30 dinheiros (por José Augusto Catalano)

Dorival quer ganhar oitocentos mil reais por mês. Léo Moura percebe meio milhão de reais por mês. Valores astronômicos de um mercado completamente sem parâmetros.

Quanto vale ser ídolo de um clube? A Gávea oferece 500 mil pro Felipe, que diz ser Vascaíno, que é adorado no Vasco, abandonar São Januário e atravessar o túnel pro lado errado. Desde Judas e suas 30 moedas de prata, quantos trocaram a paixão de milhares pelo outro lado e conseguiram com isso o ódio de tantos?

Há alguns meses, quando Thiago Neves trocou a Gávea pelas Laranjeiras, a presidente da “nação” vociferou contra o convite a um jogador pelo rival. Palavras como ética, parceria foram lançadas como se um crime estivesse sendo cometido. Indignação na nação… Eis que menos de um ano depois, a ética rubro negra é “flexibilizada” e a Gávea despeja seus milhões (virtuais) em Felipe, jogador do Vasco, com contrato em vigor. A mesma presidente que citava a falta de ética do Fluminense tenta aliciar jogador com contrato em vigor. A situação atual é muito pior, pois Neves estava sem contrato.

No fundo, tudo é excelente notícia. Não há rumo. A Gávea atira pra qualquer lado em busca de alguma ajuda para tentar tirá-los do buraco cada vez mais fundo onde se encontram. O jogador que tentam agora contratar atirou o “manto” no chão em pleno Maracanã na última vez em que o vestiu. Riquelme disse não porque o time é fraco. Diego não quis. Juan foi pra Porto Alegre. Jorginho não quis ser técnico. E Dorival… Dorival não suporta bagunça, falta de profissionalismo. Ou fará um milagre ou sucumbirá ao status quo….

Mais algumas semaninhas e veremos o caminhar das coisas. Aparentemente, em 2012, as alegrias não virão só de onde se espera que venham. Teremos carnaval em dezembro?

José Augusto Catalano

3 Comments

  1. Saudações José,

    Com todas essas contratações “feitas” esse ano pelo time do tinhoso, já deve ter acabado toda aquela grana do patrocínio milionário anunciado pelo Renato Maurício Prado.

    STRI.

  2. José Augusto, eu acredito que esta supervalorização dos craques não é boa para ninguém. Os pobres, os menos favorecidos, que são também os menos esclarecidos, colocam como alvo se tornarem jogadores de futebol profissionais, não atentando que esta oportunidade é para muito poucos. Mesmo para os mais favorecidos também não é bom. Estes devem se sentir desconfortáveis por terem estudado tanto, se esforçando ao máximo durante a sua preparação para ter um habilitação de nível superior, mestrado ou doutorado e ganharem uma fração infima do que ganham estes atletas do futebol. Claro que estes tem outras motivações que nao somente as materiais. Mesmo outros atletas, de categorias olímpicas, devem se sentirem frustados também.

  3. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Ótima! Carnaval em dezembro: EU ACREDITO!!!

    ST!!!

Comments are closed.