Cansada de correr na direção contrária (por Erica Matos)

 

tired

Olhando para a semana que tivemos, sinto cansaço em relação a tudo o que vem acontecendo.

Quarta-feira perdemos de forma VERGONHOSA para o Palmeiras.

O centroavante soube chutar lixeira, fazendo showzinho desde a outra semana, mas não fez o seu papel enquanto jogador em campo.

Tivemos protestos por parte de torcedores, que estão com um sentimento de revolta pelo momento que passamos.

Não tem essa de vice de futebol – que está desesperado com a sua queda visível diante da torcida – querer dizer que o protesto foi política de oposição. O que mais me enoja é que, pra esse cara, parece que o sentimento do torcedor é balela; enxerga autopromoção quando lhe é viável e acha que, quando não lhe é, é intriga do lado B.

O Fluminense não existe sem nós, torcedores.

Quantas vezes vamos ter que repetir que nós somos a história?

Quantas vezes vamos ter que explicar que se a tragédia de 2013 voltar este ano, o clube vai entrar em uma crise incontrolável?

Não é melhor protestar agora a esperar jogos de degola e o desespero já repetidos tantas vezes?

E o que significa o fato do presidente querer punir torcedor (no caso de ser sócio), porque invadiu o campo para protestar? Ele fez o que muitos de nós teríamos vontade de fazer. Ele não agrediu ninguém.

E aí, presidente? Vai expulsá-lo do clube? Excomungar? Virou inquisição?

Depois desse ultimo jogo, não teve como segurar o técnico “amigo” de quem manda e desmanda no clube. Dessa vez, nem que se chutasse um container de raiva (porque aquilo ali foi piti de quem não queria a saída do Enderson e não de quem havia perdido três pontos na tabela).

Enfim, temos o quarto técnico do ano nessa bagunça de interesses pessoais e políticos das Laranjeiras.

Espero sinceramente que o Eduardo Baptista fique até dezembro e que ganhemos quatro jogos. Não é pedir muito.

Copa do Brasil? Sinceramente não acredito e nem acho que temos condições de encarar uma Libertadores ano que vem. Há muito a ser arrumado dentro de casa.

Tivemos uma falsa esperança, mas quando os interesses aparecem, o futebol se torna secundário.  Bola na rede pra quê? O importante é a renda.

A realidade é que  o câncer do Fluminense não era apenas o plano de doença. Tem resquícios grandes, dentro e fora de campo.

O problema é interno e a culpa é de quem administra.

Chega dessa autopromoção ridícula! Coloquem esse time pra trabalhar e nos deixem menos envergonhados, por favor.

Boa sorte ao Eduardo. É o que resta.

De verdade, espero não passar pelo pesadelo de dois anos atrás. Quem sofre somos nós. Eles saem de um rebaixamento e trocam de clube rindo à toa.

Boa sorte para nós hoje contra a Ponte. Será preciso.

Saudações tricolores cansadas.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @Erica_Matos

Imagem: google

lançamento o fluminense que eu vivi o sabor do queijo

2 Comments

  1. Mas se vc que o Flu está derrotado, saiba que ainda estão rolando os dados pq o tempo, o tempo não pára.
    Rs

Comentário