Vem, Goiás! (por Ise Cavalieri)

Se o preparador físico dos Santos ofereceu seus óculos para a arbitragem por conta de um erro, o Fluminense já pode pensar em abrir uma ótica popular. Depois do gol validado do Botafogo, com cinco jogadores impedidos (a quantidade pelo visto que supera a quantidade de títulos), é nítido que eles enxergam menos do que eu, que uso óculos desde os cinco anos de idade.

Mais um jogo com a mesma história. Além da equipe adversária, temos que jogar contra o juiz, o bandeirinha e de quebra, alguns narradores que nitidamente torcem contra nós. Mesmo com tudo e todos contra, o Fluminense continua sendo a aquela pedrinha incômoda no sapato.

Mais um jogo e mais uma raiva; o Goiás tecnicamente fraco, onde havia quase uma certeza de jogo fácil de vitória… Mas o Fluminense parece não gostar do que é fácil.

Cavalieri, que não se sabe onde está com a cabeça, talvez no jogo de vôlei do Fluminense, sai de forma correta; porém sem a necessidade de chegar onde chegou – o jogador do Goiás já havia cortado para o lado, perdendo o ângulo do gol. A partir daí, começam os nossos problemas… Infelizmente o goleiro tem cometido muitas falhas, prejudicando o time, mas ainda fica a minha torcida para que a boa fase volte.

O Goiás, mesmo com um time limitado, contou com a sorte do empate e a mão amiga do juiz no segundo gol. O pior é ver que, independentemente da gravidade dos erros e os mesmos sendo assumidos publicamente, nada acontece. Ainda se tem a ousadia de dizer que “graças a Deus” o juiz o marcou. Coitado de Deus por ser citado até nas horas de “sujeira”.

Mas e se fosse o Fluminense? Aaaaaah… Aí seria diferente, nessas horas são dois pesos e duas medidas. O fato é que a mídia seria a primeira a cair em cima e seríamos julgados por um longo tempo.

Nesse país até a reciclagem de arbitragem necessita de reciclagem. Vergonha é a única palavra que talvez chegue próximo dos absurdos que são cometidos.

Mas que venham o jogador encenador (certa emissora já pode preparar o contrato de ator), a arbitragem e o que mais vier: o jogo ainda não acabou e quem manda na nossa casa somos nós. É a hora da torcida comprar o barulho e mais uma vez os vivos, doentes e mortos, como dizia o grande Nelson Rodrigues, estarem naquela arquibancada.

O placar é reversível, embora a guerra seja muito mais do que 11 x 11. Será o Fluminense contra todo o resto, mas na quarta-feira sairemos com a classificação. Está declarada a guerra.

Vem Goiás, porque o jogo nem começou!

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: Ise

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres