A reinvenção de Abel (por Felipe Fleury)

PARA ADQUIRIR “O PÓ DO CAMINHO” CLIQUE AQUI

Abel Braga tem um currículo que fala por si só, portanto não precisa provar mais nada a ninguém. Acostumado a grandes times, montava seu esquema, dizia o que queria, e com uma variação ou outra dependendo do adversário ou do local da partida, não havia grandes alterações na sua forma de conduzir suas equipes.

O Fluminense versão 2018, porém, tem dado a Abelão a oportunidade de reinventar-se como treinador, explorando ao máximo sua capacidade criativa, inteligência e paciência para lidar com os problemas extracampo.

Em face da terrível crise financeira por que passa o Tricolor, e diante da impossibilidade de se contratar reforços à altura, Abel tem trabalhado com o que tem, tirando leite de pedra, e adaptando sua equipe, jogo a jogo, às peculiaridades do adversário. Ora marca alto, pressiona e força o erro na saída de bola, ora dá a posse de bola ao oponente e procura retomá-la, saindo rápido nos contra-ataques. Às vezes recua ainda mais, marcando atrás da linha de meio-campo, garantindo-se num setor defensivo que vem se firmando com Luan e Nathan, para também buscar um contragolpe certeiro, que infelizmente não aconteceu na última quarta-feira.

Contra o time gaúcho, por exemplo, o Flu jogou no fio da navalha, fez um péssimo primeiro tempo, melhorou no segundo, e arriscou sofrer um gol, o que não aconteceu porque a equipe jogou com bastante determinação, concentração – o que não tem faltado ultimamente – e a zaga e o goleiro Julio César não falharam. Era o Grêmio e, partir para cima com o que tinha em mãos, poderia ter sido fatal para as pretensões Tricolores.

Essas mudanças radicais de estratégia jogo a jogo decorrem da exiguidade do elenco e da falta de dinheiro em caixa. Só assim, sendo inteligente e tentando surpreender os adversários, além, é claro, de ter um grupo que o respeita e obedece taticamente, Abel tem dado uma consistência e um equilíbrio ao time que não se esperavam no início da temporada.

A necessidade, portanto, tem feito Abel tirar coelhos de sua cartola, ser criativo ao extremo, o que, ao fim e ao cabo, não deixa de ser bom para ele e para o Fluminense, que jamais poderá se imaginar acomodado o suficiente para enfrentar quem quer que seja, o que gera a necessidade de desdobrar-se a cada partida.

A escassez de elenco, suprida em parte nos últimos meses, também é outro fantasma com que Abel precisará lidar. No lugar de Ayrton, Marlon vem dando conta do recado, sem o mesmo ímpeto, obviamente, mas mesmo assim ajudando e minimizando a falta do até então destaque Tricolor no ano. A lesão de Pedro, contudo, me parece que será um desfalque mais grave, mitigada pela Copa que se avizinha, o que lhe permitirá tempo de recuperação. Se não quiser mudar seu esquema com um atacante fixo, Abelão terá que investir em João Carlos, reforço vindo da cabofriense, que ainda é uma incógnita. Não entrou mal contra o Grêmio, mas só a sucessão de jogos dirá se serve ou não para ser reserva de nosso menino de ouro.

E por aí vai, falta de dinheiro, caos administrativo e político, desfalques no time, caminho tortuoso para um treinador que escolheu ficar no Fluminense por amor. Talvez por isso, pelo amor, Abel consiga passar por cima de tudo e dar ao torcedor alguma esperança de que este ano possa ser melhor do que os últimos cinco, pondo toda a sua inteligência, capacidade de harmonização e paciência a serviço do clube. Hoje, é certo dizer que, se não fosse Abelão, além de todas as crises que o clube atravessa, uma mais grave, dentro de campo, certamente poderia descambar em consequências desastrosas ao fim da temporada. Esse risco parece que não correremos graças à fidelidade, ao amor e a competência do Tricolor Abel Braga.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @FFleury

Imagem: f2

2 Comments

  1. Bom dia Fleury,
    Verdade as suas observações.
    Há porém, um ponto do qual discordo e seria importante, em minha humilde opiniāo, que vocês que detêm a mídia, mudassem o discurso.
    No que tange ao elenco e principalmente ao time, nāo é verdade e chega ser ofensivo ao nosso time, que o Abel, tire « tire leite de pedra
    A flamidia inventou o discurso e a midia tricolor embarcou.
    Do time titular todos teriam vagas em algum das principais equipes do país, ou não?
    Tá na hora de acordar e dar…

Comentário