Devo desculpas (por Crys Bruno)

crys bruno green

Oi, pessoal

Eu realmente devo desculpas a todos os tricolores que identificaram que, não raro, esse elenco nos pune com sua falta de vontade e ausência de espírito de competição, o que, no caso do esporte, podemos traduzir como falta de vergonha na cara.

Para mim, é inconcebível que um time inteiro jogue uma partida oficial vestindo a camisa de um clube grande como o Fluminense com o desrespeito, o desleixo e a irresponsabilidade que vimos no empate diante da Ferroviária.

A questão não é só por posicionar jogadores com características “X” em posições “Y”, embora na maioria das vezes, tenha sido. “Maioria das vezes”, porque falamos de um elenco que venceu apenas oito jogos em trinta disputados!

Nem em um amistoso com a nossa camisa seria aceitável um time postado em campo como eles estavam contra a Ferroviária, trotando, tirando o pé. Ainda mais numa partida oficial, num mata-mata ou numa semifinal de Carioca. Foram dois jogos assim.

A culpa de isso acontecer, novamente, é dos dirigentes engomadinhos das Laranjeiras que tanto falam de profissionalismo, mas que são condescendentes com essas atuações. Vira e mexe, todo ano, o Fluminense atua de forma vexatória. Chega, minha nossa! Chega! Têm milhões de pessoas sendo afetadas por essa condescendência nojenta.

Não foi a primeira vez. Vocês lembram a eliminação contra o América-RN? Quinta-feira a obrigação é atuarmos de forma séria e profissional, a obrigação é se classificar. O adversário está em vias de fechar. Jogadores renovaram por três dias para jogar a partida de volta.

Sem aparelhos computadorizados, sem nutricionistas, sem fisiologistas, sem “um milhão de preparadores físicos” e com um a menos, os jogadores da Ferroviária correram mais que os jogadores do Fluminense. Aviltante. Classificar, primeiro, mas, sobretudo, com uma atuação do tamanho do Fluminense!

Eu devo desculpas. Eles também nos devem.

Toques rápidos

O Brasileirão 2016 começa, domingo, no campo do América, campeão mineiro. A aposta numa vitória tinha que ser às cegas. Mas esse elenco prima pela insegurança, instabilidade e ausência de comprometimento, gerada muito pela falta da devida cobrança por parte da diretoria.

Nesse sentimento de indignação e cansaço com esses caras, uma notícia boa: Levir “descobriu” que para atuar com um centroavante sem mobilidade, como o Fred, é preciso jogar com dois atacantes de velocidade para compensar, formando um “tridente” no meio, que não precisa ser nem “Clodoaldo, Gérson e Pelé”, nem “Mauro Silva, Dunga e Mazinho.”

Pelas características e para encaixar o time, aposto em Marcos Jr e Osvaldo abertos, com Scarpa e Cícero avançando por dentro, pelo meio. De volante, Edson me parece ser o melhor nome que temos: não seria o terceiro canhoto, como Douglas; nem o lento Pierre, jogador excelente para compor o elenco, mas não para ser titular da posição.

Sem bola, o melhor é mantê-los abertos para o contra-ataque, com um deles apenas baixando um pouco mais a linha, ficando o tridente na cabeça da área. Assim, o setor defensivo estará protegido e com opção de passe para quando recuperar a bola, não um chutão na direção de um Fred cada vez mais pesado e lento.

Essa é a tática (4-3-3) que mais me agrada para o resto do ano. Essa escalação melhora minhas expectativas, abaladas pelas duas últimas vergonhosas atuações e pela lentidão da direção em equilibrar o elenco com a chegada de, no mínimo, um lateral esquerdo, um meia destro e outro atacante veloz – já que a boa promessa Richarlison, que deve ser aproveitado já nessa quinta, é centroavante.

Profissionalismo com respeito à camisa e duas vitórias são o que espero para essa semana.

Profissionalismo com respeito à camisa é o mínimo que exijo para o resto do ano.

A conferir.

[Atualização] Depois do fechamento da coluna, a novidade: Levir escalou Richarlison. Não gosto de dois centroavantes, mas pela técnica melhor que a de Marcos Jr, de repente, Richarlison poderá ser mais eficaz.

Abraços,

Panorama Tricolor

@Panoramatri @CrysBrunoFlu

Imagem: CB / PRA

10 Comments

  1. Gostaria de saber, já que é inegável que o time joga melhor sem o Fred, se o próprio, assim como acontece na Europa com jogadores veteranos, não pode vir a ocupar o banco de reservas, ´para
    poupá-lo e usar sua experiencia no momento certo. E outra coisa que me intriga também, é por onde
    andará Danielzinho que jogou, e bem, algumas partidas entre os titulares e agora não é relacionado
    nem para a reserva e nem participa dos treinos.
    ST.

    1. Olá, Carlos! Desculpe a demora na resposta, não acessei ontem.

      Você toca em dois pontos importantes: primeiro, a questão do Fred mexe com a idolatria e uma cultura nossa que ficar no banco é vergonha.
      Sobre o Danielzinho… estranhíssimo, não é?
      “Brigadão” pela leitura e registro. ST!

  2. “Scarpa e Cícero avançando por dentro, pelo meio”. Rapaz, quando você ver o Cícero avançando para qualquer dos lados, me avise, pois o único lugar que o tenho visto ultimamente é naquela zona de conforto da intermediária, tocando bolas para os lados e para trás, não ajuda na marcação e nem no apoio, um verdadeiro peso morto.
    O que me causa espécie é que grande parte dos tricolores só veem culpa no Fred, talvez pelo seu alto salário, mas têm jogadores jogando muito pior do que ele no time.

    1. Julio, vc falou uma verdade. Cícero é o que mais tem “trotado” em campo e pela qualidade dele isso é inadmissível porque precisamos que a bola passe por ele, que ele construa a jogada para que essa seja de qualidade.

      Sobre Fred, ñ é culpa dele de tdo. Mas ele angariou essa reclamação depois dos estrimiliques e estrelismos, não é? Passará tb. rs

  3. As atuações contra botafogo e ferroviária foram, apenas, mais duas das inúmeras partidas vergonhosas que nos acompanham desde o título de 2012. Mas, na realidade, isto não tem nenhuma importância. O grande evento para o Fluminense, atualmente, ocorreu no final de abril: a divulgação do balanço. Viva o ativo circulante!

    1. Oi André, obrigada pela leitura e registro.

      Ter as contas austeras é a base de sustentação. É bom ver o clube nesse eixo. É o melhor que Peter fez. Sem dúvida.

      Mas são as atuações dentro de campo, determinantes para a manutenção da grandeza do clube e sua presença de protagonista no futebol brasileiro.

      Gde bjo, ST!

  4. Não quero ser chato, mas já sendo…sou obrigado a dizer que parte da apatia e da má vontade que aparece em “alguns” jogos do Flu tem a ver com a presença que já se torna irritante do Fred no elenco. O tempo dele passou, sua última presepada e tentativa de se leiloar sem sucesso foi a gota d’água que faltava. É nítido o desinteresse do grupo com a presença dele em campo, sem falar na lentidão que é imposta pela sua falta de mobilidade.

  5. Complementando; notícias dão conta que é dada como certa a venda do Marlon, zagueiro revelação do tricolor e que vinha fazendo bons jogos, mas estranhamente foi colocado no banco para o caro e lento Henrique…essa venda serve apenas para continuar pagando em dias os inacreditáveis 1 milhão ao Fred, ou seja, teremos obrigatoriamente que ceder uma jóia por ano, para arcar com os vencimentos de um jogador que não rende metade disso, não participa das ações de marketing do clube está ali pela grana

    1. Oi Theo! Muitos já acham isso tb. A impressão que tenho é que Fred virou “persona non grata” e ficou sem ambiente. Espero que, ficando ele no Flu, se administre isso sem que afete o rendimento, o que é possível!
      A conferir! ST.

  6. Ia comentar, mas vou apenas aplaudir.

    Vou concordar com o Júlio tb.

    4 x 0 Fluzão

    ST

Comments are closed.