Não é hora (por Mauro Jácome)

O que está acontecendo? De repente, o Fluminense teve uma queda acentuada nos últimos jogos. Não que estivesse dando espetáculo, pelo contrário, o time vinha atuando de forma bem pragmática, mas as duas últimas atuações foram preocupantes.

Contra a Portuguesa, o Fluminense foi envolvido a maior parte do tempo e a vitória veio sabe-se lá como. No entanto, neste último sábado, a sorte não sorriu ao time de Abel.

O futebol apresentado contra o Atlético foi sofrível. A defesa estava insegura, o meio-campo não criou e o ataque sentiu a falta de Fred. O que mais chama a atenção é a atuação de alguns jogadores.

Bruno não acrescenta rigorosamente nada ao time. É o típico jogador que não arrisca. Vai até a intermediária adversária e toca para o lado. Wallace ainda é muito imaturo. Tem potencial, mas ainda não se deu conta de que está no time profissional. Carlinhos alterna bons jogos, com atuações apagadíssimas.

Até aí, nenhuma novidade. O primeiro problema mais grave que vejo está na zaga. Gum vinha fazendo um excelente campeonato. Onipresente na área, não dava espaços e impunha uma raça contagiante. No entanto, tem falhado muito. Às vezes, questão de posicionamento, outras, cometendo falhas grotescas. Estaria sentindo falta do auxílio que o Wagner dá na marcação à frente da zaga? Leandro Euzébio está fazendo o que sempre fez: lambanças e faniquitos.

Ao falar de atuações ruins, não poderia deixar de “reverenciar” o Diguinho. A entrada contra o Figueirense foi muito criticada. Depois, o primeiro tempo que fez contra a Portuguesa foi péssimo. Errava passes, sistematicamente, comprometendo o sistema defensivo. Levou bronca até do Edinho. Abel percebeu e o surfista nem voltou para o segundo tempo.

Outra peça fundamental ao time, mas que está totalmente fora de sintonia, é o Thiago Neves. Errou um caminhão de passes no sábado. Inclusive, de seus pés saíram vários contra-ataques para o Atlético. O primeiro gol foi de uma falta sua, ao tentar recuperar a bola depois de dar um passe errado no ataque. Em outro lance, o atacante Patric quase marca ao chutar no peito do Cavallieri. Estranhei o TN10 não cobrar aquelas faltas pelos lados do campo. Essa bola é valiosíssima, pois ele a coloca entre a pequena área e a marca do pênalti. O Fluminense já marcou muitos gols assim. Fred, Euzébio ou Gum se lançam na tentativa de raspar a bola e desviá-la do goleiro. Sábado, Jean e Nem se revezavam nas cobranças. Até escanteio ficou por conta do Nem. O que estava acontecendo com o Thiago?

Por fim, percebe-se a total inutilidade do Sóbis. O dublê de roqueiro nunca arrancou muitos suspiros com seu futebol desde que chegou, mas, de vez em quando, mandava a bola lá no ângulo e conquistava importantes gols para o Fluminense. Hoje em dia, nem isso. Entra em campo, não participa, fica entregue à marcação, não chuta.

Gum, Bruno e Thiago Neves são titulares, atuando mal, complicam o jogo. Fosse um, menos mal, mas os três? Ainda, Diguinho e Sóbis são opções com que o Abel conta e entram sempre no time. Quando juntam todos…

Espero que seja somente um momento de instabilidade. Essa não é a hora de fraquejar.

Mauro Jácome

Panorama Tricolor/ FluNews

@PanoramaTri

Imagem: Uol

Contato: Vitor Franklin

Revisão: Rosa Jácome

 

12 Comments

  1. Maurão,

    Eu sabia do resultado antes da bola rolar. O Flu como num exercício fortuito de vingança não fez nenhum esforço a proteger o Flamengo da queda.
    Sua caminhada para o título está próxima… vai brigar com Atlético e Grêmio… serão boas rodadas daqui para frente, mesmo que com jogos fracos.
    O futebol brasileiro passa por uma transição completa. A renovação de valores pós-saída de Ricardo Teixeira ainda vai pegar cor e começa com a queda dos “incaíveis”.
    Salvam-se os pequenos e honestos e partem-se para o túmulo com os medalhões da arrogância e da incompetência.

    1. Não acredito que o Fluminense tenha perdido o jogo para complicar a vida do Flamengo. Aliás, acho que ninguém está aí para os outros. Se o título estivesse garantido ou perdido e faltassem poucas rodadas, poderia até ser, mas não altura do campeonato. O que acho foi que o time entrou muito “maneiro” (com se diz em goianês) e se surpreendeu com a aplicação do Atlético. Ficou envolvido e não conseguiu sair da arapuca. Contribuiu para isso, a fraca atuação de peças-chaves, como dito na crônica, e a falta do Fred e sua liderança.

  2. FORA TRAÍRA NEVES, FORA THIAGO NEVES, FORA ESTUPIDEZ EM CAMPO, FORA PONTOS PERDIDOS POR CAUSA DE 1 ÚNICO JOGADOR, TRAÍRA NEVES É UM LIXO, NÃO QUERO JOGADOR NO MEU TIME QUE FALA MAL DELE, SERÁ QUE NINGUÉM VE QUE SE DECO E HIGOR ENTRAREM TRAÍRA NEVES NUNCA MAIS JOGARÁ NO FLUMINENSE, FORA THIAGO NEVES, BRASILEIRO E PRINCIPALMENTE OS TRICOLORES ANDAM COM A MEMÓRIA MUITO FRACA, “AQUI NO FLAMENGO TEREI MUITO MAIS CHANCES DE TÍTULO…” DESPREZOU O FLUMINENSE E HOJE UM MONTE DE BABACA FICA LAMBENDO O OVO DESSE LIXO, FORA THIAGO NEVES, NÃO APLAUDO ELE NEM SE DER O GOL DO TÍTULO!

  3. Não perceberam q isso tudo aconteceu quando o Wagner se machucou? o flu nao consegue mais nada , fazer tabelas para ir ao ataque…..e fica dependente total do W.nem e da sua velocidade,por q o gasparzinho (aquele cara q nao merece a 10) nao arma ,pode tentar mais so atrapalha,Wagner VOLTA LOGO! E VESTE A 10 !GASPARZINHO SENTA NO BANCO DE RESERVA PARA VER O JOGO MELHOR!!!

    1. Concordo plenamente que a saída do Wagner prejudicou o time. Ele ajuda muito na marcação e, com a bola nos pés, dá velocidade na saída da defesa para o ataque. Acho que o próprio Jean está sentindo falta do Wagner.

  4. Assisti ontem uma pequena parte do programa Bem amigos. Nele o Wanderley Luxemburgo analisou a rodada e disse que os times estão cansados, esgotados devido a maratona de jogos. E que quando o atleta está cansado a tendência é a desatenção, erros e falta de combate. O próprio Cavalieri levou um gol que não costuma levar. o WL disse que isso está acontecendo com todos os times, em especial com os líderes, pois sobre eles há uma cobrança muito grande por resultados. É certo que os que estão perigando cair também sofrem esta pressão, mas para eles perder dos líderes é uma situação normal e por isso a pressão é menor, apesar de ser maior da torcida, talvez. Pode ser essa uma explicação. No caso do Flu isso se agrava pela ausência dos principais articuladores do time e pela falta de esquema tático. Vamos ver se com as voltas do Deco, do Wagner e a entrada do Valência as coisas melhoram. Vamos ter fé.

  5. derrotas como essa fortalece ainda mais o time

    Abel com certeza deu uma jacoalhada no time depois deste fiasco

    confio plenamente no Tetra

    saudações tricolores

  6. Se a culpa é do Thiago Neves, o que dizer de quem deixa ele no time, ou ele mesmo se escala?

  7. Quem diria o Wagner de tão criticado , hoje esta fazendo falta ao Time.
    Sugestão: Porque o Bruno não usa a camisa do figueirense por baixo da do Flu em dias de Jogos , talvez jogue bem….

    1. Wagner: adaptação. Bruno: Figueirense é Figueirense. Aposta que não vingou. Há muitos exemplos nos dois casos.

  8. Prezado Mauro:

    Sua crônica fez uma excelente análise do que aconteceu em campo. Mas procurei analisar o resultado sob a perspectiva do mestre Nelson Rodrigues. O que diria ele sobre o tropeço do FLU nos lanternas?

    Simples! Ele responderia mandando que pensássemos no Hino do Fluminense. A resposta está lá: “São três cores que traduzem a TRADIÇÃO”. Ora, em 2010 quando foi Campeão Brasileiro o FLU não venceu o lanterna América MG. E para manter acesa a chama da tradição, não venceu nem o lanterna Figueirense, nem tampouco o lanterna Atlético GO.

    Mas muitos se perguntariam: mas por que não vencer logo os aparentemente mais fáceis de serem batidos?

    E novamente a resposta está na última estrofe do hino (pouco conhecida de muitos tricolores): “Vence o Fluminense, usando a FIDALGUIA, branco é paz e harmonia, brilha com o sol da manhã, qual a luz de um refletor, salve o Tricolor”.

    Ora, o que significa fidalguia? Exatamente Nobreza, Gentileza. Nada mais fácil que pisar em cima do último. Do que afundar ainda mais quem já está por baixo. Difícil é usar a fidalguia e dar uma chance a quem está no fundo do poço…

    Portanto, passada a frustração por essa derrota, percebi que é exatamente ela que nos colocará no caminho da grande vitória!

    Imagine se o FLU tivesse vencido: os jornais, a mídia, todos estampando em letras garrafais que o título já tinha dono, e era do FLUMINENSE. Os jogadores relaxariam. Fred comemoria com doses e mais doses de kaipisaquê… E provavelmente esse seria o início da derrocada tricolor. Talvez nem vaga na Libertadores o FLU conseguisse!

    Mas graças aos céus conseguimos manter a TRADIÇÃO e a FIDALGUIA. E agora, como diria Nelson Rodrigues, esse título já está assegurado, “pois isso já está escrito há mais de mil anos!” Saudações Tricolores!

    1. Elson, muito interessante a abordagem. Uma forma superior, lúdica, de ver o revés. Bem ao estilo de NR.

Comments are closed.