Fluminense 3 x 0 Nacional de Potosí: atuações (por Mauro Jácome)

 
O Fluminense começou sonolento, sem velocidade, com espaços na sua intermediária e ocupados pelo Nacional. Somente aos15’ o Fluminense chegou com perigo, mas Jadson concluiu fraco. Parecia que ia engrenar, mas depois de mais umas duas investidas com Ayrton, caiu da pasmaceira novamente. Três faltas cobradas por Sornoza, duas diretas e uma na cabeça de Gum, fizeram a torcida acordar, mas a atuação tricolor foi muito abaixo das expectativas.

O empate não interessava, então, o Fluminense foi para cima. Desordenadamente, foi todo mundo para o campo de ataque. Gilberto e Renato Chaves tentavam pela direita, Ayrton pela esquerda, Sornoza e Jadson pelo meio. No entanto, Pedro e Marcos Junior não conseguiam liberdade para a conclusão. A torcida já estava impaciente quando Abel mudou o panorama: colocou Matheus Alessandro e Pablo Dyego e começou um novo jogo. Pablo Dyego detonou o sistema defensivo do Nacional Potosí. Marcou logo que entrou e Gum fez o segundo pouco depois. Aos 42’, Renato Chaves foi puxado dentro da área. Pênalti. Pedro bateu forte e ampliou. Valeu pelo segunda parte da etapa final.

JÚLIO CÉSAR

Sem participação.

GUM

Mesmo sem muito trabalho atrás, guardou posição para liberar Renato Chaves para apoiar o ataque. Nos escanteios e faltas ofensivas, foi para o ataque e marcou um gol de cabeça.

RENATO CHAVES

Saiu para o jogo e auxiliou Gilberto na transição pelo lado do campo. Fez um ótimo segundo tempo no campo de ataque. Serviu Gum no segundo gol e, ainda, sofreu o pênalti.

IBAÑEZ

Partida discreta.

GILBERTO

No primeiro tempo, partiu para cima da defesa boliviana, mas exagerou na tentativa dos dribles. Na etapa complementar, arriscou tudo e conseguiu boas jogadas pela direita.

RICHARD

Chegou no campo do Potosí para trocar passes, mas retardou algumas saídas para o ataque. No segundo tempo, arriscou uns chutes de longe, mas poderia ter trabalhado mais a bola. Não fez uma boa partida.

JADSON

Aproximou-se de Sornoza e Marcos Junior, mas prendeu em demasia a bola e permitiu que o Potosí se fechasse. Também não esteve bem.

MATHEUS ALESSANDO

Entrou para colocar fogo no jogo e explorar os lados do campo, no entanto, foi ofuscado por Pablo Dyego.

SORNOZA

Jogou muito curto e rodou muito. Não deu a velocidade que o Fluminense precisava.

DOUGLAS

Entrou para recuperar o gás. Fez o seu papel.

AYRTON

Principal opção ofensiva. Em algumas jogadas, foi ao fundo e criou perigo; noutras, foi parado com faltas. Resolveu o problema da lateral esquerda.

MARCOS JUNIOR

Preso na marcação, não se infiltrou na área do Nacional. Errou muitos passes. Não foi bem.

PABLO DYEGO

O Tanque chegou colocando as coisas no lugar. No primeiro lance, abriu o placar. Em seguida, fez uma jogada sensacional: deu um lençol no zagueiro e, de bicicleta, mandou no travessão. Na terceira participação, arrancou a expulsão de Alaca. O nome do jogo.

PEDRO

Não produziu. Bateu bem o pênalti.

ABEL

Mudou o jogo ao colocar a meninada. Foi outro Fluminense nos vinte e cinco minutos finais. Até se machucou na comemoração, mas não tinha substituto.

NACIONAL POTOSÍ

Distribuiu muita pancada.

ARBITRAGEM

Poderia ter expulsado algum boliviano antes.

 

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#JuntosPeloFlu

Imagem: jam

Comentário