A constatação (por Paulo Rocha)

paulo-rocha-novo-casal-20-green

O momento político, como era de se esperar, refletiu dentro das quatro linhas. E, consequentemente, o Fluminense se perdeu. Agora, a sonhada vaga na Taça Libertadores da América virou um sonho distante, já que não dependemos mais apenas de nossas forças.

A atual diretoria, que se gaba de ter modernizado o clube, dizimou o respeito que os rivais tinham por nós. Com um time medíocre, baseou-se na conquista de uma competição que teve apenas cinco jogos (dos quais o time venceu três, empatou um e perdeu outro) para acreditar que estava no rumo certo. Da maneira que nosso futebol foi tratado, temos sorte, tricolores, de não estarmos lutando contra o rebaixamento.

Escuto dizer por aí que o Botafogo, com um time pior que o nosso, rende muito mais. É mentira. O time do Botafogo é melhor, os resultados afirmam isso, inclusive no que diz respeito aos confrontos diretos desta temporada.
No início do ano, quando Eduardo Baptista foi tardiamente demitido, o Fluminense sonhou com Cuca. Mas a falta de tato do responsável pelo futebol do clube impediu que ele voltasse às Laranjeiras. Ainda quiseram acusá-lo de ser vaidoso. E contrataram um refugo, sim, Levir Culpi era um refugo. Queridinho da imprensa de outros estados, tal qual era Eduardo Baptista. Só que sem a mínima noção do que representa ser Fluminense.

Para piorar as coisas, o novo técnico brigou simplesmente com o maior ídolo do clube neste século e provocou a sua saída. Ou seja: ficamos sem Cuca, sem Fred, sem identidade. Foi jogada em cima dos meninos da base uma responsabilidade pesada demais. Só para lembrar, Cuca será campeão brasileiro e Fred, o artilheiro da competição.

Ou seja, um planejamento (?) de merda. Virão me dizer, mas e o CT? Mérito exclusivo do Pedro Antônio, que colocou a grana e tocou a obra. Bom, vendo o que ocorre dentro de campo, nosso benfeitor sequer declarou a quem apoiará na eleição. Deve estar, no mínimo, constrangido de verem associar seu nome com este festival de incompetência que nossa equipe atual protagoniza.

Não vou falar dos jogadores, eles não têm culpa. A culpa é, digo mais uma vez, de quem os contratou. Scout? Scout é a puta que pariu! Precisamos de gente que entenda de futebol realmente, não de gerente daquilo, manager daquilo, CEO daquilo… porra! Quero ser campeão brasileiro, da Libertadores, não da (!) segunda divisão do campeonato eslovaco.

Fica aqui minha mensagem aos que votarão na eleição presidencial do Fluminense: vocês querem um time ganhando títulos ou esta merda que nos faz ser sacaneados até por botafoguenses? Preferem tentar outro rumo ou continuar com essa bosta? Não sei quem será o melhor para o clube, mas o pior, ah, esse não tenho dúvida. Chega de passar vergonha.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: paroc

2 Comments

  1. Hehehehe, compartilho de sua insatisfação e revolta com os rumos recentes do nosso amado clube

  2. “Só para lembrar, Cuca será campeão brasileiro e Fred, o artilheiro da competição.”
    O problema foi que o Peter queria se livrar do Fred e deixou que o jogador se queimasse com o técnico e com a torcida. E aí, fez o que quis: mandou o cara embora e não levou a culpa. E ainda teve grande parte da torcida que gostou da saída do cara…

Comments are closed.