Santos 3 x 1 Fluminense (por Lucio Bairral)

n_fluminense_young_flu-5113934

Santos e Fluminense.

Na Vila Famosa. Tempo chuvoso.

Desfalques. Laterais improvisados.

Mostra a péssima montagem do elenco. Na reta final do campeonato, não ter laterais.

Além de ter subido jogadores de Xerém no meio da temporada, por necessidade.

Um jogo difícil. Muito difícil.

E com quatro minutos de jogo, Marlon recuou uma bola para o Cavalieri.

Recuou certo, no pé bom do goleiro. Era só chutar pra frente.

Mas demorou, dominou e Lucas Lima, atacante santista, veio no abafa.

Quando chutou, já estava em cima. E pegou no pé do adversário.

Entrando em nosso gol. Um pecado esse 1 a 0 no início do jogo.

Agora o jogo difícil havia se tornado improvável.

Mas aí, aos 10 minutos, Marquinhos Gabriel recebeu uma bola cruzada no segundo pau.

Sozinho, só empurrou pro gol vazio. Fez o 2 a 0 santista.

E o jogo improvável ficou impossível.

A impressão que dava era de ter que arrumar a “casinha” pra não sofrer uma inapelável goleada.

Com 15 minutos quase o terceiro. Cavalieri salvou com os pés.

O jogo, mesmo com o Santos em vantagem, era ataque contra defesa. Com eles em cima.

Eduardo Batista tentou algo diferente aos 28 minutos: colocou Robert no lugar do Victor Oliveira.

Que, sinceramente, não sei o que faz no Fluminense.

O querido Denilsinho, roupeiro, tem mais técnica que ele. E é boleiro. Dos bons.

A alteração melhorou nosso meio campo.

Com uma posse de bola um pouco maior, não sofríamos tanto.

Mas ainda era pouco para equilibrar o jogo.

Em uma descida aos 40 minutos, Cavalieri defendeu um chute do Daniel Guedes, cruzado.

Chute forte, rasteiro, campo molhado. Defesa difícil.

O primeiro tempo terminou com 46 minutos, sem muitas novidades.

O segundo tempo veio com Magno Alves no lugar do Osvaldo.

Se havia a certeza de que o Osvaldo deveria sair, fiquei em dúvida se o Magnata deveria entrar.

Com 10 minutos um gol anulado do Santos. Impedimento do Gabigol.

Na saída do Fluminense, Wellington Paulista pisou na bola. Que momento!

Nos minutos seguintes só deu Santos.

Aos 18 minutos, bola no travessão. E tome sufoco.

Quem via o jogo, notava que o Santos dominava o jogo.

E não via alternativas ao Fluminense.

Com 26 minutos mais um gol anulado do Santos. Falta de ataque no Gum.

O Peixe dominava o jogo.

Tanto que, aos 38 minutos, Neto Berola fez, de cabeça.

Sozinho, no segundo pau, de frente para o gol. Fez-se o 3 a 0.

Para a torcida tricolor, a torcida era pra acabar o jogo.

A ideia era a vergonha não ser tão grande.

Resumindo: o Fluminense com a bola no pé, tocava bola para esperar o tempo passar.

O Santos, por sua vez, vinha pra dentro querendo mais gols.

Sempre vertical.

Mas para nossa sorte, só teve tempo do Robert fazer uma pintura.

Recebeu na entrada da área e deu um tapa no ângulo. Belo gol.

Acabou 3 a 1.

Ufa!

Que venha o próximo jogo, para que esqueçamos desse o quanto antes.

Faltam três vitórias para o desespero acabar.

Panorama Tricolor

@luciobairral

Imagem: artflu

CAPA O FLUMINENSE QUE EU VIVI AUTÓGRAFOS

1 Comments

  1. O que é Wellington Paulista,gostaria de saber porque continua jogando e o Michael no banco. Outra pergunta,se levamos 2 laterais para o jogo,se o time estava desfalcado, como o técnico tem uma brilhante idéia de colocar dois Ets da posição com laterais? Colocava os laterais para pegar ritmo, o Santos era o favorito ,jogava em casa. Tática de técnico que não quer levar gol, se for assim é melhor deixar os laterais treinando e no lugar deles continuar com as improvisações.

Comentário