A última oportunidade do Flu (por Paulo Tibúrcio)

tiba red

Uma boa definição de oportunidade é uma circunstância oportuna, favorável para a realização de algo. Há quem diga que sorte é a conjunção de preparação com oportunidade. E que quando uma oportunidade aparece, é bom aproveitá-la plenamente, pois pode ser que outra chance tão boa não aconteça de novo.

O Fluminense se encontra em um momento crucial. Não tem sabido aproveitar as oportunidades que surgem. A maior delas: a Conmebol decidiu aumentar o número vagas para a Libertadores, favorecendo o clube, que, naquele momento, entrou automaticamente no grupo de classificação para o torneio. Mas desperdiçou o presente. O time perdeu a vibração e a sorte nem sempre é paciente. Uma sequência de derrotas e empates desnecessários nos levou à nona colocação.

Destarte, Levir não resistiu ao revés e caiu. Inevitável. No futebol, é onde a corda arrebenta. Não que ele não tenha sua parcela de culpa. Começou aproveitando o ano de maneira oportuna, levando o Fluminense a sagrar-se campeão da Primeira Liga. Entretanto, no Campeonato Brasileiro, não esteve bem. Conseguiu encaixar o time em um curto momento, mas não percebeu a queda de rendimento, perdendo a oportunidade de realizar as alterações necessárias para que o time voltasse a ser competitivo. Sua saída era necessária, conforme dito acima. Mas não se pode jogar toda a culpa nele. Por mais que seja papel do técnico gerir o time em campo, ninguém resiste a um setor de ataque com dificuldades de chegar ao gol adversário e a uma defesa que falha de maneira recorrente nos jogos. Além disso, o planejamento ruim resultou em um elenco pouco competitivo.

Precisávamos de um novo técnico. Diz um ditado que “se um cavalo passar selado por você, suba, porque dificilmente isto acontecerá de novo”. Um cavalo selado passou por Marcão, que não titubeou em montá-lo. Faltando apenas quatro rodadas, com o time livre de rebaixamento, dificuldade para contratar um técnico de ponta e as eleições para presidente do clube fizeram de Marcão quase que a única opção disponível. Para nosso antigo capitão, será uma grande oportunidade. Marcão não vem totalmente verde. Aventurou-se como técnico em alguns times menores, sem sucesso. Mas já exerce a função de auxiliar técnico há um tempo. Não terá moleza. A torcida encontra-se irritada com o time e não admite a perda da vaga na Libertadores em um campeonato tão repleto de possibilidades. Terá que usar mais que conhecimento técnico. Seu carisma também será necessário para motivar os jogadores nesta reta final e conquistar o tão sonhado e difícil objetivo. Se Marcão for bem-sucedido, será um grande prêmio para nosso ídolo, que tanto se dedicou ao Flu, e uma promissora volta à carreira de técnico. Embora eu ainda não o considere preparado para assumir o Fluminense em definitivo, pois em 2017, precisaremos de um treinador mais tarimbado.

Perdemos muitas oportunidades neste campeonato. Mas ela ainda insiste em bater em nossa porta. Nossos adversários diretos também não vêm conseguindo grandes resultados e a diferença é pequena. Uma boa sequência pode nos colocar na Libertadores. E começa na próxima terça feira, onde enfrentaremos o Atlético Paranaense em nossa casa mais tradicional. Ainda que o time não esteja merecendo, é a oportunidade da torcida encher o Maracanã e apoiá-lo rumo à vitória. Que o time, junto com o novo técnico aproveite a oportunidade de reencontrar o caminho da vitória. É a nossa última chance neste campeonato. Uma derrota estragaria tudo de vez. E não há nada mais desalentador do que uma oportunidade perdida.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: tp

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres