Direito de resposta (por Francisco da Zanzibar y Zanzibar)

Em atendimento à Lei nº 13.188, de 11 de novembro de 2015, o PANORAMA publica o direito de resposta do suposto Conselheiro Francisco da Zanzibar y Zanzibar, vulgo Chiquinho Zanzibar, em função dos acontecimentos de sábado passado neste blog.

Todos sabem que, desde 2016, minhas histórias e confissões têm sido publicadas neste espaço mesmo que os donos do blog não sejam nem um pouco simpáticos à minha pessoa.  Esta é a maior prova de que o estado democrático de direito existe, em nome de Deus e contra a corrupção. A minha vida, do jeito que ela é ou não, contada como eu quero ou não, tem servido para milhares de leitores refletirem que, no futebol, nem tudo é coisa de bonzinho e de machão. E aqui sempre esteve a minha amiga querida Alva Benigno como uma espécie de escudeira, porta-voz, porta-bandeira ou confidente da minha alma, escrevendo com ajuda de alguns colaboradores e fontes, tanto factuais quanto fictícios.

Pois bem: na semana passada, devido a um equívoco que confundiu o real com o hipotético, Alva teve e seu nome envolvido em uma confusão e, de acordo com as normas desta casa estabelecidas para a sua coluna, optou por seu desligamento do PANORAMA sem mágoas, ainda que o problema tivesse sido imediatamente sanado. Reconheço o erro cometido, mas entendo que a saída de Alva, mesmo voluntariamente, é algo absolutamente exagerado.

Assim sendo, venho neste blog pedir em nome do diálogo para que minha amiga Alva volte ao seu ofício normal nesta casa. Temos um livro sendo encaminhado, há muita a coisa a ser contada e a coluna é um sucesso, com centenas de leitores no horário mais fraco da semana, que é o sábado à noite. As pessoas não curtem, compartilham nem comentam, mas leem e muito. Sou procurado nos estádios e no club, recebo as mensagens mais loucas de WhatsApp e todos me reconhecem como alguém que leva o nosso time para a frente. Tudo isso é decorrência do trabalho que Alva fez por aqui. Quem conhece, sabe.

Se as minhas histórias são verdadeiras ou falsas, se aumentam ou diminuem, isso já não tem a menor importância – aqui a realidade e a fantasia se beijam na boca diariamente. Eu sou um sucesso, gostem ou não de mim, um hit! Falo de histórias que vi e vivi, ao lado de meus amigos. Ninguém é obrigado a gostar, assim como eu também não sou e ignoro quem não gosto.

Espero sinceramente que esta querela seja superada e que, em breve, todos possam ler por aqui as histórias mais quentes, saborosas e provocantes da literatura LGBT de futebol no Brasll. Alva é minha voz, meu vício desde o início, meu bem, meu mal. É com essa que eu vou. Quero minha Alva de volta, que nem meu Brasil varonil.

Afinal de contas, o que incomoda tanto a alguns na minha trajetória? Alguém acha que não existe o amor que não ousa dizer seu nome nas arquibancadas, nos jogos, na turma do “manja pijama”, na sauna, nas reuniões marcadas fora do club? Quem nunca se apaixonou por um lutador careca? Quem nunca fez amor com um blogayro de barbichinha? Eu gosto de ter dinheiro e poder, o que isso tem de anormal? Nada. A anormalidade está nos cabeças-ocas, nos pretensos intelectuais, nos falsos moralistas. Se cheirei ou se fedi, o importante é que emoções eu vivi! Minha vida é livre! Posso pensar numa viagem aos seios de Duília na literatura, ou admirar o lutador calvo Zorba, ao ainda imaginar Meu rival Agaynaldo Happybath debaixo de uma ducha caliente enquanto alisa a barba de Falcon. A imaginação não tem limites e não se submete a constituições.

Eu tenho meus amigos, meus colegas, minhas admirações, meus blogayros, minhas mulheres, as pessoas com quem convivo, quem escolhe minha vida sou eu e pronto. Agora, isso em nada fere a minha luta incansável pela moral e pelos bons costumes, pela retidão, sempre em nome de Deus contra a corrupção. É contra os corruptos que sempre lutarei, carregando comigo o mastro da ética, da virilidade e da boa esperança. Há anos defendo um club para as pessoas de bem e assim continuarei. Chega de acordos, de joguinhos, de futriquinhas! Comigo não tem essa história de vários CNPJs não: é no CPF mermo! Aliás, não apenas um club, mas um Rio de Janeiro e um Brasil melhores, feito aqueles dos quais nos orgulhávamos, no Império. Eu quero minha colônia de volta!

Não tenho culpa de ter nascido rico, bonito, sexy e intelectual. Quem tem cloaca, tem medo, pardal. Não tenho que falar nada da minha vida íntima: tenho mulher, família, um sobrenome respeitável e não exponho minhas relações, eu não exponho meus bomances, são privagdos e respeitosos.

 

Onde está escrito que viver de bem com seu próprio tesão seja crime? Por que assumir meus métodos de ser tricolor incomoda tanto? Se pratico sexo pan ou cuprofagia, a quem isso importa? Eu assumo o que faço, publicamente. Não me escondo dos meus inimigos porque eu não os tenho. Não recalco meus desejos porque eu com eles sou tão comprometido quanto com o meu amor visceral pelo Fluminense. Gozar e amar não podem ser proibidos, nem motivos de vergonha. Mas, sim, de prazer e orgulho.

Agradeço novamente ao PANORAMA TRICOLOR por me conceder esta oportunidade, e que ela se renove pelos anos seguintes com novas e novas histórias, de preferência com a volta da minha querida Alva Benigno numa grande operação Lava Saco, para contar um monte de coisas bacanas que os jornais certinhos e revistas de fofoca nunca publicam para protegerem seus predileto$. Que seja instaurada a grande Cumissão da Verdade. Que os maus apodreçam e os homens de bem prosperem cada vez mais.

Abafa, Flu! Mete, Flu!

 

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: hb

O maior acervo de conteúdo próprio sobre o Fluminense na internet. 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres