Retrospectiva e perspectivas: o meio-campo – Parte II (por Mauro Jácome)

mauro-jacome-red

Dando continuidade à análise do elenco, hoje publicamos o que foi e o que podemos esperar do meio-campo tricolor.

EDSON

A torcida levou muita fé no futebol desse volante, que chegou impondo uma marcação forte, com grande raio de pegada na intermediária defensiva. Além disso, tinha uma chegada na frente que surpreendia os adversários. Notícias de fatores extracampo foram as causas da queda de rendimento. Quem sabe com Abel não recupere o futebol lá do começo e seja o homem que falta na proteção à zaga?

PIERRE

Xodó de Levir, o volante se destacou pelas faltas e cartões. Em alguns momentos, poucos, até que conseguiu contribuir para a proteção da insegura zaga tricolor. No entanto, no geral, foi mais um exemplo da pobreza técnica do time do que o contrário.

DOUGLAS

Tem qualidades, no entanto, quando tentou resolver o problema na criação do time foi ruim. É um volante que tem tudo para ser útil, mas tem que ter consciência das suas limitações técnicas. Pode formar uma boa dupla se o Abel conseguir recuperar os bons momentos de Edson ou com Orejuela.

CÍCERO

Bipolar. Por um lado, quando se posicionou na área de ataque, foi artilheiro e tentou suprir a falta que Fred fez. Por outro, caracterizou-se pela lentidão tendendo à lerdeza e à preguiça. Parte da torcida o acha o símbolo da falta de compromisso do time em campo. Também, acreditam que tenha mercado e, por isso, seja uma boa moeda de troca. Eu acho que tem vaga no elenco do Abel, mas jogando mais à frente e SE demonstrar mais vontade.

DUDU

A inutilidade em pessoa. Não acrescentou absolutamente nada. É fraquíssimo. Incompreensível essa contratação.

MARQUINHO

Uma grande decepção. Nunca foi considerado um grande jogador, mas sempre mostrou vontade e dedicação. Nesta volta, entregou-se à pasmaceira geral. Pareceu que nunca conseguiu entrar em forma.

GUSTAVO SCARPA

O único que se salvou na temporada. Não se pode criticá-lo pela queda de rendimento nas últimas rodadas do Brasileiro. Difícil carregar nas costas um bando de jogadores descompromissados. Espero que não seja negociado por qualquer punhadinho de dinheiro, nem trocado por um monte de barangas. O Fluminense não precisa de quantidade, mas de qualidade.

MARANHÃO

Só tem uma qualidade: entrar no final dos jogos, com a vitória garantida, para dar uns dribles em velocidade e tentar aumentar o placar. Como foi uma situação pouco comum este ano, o jogador foi inútil. Além disso, manter uma cara só para isso é totalmente dispensável.

AQUINO

Os dois jogos que fez deixaram a torcida com vergonha. Tem alguma habilidade e sabe dar alguns passes, mas em peladas de final de semana. Para um futebol competitivo é horroroso.

DANILINHO

Mais um componente do “Pacotes de Horrores” que enterrou qualquer expectativa da torcida neste Brasileiro. Não consigo lembrar uma única jogada interessante nas vezes que atuou.

OREJUELA E SORNOZA

A dupla é aguardada com ansiedade pela torcida. O volante Orejuela, da Seleção equatoriana, mostrou muita disposição nos jogos pelas Eliminatórias. Aposto fichas que vai assumir a titularidade no time de Abel. Não vi Sornoza, exceto num ou noutro gol pela internet.

*** Exceto nos bons momentos de Gustavo Scarpa, o setor de marcação e criação do Fluminense deixou muito a desejar. Além das dificuldades na compactação e na transição da defesa para o ataque, o pessoal da meiúca caiu muito de produção no segundo tempo das partidas e permitiu aos adversários tomarem conta dos jogos. Os equatorianos podem dar nova alma à equipe. No entanto, se Gustavo Scarpa sair mesmo, vai ser uma imensa perda. A não ser que a negociação seja muito boa, o que não credito. Dos que voltam de empréstimos não acredito em nenhum. Danielzinho? Não sei…

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

Imagem: maj

received_1238972116164790

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres