E o Engenhão? (por Pedro Simonard)

Teoria da conspiração?

ENGENHÃO FECHADO

Estreando(!?) neste blog, gostaria de agradecer aos blogueiros que ocupam estes espaços de forma brilhante o convite e o espaço aberto a este botafoguense. Como tema desta página pensei em algo que pudesse interessar a todos, um assunto que interesse não só aos botafoguenses, mas a todos os torcedores que, antes de serem torcedores, são cidadãos: o fechamento do Engenhão. Esta semana circularam pelas comunidades de botafoguenses no Facebook, no Tweeter e em outros sítios pela Internet duas denúncias, duas teorias da conspiração que, se comprovadas suas veracidades, explicariam muitas coisas ainda obscuras sobre o fechamento do Engenhão.

A primeira delas dá conta de uma jogada da Rede Globo visando, diretamente, o Botafogo de Futebol e Regatas. Das duas talvez seja a mais fantasiosa: (http://radiobotafogo.com.br/m/discussion?id=5224978%3ATopic%3A500228,http://www.televisaoonline.net/2013/05/globo-seria-responsavel-pelo-fechamento.html). Segundo esta denúncia, o amigo de um amigo teria participado de uma festa de aniversário em um clube no Rio de Janeiro onde ele teria ouvido a seguinte estória: cerca de dez dias antes do Engenhão ter sido interditado o Botafogo haveria fechado com a Wolkswagen um contrato de naming rights para o estádio no valor de R$30 milhões por ano até 2016. Como prevê o contrato de  aluguel, o Botafogo teria avisado a Prefeitura e o prefeito haveria notificado à Rede Globo (a denúncia não especifica o porquê). Ao saber desta notícia, o executivo da Rede Globo, Marcelo Campos Pinto, responsável por negociar os contratos de transmissão dos jogos com os clubes brasileiros, mandou o prefeito “melar” a transação porque ela não seria do interesse da Globo que não quereria mais um clube forte no cenário brasileiro (a denúncia não explica o porquê) e que a Globo preferia que o naming rights do Engenhão fosse dado para a Caixa Econômica Federal (a denúncia também não explica o porquê). Esta denúncia possui muitos pontos sem esclarecimento, mas responderia a muitas perguntas sem respostas que serão lembradas ao final deste artigo. Ao menos, ela teve o mérito de desencadear uma reação da torcida do Botafogo exigindo a reabertura do estádio por meio de uma petição pública (http://www.avaaz.org/po/petition/Pela_Abertura_do_Engenhao/?aGaUgcb), pela criação de comunidades nas redes sociais e pela organização de um abraço ao Engenhão no dia 8 de junho.

A segunda denúncia, mas bem embasada, tem por base a resposta ao blog “Fala Doente!” do Lancenet!, uma resposta de um torcedor alvinegro ao blog de Nilton Severiano intitulado “Pai Niltão ataca novamente”, e uma reportagem publicada no mesmo jornal intitulada “Com proposta ruim pelo Maracanã, consórcio tenta seduzir clubes” (http://www.lancenet.com.br/minuto/proposta-original-Maracana-empresa-clubes_0_926307393.html). Os dois textos analisam a proposta feita pelo consórcio vencedor da licitação do Maracanã. As empresas controladoras do estádio são obrigadas, segundo o edital, a fechar acordo com, pelo menos, dois clubes grandes da  Rio para poder administrar o negócio. Como a Vasco tem São Januário e o Botafogo o Engenhão, só sobravam para o consórcio Fluminense e Flamengo. Estes dois já haviam iniciado negociações  com os vencedores da licitação que lhes havia apresentado uma proposta insatisfatória o que os levou a renovarem com o Botafogo pelo aluguel do Engenhão até o final de 2013. Ora, com a renovação com o Botafogo e o Engenhão, não haveria clube que permitisse ao consórcio cumprir o item do processo de licitação que o obriga a assinar contrato com, pelo menos, dois dos grandes clubes do Rio. Isto, simplesmente, inviabilizaria a exploração do Maracanã e poderia levar os vencedores da licitação a devolvê-lo para o Governo do Estado. A solução encontrada teria sido interditar o Engenhão e obrigar os clubes a jogarem no Maracanã.

Como eu falei acima, estas denúncias podem ser, apenas, teorias da conspiração, mas se fossem reais explicariam e responderiam a uma série de questões:

1 – Se houve um erro de projeto do Engenhão, por que a Prefeitura do Rio não acionou, até agora, os responsáveis para ou reparar o problema ou indenizar as perdas?

2 – Se já se sabia, como alegado em várias reportagens, do problema desde 2010, por que a Prefeitura esperou acabar a garantia de cinco anos (só cinco anos para uma obra deste porte?) para tomar providências?

3 – O Prefeito disse que o Engenhão foi construído “nas coxas”, mas ele era o Secretário de Esportes da gestão César Maia em 2007 e responsável direto pelo controle e vistoria da obra. Por que ele não tomou as providências necessárias?

Estas três questões seriam facilmente respondidas se a resposta fosse/for não tomou providências porque não há pronblema algum ou o problema, se existe, não oferece riscos.

4 – Por que a Prefeitura só comunicou oficialmente ao Botafogo o fechamento do Engenhão em documento enviado no mês de Maio, mais de um mês após o fechamento do estádio?

5 – Foram feitos 3 laudos sobre a cobertura do Engenhão: um, por uma empresa alemã, recomendando o fechamento, e outros dois feitos por uma empresa canadense e outra inglesa, alegando que o estádio não precisa ser fechado. Há, ainda, um estudo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural  (ABECE) (http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2013/05/07/empresas-de-engenharia-questionam-laudo-que-fechou-do-engenhao.htm) que afirma que o estádio não tem nenhum problema estrutural. Sendo assim, porque o Prefeito se fia em um único laudo, contra 3, que afirma que há problemas, laudo este que, segundo a denúncia publicada no blog do Lance!, foi modificado?

Existem outras questões a serem levantadas, mas acho que já ultrapassei o espaço que me foi destinado.

Cidadania não tem time! Saudações Alvinegras!

Pedro Simonard

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres