me veio à cabeça: “em time que está ganhando, não se mexe”.

Este ditado foi a síntese do que aconteceu em Florianópolis. O primeiro tempo foi movimentado, uma bola na trave para cada lado, algumas chances perdidas, mas era evidente a superioridade tricolor. Até aí, tudo bem, jogo jogado. No segundo tempo é que a coisa desandou; depois de um começo avassalador, com dois gols em menos de dez minutos e sobrando em campo, o time inexplicavelmente recuou e deu no que deu.

Muitos vão alegar que deu branco na equipe, um apagão, e que isso acontece de vez em quando. Tudo bem, concordaria tranquilamente com isso se não fosse a primeira, segunda nem a terceira vez que vacilamos na hora de decidir o jogo, de forma covarde. O time vinha bem, estava embalado; por quê então não continuar do jeito que estava, explorando mais os contra-ataques e, muito provavelmente, ampliando o marcador?

A saída do Nem para a entrada do Diguinho foi medida tão equivocada que não dá nem vontade de comentar, de tão óbvio – sem falar no detalhe da falta que definiu o placar ter sido cometida, pra variar, na entrada da área, pelo segundo. Ficou claro que nossa opção seria apenas a de se defender, abrindo mão completamente de atacar – mais uma vez. E é isso que me preocupa e incomoda, a frequência com que essa atitude vem se repetindo ao longo do campeonato. Já escrevi sobre isso outras vezes e não me agrada ficar batendo na mesma tecla, mas não dá para deixar de chamar a atenção novamente para um problema que pode nos custar o título.

No ano passado perdemos duas vezes para adversários limitados como Bahia, o famigerado América Mineiro e mesmo o próprio Flamengo, em clássico regional. Neste ano empatamos duas vezes com o Figueirense, lanterna do campeonato! É importante reforçar que o time vinha jogando bem nesta última partida, apesar da grande quantidade de desfalques. Exatamente por isso é que não consigo aceitar esse pensamento medíocre de querer recuar para garantir o resultado, em vez de decidir logo a parada.

Vejo uma evolução do Fluminense nos últimos jogos, acho que o time está mais amadurecido e o considero atualmente o candidato mais forte ao título. Mas não podemos nos dar ao luxo de deixar escapar pontos tão fáceis quanto importantes como os do jogo com o Figueira. Fica o apelo ao Abelão: se sua teimosia o impede de ser mais ousado, que ele pelo menos em algum momento se renda à sabedoria popular.


Gustavo Reguffe

Panorama Tricolor/ FluNews

@PanoramaTri

Imagem: google.com

Contato: Vitor Franklin

2 Comments

  1. Muito sábias as palavras,podíamos partir prá cima e aplicar uma goleada e em vez disso recuamos covardemente e deu no que deu,isso deixou todos os tricolores muito chateados.

    1. Paulo comenta: Excelente como sempre, Gustavo. PS: apesar de criticar Abel, reconheço que evoluiu no comando do time e espero que os tropeços contra Grêmio e Figueirense tenham sido pontuais. Braxxxxx.

Comentário