Balanço mais do que positivo (por Gustavo Reguffe)

Agora que a ressaca do tetra começa a passar, que já terminou a primeira parte das comemorações, que a imensa nuvem de pó de arroz que cobriu o Rio desde o fim da tarde do último domingo vai se dissipando, já podemos vislumbrar mais claramente um futuro bastante promissor, levando-se em conta tudo o que aconteceu no ano.

Analisemos, primeiramente, desempenho e resultados. Os números não mentem; a conquista dos títulos carioca e brasileiro de 2012, de forma incontestável, alçou novamente o Flu ao posto de melhor time do ano no Brasil. Some-se a isso o fato de este ter sido o segundo título no Brasileirão de pontos corridos em três anos, além de termos ficado entre os três primeiros no ano passado e tem-se uma clara ideia da força desse time.

O planejamento tem sido fundamental para o sucesso. A diretoria manteve a base dos anos anteriores e tem tentado criar um ambiente tranquilo para os jogadores e comissão técnica. Como já falei aqui algumas vezes, não sou fã do estilo excessivamente cauteloso de Abel, mas tenho que reconhecer nele o grande mérito de manter o time unido e com maturidade suficiente para, depois de um começo de campeonato razoável, manter a calma e a confiança necessárias para, uma vez tendo alcançado a liderança, segurá-la com unhas e dentes.

Aqui cabe um parêntese relacionado a possíveis reforços e manutenção da comissão técnica. Creio que, na medida do possível, deve-se manter a base desse time vencedor. Entretanto, como já bem o disse nosso presidente, é preciso manter a sobriedade. Se a saúde financeira do clube será sensivelmente afetada para que o atual treinador seja mantido, por exemplo, deve-se então buscar outra alternativa.

O mesmo vale para os tais reforços de renome que estariam sendo negociados, como já está sendo ventilado na imprensa. Acho que vale a pena o esforço caso seja financeiramente viável, talvez envolvendo jogadores pouco aproveitados como moeda de troca. Falando especificamente sobre Ronaldinho Gaúcho, apesar de reconhecer sua grande fase técnica, acredito que sua contratação poderia vir a tumultuar um ambiente de trabalho que hoje prima pela tranquilidade.

Ainda sobre planejamento e administração, é importante registrar o empenho da atual diretoria em sanear o mais rápido possível as dívidas do clube e procurar promover uma gestão modernizadora, limpando os vícios arcaicos herdados de mandatos anteriores. Exemplo disso foi a aprovação recente da modalidade de Sócio Futebol, medida importante que pode ajudar o clube a ampliar seus horizontes, em todos os sentidos. Como apostas para breve, ficam a construção do novo centro de treinamentos, já uma realidade, e o projeto de ampliação do estádio das Laranjeiras, ainda um sonho.

Enfim, o balanço do ano foi ótimo e o futuro pode ser melhor ainda. As condições são as melhores para que o Flu almeje voos ainda mais altos. A lamentar, apenas algumas manifestações extracampo. A começar pela antipática conduta da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, conforme matéria divulgada nesta quarta nos principais meios de comunicação, segundo a qual o órgão ameaça penhorar a premiação ganha pelo título, rompendo assim acordo com o clube.

Fora das quatro linhas foi também triste constatar a mediocridade de boa parte da imprensa esportiva brasileira. A deflagração de uma campanha anti-Flu pela insinuação irresponsável de favorecimento pela arbitragem, fora a edição descarada de reportagens variadas, enfim, tudo que se pudesse configurar em obstáculo ao título, constituíram odiosa teoria da conspiração, sem precedentes no futebol brasileiro.

Igualmente triste foi ver a manifestação da torcida do Atlético-MG que, aliás, me lembrou de uma música do Ultraje a Rigor, sucesso nos anos 80: “Rebelde sem causa”. Deve ter sido o desespero de ficar tanto tempo ser um título brasileiro… Tem também uma outra torcida que vem manifestando brutal dor de cotovelo, principalmente através das redes sociais. A última moda dessa gente é achar suspeita a convocação de Fred e Cavalieri só agora, com o título definido. Só rindo mesmo, mas esse recalque não chega a ser surpresa, né?

No fim, mais uma vez, contra tudo e contra todos, deu Fluzão. Também não chega a ser uma novidade… Saudações Tricolores a todos nós, TETRACAMPEÕES!

 

Gustavo Reguffe

Panorama Tricolor/ FluNews

@PanoramaTri

Contato: Vitor Franklin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres