Os novos desafios do Flu (por Aloísio Senra)

PEDACINHOS DA COPA – CLIQUE AQUI.

Tricolores de sangue grená, o Fluminense foi relegado à última partida da rodada, que ocorrerá amanhã, às 20h, no Maracanã, contra o Internacional. Portanto, é bastante provável que sejamos ultrapassados por alguns times que estão atrás de nós na tabela até que possamos enfrentar o Inter e reaver as posições perdidas. A tabela agora se divide em três principais pelotões: os quatro primeiros estão separados por cinco pontos; entre o quinto e o oitavo colocados apenas dois pontos e, do Fluminense para baixo, a distância até a zona de rebaixamento é apenas de quatro pontos. Logo, não estamos numa posição nem um pouco confortável e, ainda que venhamos a vencer na rodada, provavelmente só conquistaremos uma posição, e isso em caso de derrota do Cruzeiro. E, é claro, Marcelo Oliveira não pode repetir os mesmos erros que cometeu na partida contra o Bahia se quisermos um resultado positivo.

Além disso, vamos enfrentar um oponente superior ao time de três cores baiano, não se enganem. O Inter fez 10 pontos nos últimos 15 disputados, e bateu o Galo (quinto colocado) na última rodada dentro do Independência. O Inter é o terceiro colocado e tem em seu elenco Zeca, Patrick, Camilo, D´Alessandro, Leandro Damião, Lucca, Nico López, William Pottker, nosso Wellington Silva e, recentemente, ainda contrataram o Guerrero. Seu treinador é meio desconhecido e não tem ainda muita experiência, e isso pode pesar a favor de Marcelo no duelo tático. Aliás, se quisermos vencer o Colorado, precisaremos muito de uma tática eficiente. Sem ter a certeza da volta de Sornoza, vamos ter que aturar mesmo três volantes em campo? O desenrolar dos fatos dependerá muito da formação que nosso treinador escalará, que por sua vez depende das peças disponíveis.

No meio da semana teremos o duelo decisivo contra o Defensor, lá no Uruguai. Abrimos uma boa vantagem aqui, mesmo após a retranca absurda deles, mas não podemos sentar em cima do resultado. Temos que ir pra lá agredir. Eles vão esperar uma retranca igual, mas nós estamos vencendo o confronto de 180 minutos, temos que propor o jogo, não deixar eles gostarem da partida e ficarem sempre acuados e com receio de atacar. É necessário inteligência para jogar uma competição sul-americana e ser bem-sucedido. A Copa Sul-Americana é nossa menina dos olhos. Os jogadores precisam entender isso e dar o sangue para sairmos de lá classificados. Passando pelo Defensor, teremos o Deportivo Cuenca, e isso significa altitude. Não teríamos como escapar dela, já que ou o jogo seria em Cuenca, a 2.560m acima do nível do mar, ou em Cochabamba, a 2.570m acima do nível do mar caso o Jorge Wilstermann se classificasse. Dez metros de diferença, ou seja, tanto faz.

Vamos então para a altitude mais uma vez, embora nem se compare à de Potosí. Com o planejamento correto, acredito que consigamos ter boas chances. Embora o Deportivo Cuenca esteja em quarto lugar na segunda fase do Campeonato Equatoriano (após três rodadas), ocupou apenas a décima colocação (entre doze clubes) na primeira fase, que contou com 22 partidas. O caminho até o título já se abre no horizonte. Há a chance de enfrentarmos equipes tradicionais como San Lorenzo e Nacional do Uruguai nas quartas-de-final, pode pintar um São Paulo ou um Junior Barranquilla na semifinal e, na finalíssima, eu apostaria que enfrentaremos Independiente Santa Fe ou LDU. Sim, mais uma vez a Liga de Quito pode aparecer no nosso caminho, mas pra isso terão que superar vários adversários e nada está definido. A partir de agora, o foco na Sula tem que ser total, para levantarmos essa inédita taça.

– Curtas:

– Salários atrasados de novo? Assim não dá, gente.

– Segurem Gilberto, Pedro e Ayrton Lucas. Deem o jeito de vocês. O Pedro, principalmente, não vale mesmo a pena vender agora. Ele se valorizará demais, será jogador de Seleção. Olho no futuro, Abad!

– De tanto eu falar, Danielzinho voltou. Mas trocado pelo Luquinhas. Um meia por outro, quando precisamos de meias. Fuck logic.

– Falando em meias, uma hora estávamos fechados com o Ignacio González, do Danubio. De repente, melou. Aí fica difícil.

– Trouxemos mais um zagueiro, Paulo Ricardo. Alguém aí sabe da qualidade dele?

– Pare de tentar segurar resultado mínimo, Marcelo. O empate com o Bahia vai pra sua conta, e se repetir essa bobagem abeliana, vamos nos irritar nesse jogo de amanhã com toda a certeza.

– E mais um patrocínio que termina prematuramente, com acusações de ambos os lados. Quem tem razão? Fluminense ou Valle Express? Eu sei quem não tem razão: Abad e Flusócio.

– E essa novela do Scarpa que nunca acaba, hein? Uma hora são R$ 200 milhões bloqueados da conta do Palmeiras, fala-se por aí até em cessão do Allianz Parque ao Fluminense para cobrir a dívida; depois derruba-se o bloqueio e tudo volta à estaca zero. Será tão difícil assim fazer valer os nossos direitos?

– Palpites: Fluminense 2 x 1 Internacional; Defensor 0 x 1 Fluminense, gol de Pedro.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

 

Comentário