A eliminação que ajudou o Flu (por Márcio Machado)

CLIQUE AQUI: DOWNLOAD GRÁTIS DA COLEÇÃO “RODA VIVA” – VOLUMES I, II, III IV

Ninguém gosta de perder. Em futebol então, nunca. Porém, quando a derrota é utilizada para algo útil, ela acaba virando algo bom. Foi o que aconteceu com o nosso Fluminense na Taça Guanabara.

Muitos erros foram cometidos. A Florida Cup é um clássico e ajudou com cotas de patrocínio master no fim do ano passado, mas é aquilo: jogar sem treinamento e entrosamento algum contra times europeus ou sul-americanos no meio da temporada, ‘internacionalizando’ a marca para brasileiros que moram nos EUA, só serve pra fazer vergonha e, nesse 2018, para ajudar a Federação a nos prejudicar na primeira rodada.

Com um time enfraquecido e em mudança de esquema, veio a eliminação na Taça Guanabara, com algumas partidas tenebrosas – especialmente contra a Portuguesa. E, claro, mesmo a política do clube esquentou.

Mas nada como um dia após o outro. Saíram os patrocínios, os salários foram regularizados, todo mundo que queria sair foi embora e vieram aqueles quinze dias fundamentais para a parte técnica da pré-temporada.

Ali se fixou o 3-5-2, com os alas jogando efetivamente como alas e não laterais (percebam isso ao ver quantos lances de gol têm a participação deles), da subida organizada dos zagueiros pelo lado para a cobertura e eventualmente aparecer na frente, sendo compensados pelo recuo do Richard, o contrário também ocorrendo com os volantes aparecendo à frente.

Pedro, destaque na base, no profissional não fez tantos gols ainda, mas está participando mais das jogadas que seu antecessor, até porque o time chega efetivamente lá na frente com mais jogadores, algo que não fazia em 2017.

Claro que pegamos uma barbada e mesmo o Flamengo parcialmente reserva não é grande coisa, mas jogando mal não estamos e nem o Brasileiro é tão difícil quanto se diz.

O jogo de sábado passado diz mais a respeito do que precisamos para eliminar riscos de rebaixamento no segundo semestre do que propriamente pegar os titulares da Mulambada. O nível médio da competição nacional é mais ou menos aquele da Arena Pantanal e, para isso, estamos ficando prontos.

Como quer a diretoria, dá para não correr e esperar a janela para trazer os reforços: um atacante, um meia e um zagueiro para equilibrar o elenco.

Tudo dando certo, a Libertadores é um sonho bem possível em 2019. Vamos ter fé!

Panorama Tricolor

@PanoramaTri 

#JuntosPeloFlu

Imagem: m2

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres