A psicodelia das resenhas sobre o Fla-Flu (por Paulo-Roberto Andel)

 

No Brasil de hoje tudo é possível, mas uma coisa é sempre mais possível do que todas as outras: o cinismo da FlaPress em subverter os fatos conforme a própria conveniência.

Momento de rara curiosidade hoje cedo, enquanto escrevia orgulhosamente o prefácio do livro do craque Paulo Rocha, e espio o que sobrou do RJTV quando começam a falar do Fluminense. Boto os olhos, lógico.

Então o sujeito comentarista, da listinha daqueles canalhas que em 2013/2014 insuflaram o país inteiro contra o Flu, começa sua narrativa digna de um álbum do Tangerine Dream, Le Orme ou do nosso eterno Pink Floyd mesmo, repetindo SporTV e congêneres:

“Acontece que o Flamengo pressionou, pressionou, dominou o jogo e o Fluminense se segurou com o empate”.

Hã?

Qual é o doce?

Que tragastes?

Onde, cara pálida?

É claro que o Flamengo tinha que atacar: estava perdendo, precisava de dois gols para se classificar. Correu atrás e deu muita porrada também.  Júlio César fez boas defesas, mas ninguém ficou com medo na arquibancada tricolor. Depois empataram com um golaço. E só.

Quanto ao Fluminense, perdeu pelo menos três gols inacreditáveis com Gilberto e Pedro.

Ah, sim: fez 2 a 0 com Gum, mas a arbitragem inventou um impedimento.  REPETINDO: FEZ 2 A 0, MAS A ARBITRAGEM ANULOU ERRADAMENTE O GOL.

Para a cereja do bolo, SEIS MINUTOS de acréscimo.

Será tão difícil assim não vencer um jogo, ser desclassificado e admitir que o adversário jogava pelo empate porque tinha MELHOR CAMPANHA?

A briga das falas e textos com as imagens desafia qualquer definição. Nunca me esqueço de uma pérola do meu amigo Bruno Saraceni: “É muita vontade de acreditar…”

De toda forma, justiça seja feita, não é só no futebol – ainda que a FlaPress seja imbatível.

Antes de ir para o trabalho, mudo o canal e começam a debater o “polêmico” cartaz de divulgação do show  – espetacular! – do Pearl Jam no Maracanã.

Um jornalista: “É, o cartaz tem aves silvestres, então o assunto deu o que falar”.

O outro: “O pessoal também forçou a barra, querendo dizer que a imagem era de um tucano”.

Como se pode ver, na verdade o animal desenhado é um elefante. Se não for, eu juro que é um boi almiscarado.

xxxxxxxxxx

Nesta sexta, estou na TV Escola às 19 horas, falando do maior dramaturgo brasileiro de todos os tempos: Nelson Rodrigues.

Ao contrário dos seus puxa-sacos e imitadores baratos da internet, lá estarei para falar da obra de Nelson.

A TV Escola passa na Sky e na Net. Estejam todos convidados.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

#JuntosPeloFlu

Imagem: rap/google

3 Comments

  1. Caro Andel,

    eles são daquela turma do sistema que sempre utilizam aquela velha e sórdida premissa: “uma mentira contada várias vezes, para se tornar uma verdade”. Há muito tempo não vejo uma arbitragem tão tendeciosa. O Jonas era para ter sido expulso; o Vinicius Jr não pode sequer ser encostado; gol mal anulado, 6 minutos de acréscimo etc. Eles se superam!! Cada vez mais difícil encontrar um canal imparcial, para assistir aos nossos jogos. Mais somos TRICOLORES! ST.

Comentário